Economias emergentes levam à recuperação do turismo em 2010

Desembarques internacionais cresceram quase 7% em todas as regiões do mundo, após queda de 4% observada em 2009

SÃO PAULO – O turismo internacional se recuperou em 2010, por conta do bom momento das economias emergentes, de acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira (17) pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO em inglês).

Os desembarques internacionais, por exemplo, cresceram quase 7% em todas as regiões do mundo, após queda de 4% observada em 2009 – ano mais atingido pela crise econômica mundial.

Em número absolutos, os desembarques de turistas estrangeiros atingiu 935 milhões, um aumento de 58 milhões a partir de 2009 e 22 milhões a mais que o nível de pico pré-crise de 2008 (913 milhões).

Esta aceleração foi constatada com mais intensidade nas economias emergentes (8%) do que nas economias avançadas (5%). De acordo com a organização, esse é um reflexo da situação geral da economia mundial e deve se manter em 2011.

“A recuperação do turismo internacional é uma boa notícia, especialmente para os países em desenvolvimento que dependem do setor para a geração de empregos”, disse o secretário-geral da organização, Taleb Rifai.

Regiões
A Ásia (13%) foi a primeira região a se recuperar do turbilhão financeiro, além de ter experimentado o mais forte crescimento em 2010. Os desembarques internacionais de turistas na região atingiram um novo recorde de 204 milhões ano passado, ante 181 milhões em 2009.

Já a África (6%), única região a mostrar resultados positivos em 2009, manteve o ritmo de crescimento em 2010, beneficiada pelo aumento do dinamismo econômico e da realização de eventos como a Copa do Mundo.

Na Europa (3%), a recuperação foi mais lenta do que em outras regiões, devido à interrupção do tráfego aéreo causado pela erupção do vulcão Eyjafjallajokull e a incerteza econômica que afetou a zona do euro.

No entanto, o setor ganhou impulso a partir da segunda metade do ano e alguns países tiveram um bom desempenho acima da média regional, mas isso não foi suficiente para trazer resultados globais acima das perdas registradas em 2009.

PUBLICIDADE

As Américas (8%) retomaram o fôlego após o declínio em 2009, provocado pela dificuldade econômica sofrida na América do Norte e pelo impacto do surto de influenza A (H1N1).

O retorno ao crescimento da economia dos EUA ajudou a melhorar os resultados da região como um todo, assim como a crescente integração regional na América Central e do Sul e a vitalidade das economias latino-americanas. O crescimento foi mais forte na América do Sul (10%).

Viagens
Entre os principais mercados emissores de turismo, em termos de despesas no exterior, as economias emergentes continuaram a impulsionar o crescimento: China (17%), Rússia (26%), Arábia Saudita (28%) e Brasil (52%).

Dos mercados emissores tradicionais, Austrália (9%), Canadá (8%), Japão (7%) e França (4%) se recuperaram, enquanto o crescimento mais modesto em 2% veio de EUA, Alemanha e Itália.