Novo golpe

Lufthansa processa passageiro que não embarcou em voo após escala

Ele chegou em Frankfurt, mas não embarcou para Seattle, que era seu destino final 

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A companhia aérea alemã Lufthansa está processando um passageiro que perdeu seu voo. Ele, na verdade, deixou propositalmente de embarcar na última parte de sua viagem,segundo informações da CNN. Trata-se de skiplagging, um método comum para pagar passagens mais baratas.

Na prática, é uma espécie de golpe. O passageiro, que não teve seu nome revelado, chegou em Frankfurt, local da escala, mas não embarcou para Seattle, que era seu destino final. 

Isso é possível em qualquer parte do mundo. Por exemplo, alguém que quer ir de São Paulo para Brasília, compra uma passagem mais barata de São Paulo para Palmas, com escala no Distrito Federal. Ao chegar na primeira parada, não embarca para o trecho Brasília-Palmas. 

PUBLICIDADE

De acordo com um documento judicial, um passageiro reservou um voo de volta de Oslo para Seattle, que tinha uma escala em Frankfurt. O passageiro usou todos os trechos do voo de ida, mas não embarcou de Frankfurt para a cidade norte-americana. Ficou na cidade alemã, e ainda, pegou um outro voo, também da Lufthansa, de lá para Berlim. 

A empresa aérea viu isso como uma violação de seus termos e condições e está buscando uma indenização de 2.112 euros, cerca de US$ 2.385 ou R$ 8.872. Um tribunal distrital de Berlim arquivou o processo em dezembro, mas o porta-voz da Lufthansa confirmou à CNN que a empresa “já pediu um recurso contra a decisão”.

Invista seu dinheiro para viajar para onde quiser. Abra uma conta na XP – é de graça. 

Em 2014, a United Airlines e a Orbitz entraram com uma ação civil contra Aktarer Zaman, de 22 anos, que fundou o site Skiplagged.com, que ajuda viajantes a encontrar voos mais baratos usando essa estratégia, chamada de “cidade escondida” (Hidden city). 

O caso foi descartado em 2015, depois que o juiz do Tribunal Distrital do Norte de Illinois decidiu que o órgão não tinha jurisdição sobre o caso porque Zaman não morava ou fazia negócios naquela cidade.