RADAR INFOMONEY Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Usiminas lucra R$ 1,2 bi: mas por que não empolga tanto? Confira no programa desta sexta

Mais de 50% dos paulistanos usam serviço de distribuição gratuita de medicamentos

Os serviços de psiquiatria e saúde mental foram os menos utilizados pelos cidadãos de São Paulo, registrando apenas 5%

SÃO PAULO – No ano passado, 77% dos paulistanos utilizaram algum serviço de saúde pública, sendo que a distribuição gratuita de medicamentos foi um dos serviços mais utilizados.

Segundo pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência, a pedido da Rede Nossa São Paulo, e divulgada na quinta-feira (20), no ano passado, 52% dos moradores da cidade de São Paulo pegaram remédios gratuitamente. O índice caiu 2 pontos percentuais em comparação com 2009, quando 54% utilizavam esse serviço.

Quando se trata de qualidade, o serviço de distribuição de medicamentos deixou 34% dos paulistanos totalmente satisfeitos e 21% insatisfeitos.

Já em relação à facilidade de acesso, 32% dos respondentes disseram que estão totalmente satisfeitos. Por outro lado, a acessibilidade não agrada a 24% dos moradores da cidade de São Paulo.

Serviços mais e menos utilizados
No ano passado, o serviço de saúde público mais utilizado pelos paulistanos foi o atendimento ambulatorial (56%). Em 2009, o percentual de pessoas que usavam esse serviço era de 59%. 

Por outro lado, em 2010, os serviços de psiquiatria e saúde mental foram os menos utilizados pelos cidadãos de São Paulo, registrando apenas 5%, enquanto, no ano anterior, 6% haviam usado esses serviços.

Na tabela abaixo, é possível observar quais foram os serviços de saúde pública mais e menos utilizados pelos paulistanos no ano passado:

Utilização de serviços de saúde pública
ServiçoDezembro/2009Dezembro/2010
Atendimento ambulatorial59%56%
Distribuição gratuita de
medicamentos 
54%52%
Consultas com especialistas37%36%
Atendimento de emergência32%27%
Saúde da família27%22%
Tratamento de doenças22%21%
Prevenção a doenças e 
epidemias 
17%21%
Serviços odontológicos15%14%
Internação e intervenções
Cirúrgicas 
14%12%
Serviços de ambulância10%8%
Serviços de psiquiatria e
saúde mental 
6%5%

Perfil
Ainda segundo o levantamento, os homens representam 45% dos usuários de serviços de saúde pública, enquanto as mulheres correspondem a 55%.

Quando se trata da idade, as pessoas com mais de 50 anos representam 30% dos usuários, seguidas pelos paulistanos com idade entre 30 e 39 anos (21%), de 16 a 24 anos (19%), de 40 a 49 anos (18%) e de 25 a 29 anos (12%).

PUBLICIDADE

Já em relação à renda, os usuários com renda familiar entre dois e cinco salários mínimos representam 40% dos usuários dos serviços de saúde pública do município de São Paulo. Aqueles com renda de até dois mínimos correspondem a 38% e com mais de cinco salários mínimos, a 23%.

Perto de casa
A pesquisa ainda apontou que 91% dos paulistanos têm um posto de saúde público perto de casa. Já 80% dos respondentes afirmaram ser um pronto-socorro público e 77% disseram que moram próximos a um hospital público.

Já os prontos-socorros particulares estão próximos da casa de 50% dos moradores da cidades de São Paulo. Outros 54% moram próximos a hospitais particulares e 43%, próximos a postos de saúde particulares.