13º salário

Como fazer seu 13º salário render mais?

Receita de sucesso envolve quitar débitos, gastar menos nas compras e poupar; afinal, é melhor um Natal magro que um Ano Novo cheio de dívidas!

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O fim de ano se aproxima e, com ele, o tão esperado 13o salário. Neste momento, as pessoas devem tomar especial cuidado com o que farão com este dinheiro extra, já que gastar mais pode ser uma opção tentadora, mas certamente não é o mais recomendável para quem quer melhorar sua saúde financeira.

Como esta é uma das poucas ocasiões onde aparece um dinheirinho extra, é importante planejar exatamente o que fazer com esta quantia de forma a fazê-la render ao máximo.

Se você tem dívidas, aproveite para renegociar
Quem levantou uma linha de antecipação de 13º salário precisa se programar para este pagamento, uma vez que, em geral, a quitação está prevista na data de recebimento dos recursos. Como a primeira parcela do 13º salário deve ser paga no próximo dia 30 de novembro e a segunda até o dia 20 de dezembro, deixe a sua conta coberta para pagar a dívida.

Aprenda a investir na bolsa

Para quem não levantou este tipo de financiamento, mas possui dívidas, este é um bom momento para tentar a renegociação: informe-se sobre a possibilidade de usar os recursos do 13º salário para quitar, parcial ou integralmente, o saldo devedor. No final do ano muitas instituições financeiras e lojas que negociam a prazo oferecem alguns benefícios, que variam de isenções até descontos sobre a dívida. Aproveite, pois esta é a melhor época para você tentar renegociar seus débitos.

Mas, fique atento: muitas varejistas facilitam a quitação das dívidas nesta época do ano, para que o consumidor volte a comprar. Porém, se não houver controle, você pode acabar se endividando ainda mais. Use o 13º salário para reduzir o seu endividamento, e não para aumentá-lo. Não vale a pena investir o dinheiro, pois os juros cobrados na sua dívida são mais altos do que os obtidos em qualquer tipo de investimento. Reflita sobre o quanto economizará em juros no ano que vem e como poderá utilizar este dinheiro que vai sobrar.

Troque consumo por investimento
Para quem não está no vermelho, é preciso ter cautela para não gastar demais. Não adianta ter conseguido equilibrar seu orçamento durante o ano inteiro, se no Natal você perder o controle. Por isto, a palavra de ordem é pesquisar preços e promoções.

Faça uma lista do que pretende comprar e quanto pretende gastar, e atenha-se a este planejamento. Deixe uma verba reservada para os presentes de última hora, que sempre aparecem. Nada de extravagâncias, pois em janeiro você terá muitos gastos, de forma que o ideal é poupar o máximo que puder do 13º salário.

Nestas horas, aquele velho ditado “dinheiro faz dinheiro” certamente se enquadra, pois, com os juros altos, vale a pena adiar consumo em favor de investimento. Aquilo que deixa de gastar hoje valerá mais lá na frente, pois os juros no Brasil ainda superam e muito a inflação. Assim, o preço do produto cresce a um ritmo menor do que o seu dinheiro aplicado.

No curto prazo, renda fixa ainda é boa opção
Mas, o que fazer com o dinheiro poupado? A resposta depende do prazo em que pretende manter o seu dinheiro investido. Se a sua intenção é usar o dinheiro para montar uma reserva de emergência, então é possível que efetue resgates no curto prazo. Neste caso, a renda fixa ainda é a melhor opção, sobretudo se a quantia investida não for elevada e você não tiver apetite para o risco.

PUBLICIDADE

Mesmo considerando que os juros devem manter sua tendência de queda, ao investir em renda fixa no decorrer de 2006, o investidor deve ter um retorno de 10% acima da inflação, o que é bastante atrativo. No horizonte de curto prazo, os custos podem ter um peso grande no retorno da aplicação, de forma que pode valer a pena optar por investimentos que oferecem custos menores. Este é o caso, por exemplo, da poupança, que é isenta de taxas e impostos.

Outra opção atrativa é o investimento direto em títulos públicos, que oferece retorno mais atrativo do que a poupança, e tem custos mais baixos que os fundos de investimento, o que pode oferecer um retorno mais atrativo. Quem prefere contar com um gestor, deve optar pelos pré-fixados crédito que, por diversificarem suas aplicações entre títulos públicos e privados, têm oferecido um retorno mais atrativo que os fundos de renda fixa tradicionais.

No longo prazo, opte pela previdência
Para quem não tem pressa de sacar o dinheiro aplicado, a previdência privada é uma boa opção, pois seu tratamento fiscal mais vantajoso oferece um retorno maior no longo prazo.

Para quem declara imposto de renda pelo formulário completo, deve-se optar pelos PGBLs ou planos tradicionais; caso contrário, pelos VGBLs. Quem declara pelo modelo completo pode usar o valor da contribuição para abater o imposto devido, desde que o valor da dedução não supere 12% da sua renda bruta anual tributável, e que a contribuição seja efetuada até o final de dezembro.

Para quem tem dúvidas sobre como investir, vale notar que este é o menor dos males: a principal decisão, a de poupar, você já tomou. A receita para fazer o seu 13º salário render o máximo é simples: economize nas compras de Natal, quite o máximo possível de débitos e, restando algo, invista para garantir um futuro mais tranqüilo.