Fusão de Brasil Telecom e Oi será positiva para o consumidor

Na opinião do presidente da Teleco, a entrada de um terceiro grupo no setor tornará o mercado mais competitivo

Por  Gladys Ferraz Magalhães

SÃO PAULO – Na opinião do presidente da Teleco, empresa de consultoria especializada em telecomunicações, Eduardo Tude, a compra da operadora de telefonia Brasil Telecom pela Oi será positiva para o consumidor.

Tude acredita que a entrada de um terceiro grupo no setor tornará o mercado mais competitivo, o que se refletirá em benefícios para os usuários do serviço.

“Ao juntar as duas empresas, teremos um grupo com porte similar ao dos dois grandes grupos que atuam no Brasil. É um mercado competitivo, e a entrada de um terceiro grupo certamente trará bons resultados para os usuários do serviço”, disse, conforme publicado pela Agência Brasil.

Fusão

Aprovado pelo Conselho Diretor da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), para ser concretizado, o negócio ainda depende do aval do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Caso a operação seja efetivada, a nova empresa deterá 50% da receita do setor em território nacional e 64% dos acessos fixos instalados, além de ter o alcance de 90% do mercado geográfico.

Segundo pesquisa realizada pela Teleco sobre como o público avalia a compra da Brasil Telecom pela Oi, 33% manifestaram-se contra o negócio, 44% foram favoráveis e 22% disseram ser a favor desde que fosse como golden share, o que impediria a venda da empresa sem a anuência do governo.

Opinião contrária

Apesar de grande parte do público ser a favor da fusão das duas empresas, ao contrário do que diz o presidente da Teleco, a TelComp (Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas) avalia a operação como negativa e afirma que o consumidor pode ficar no prejuízo.

Segundo a entidade, a integração das companhias traz riscos à pouca concorrência existente hoje, pois elas praticariam tratamento discriminatório na fixação de prazos de atendimento às solicitações, favorecendo suas coligadas.

Compartilhe