Isenção da Cofins para as motos não é suficiente, diz presidente da Fenabrave

Sérgio Reze acredita que, para recuperar as vendas, setor precisa de incentivo ao crédito para os consumidores

Por  Equipe InfoMoney

SÃO PAULO – A redução a zero da alíquota da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) incidente sobre as motocicletas, que antes era de 3%, não será suficiente para aquecer as vendas do setor. Isso é o que pensa o presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), Sérgio Reze.

Para ele, é necessário incentivar o crédito para que as vendas voltem a crescer no setor. “A capitalização de bancos pequenos anunciada é boa, mas ainda há mais medidas que deverão ajudar”, diz.

Dificuldade de crédito

Segundo Reze, o incentivo ao crédito seria necessário para o setor, devido ao fato de que a maioria dos compradores de motocicletas precisam de financiamento para realizar a aquisição. “São pessoas mais humildes, que têm mais dificuldade de obter crédito”.

Em fevereiro deste ano, as vendas de motos registraram queda de 58,2% em relação ao mesmo mês do ano passado. A isenção de Cofins para as motos foi anunciada nesta segunda-feira (30), pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, juntamente com a divulgação da prorrogação da alíquota reduzida de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para carros.

Compartilhe