Consumo

Como comprar um Corolla só com os juros de suas aplicações de R$ 54.000

Milhões de brasileiros subestimam as vantagens de morar em um país com juros altos, mas pegariam um atalho no caminho para o enriquecimento se passassem a usar os juros a seu favor

(SÃO PAULO) – Todo consumidor já deve ter lido ou ouvido que não é aconselhável parcelar a aquisição de bens nem o pagamento da fatura do cartão de crédito no Brasil para não ter de arcar com os juros estratosféricos cobrados por aqui. Mas juro alto nem sempre deve ser visto como algo negativo. Você também pode agir como um banco ou uma financeira e ganhar dinheiro com os juros brasileiros. Vou dar um exemplo para abrir sua cabeça. Você sabia que é possível comprar um Toyota Corolla somente com os juros de suas aplicações financeiras de R$ 54.000? Você aplica os R$ 54.000, espera alguns poucos anos e, pronto, passa a ter os R$ 54.000 mais um Corolla. Duvida? Então vamos aos cálculos.

Um Toyota Corolla na versão de entrada custava R$ 62.000 em 2008, conforme você pode conferir nesse link. Então se você tivesse só R$ 54.000 no início de janeiro de 2008 ainda lhe faltariam R$ 8.000 para a realização desse seu sonho. Você teria duas opções: 1) tomar um empréstimo de R$ 8.000 para comprar o carro imediatamente; ou 2) aplicar o dinheiro e esperar cerca de um ano e meio, até que os rendimentos de sua aplicação somados ao capital inicial fossem suficientes para concretizar a aquisição à vista.

Agora vamos supor que você tenha uma mentalidade financeira mais aguçada e decida que um caminho ainda melhor seria esperar o tempo que fosse necessário para comprar seu Corolla apenas com os juros financeiros de sua aplicação. Então você aplicou os R$ 54.000 que possuía em 01/01/2008 e manteve o dinheiro investido até R$ 10/03/2016. Vamos supor que você obtém com suas aplicações um retorno equivalente a 100% do CDI, algo bem razoável para quem sabe investir bem. Como o CDI do período foi de 127,73%, seus R$ 54.000 já teriam se transformado em R$ 122.526. Um Toyota Corolla na versão de entrada custa hoje R$ 68.740, de acordo com informações publicadas no site da montadora. Ou seja, você já teria os R$ 68.740 necessários para comprar o Corolla e ainda lhe restariam R$ 54.234,20 na conta – ou R$ 234,20 a mais do que os R$ 54.000 iniciais. Bom, não é mesmo?

Você deve estar pensando: “Legal, mas seu eu tivesse investido os R$ 54.000 no início de 2008 só precisaria esperar um ano e meio para ter o dinheiro necessário para a compra do carro, enquanto no seu exemplo tive de esperar seis anos e meio a mais para realizar meu sonho.” Sim, isso é mesmo verdade, não estou propondo um passe de mágica aqui porque isso não existe. Meu único objetivo com esse texto é que você aumente sua consciência financeira e diminua a pressa para a realização de seus sonhos. Se você tiver um pouco de paciência, vai atingir seu objetivo de andar de carrão por aí, mas gastando muito menos e fazendo muito menos esforço de poupança.

Outra coisa que você pode estar pensando é: “Ok, sua teoria funcionou nesse exemplo real que você deu, mas funcionará novamente se eu começar a fazer isso a partir de agora?” Minha percepção é que o atual momento é ainda mais adequado para você fazer isso. Em primeiro lugar, temos hoje no Brasil a maior taxa de juros em 10 anos, e o patamar de juros é inversamente proporcional ao tempo que você terá de esperar para realizar seus sonhos. O segundo ponto importante é que essa conta de meu exemplo deu muito certo porque historicamente os preços dos carros sobem muito abaixo da inflação ou nem sobem. Nesse período entre 2008 e 2016, por exemplo, o preço do Corolla subiu pouco menos de 11%, o que é bem parecido com a inflação só de 2015. O mesmo raciocínio vale para aparelhos eletrônicos ou passagens aéreas, que também têm subido menos que a inflação ou até caído de preço ao longo do tempo.

Uma dúvida que pode estar surgindo neste momento é: “Estou poupando para comprar um imóvel. Vai funcionar se eu agir de acordo com sua proposta?” Nesse curso, eu defendo que se você olhar para o que aconteceu apenas neste século, quando o preço dos imóveis subiu muito acima da inflação e bateu inclusive a maior parte das aplicações financeiras de baixo risco, a conclusão a que vai chegar é que isso não daria certo. Mas é importantíssimo entender que uma coisa mudou muito de uns tempos para cá: as perspectivas para o mercado imobiliário. Os especialistas do setor são unânimes em achar que os imóveis vão subir abaixo da inflação nos próximos anos – e podem até mesmo ter desvalorização. Então a estratégia de não ter pressa para comprar as coisas deve funcionar muito bem nos próximos 3 ou 5 anos – igualzinho funcionou com o Corolla. Em termos práticos, é bem provável que, se você tem R$ 1.000.000 bem aplicados no banco, poderá, daqui a 3 ou 5 anos, comprar um imóvel que hoje vale R$ 1.500.000. Daqui a 3 ou 5 anos o imóvel continuará valendo algo próximo a R$ 1.500.000 ao mesmo tempo em que suas aplicações vão se valorizar bastante.

Com esse texto eu quis chamar sua atenção para o fato de que, se você entender de finanças, muitos de seus sonhos poderão ser realizados com muito menos esforço. Outras três habilidades que acredito que ajudam muito qualquer brasileiro a enriquecer são: 1) saber fazer as contas para comparar produtos e serviços distintos e identificar o melhor custo-benefício; 2) usar as novas tecnologias que estão surgindo e que ajudam você a economizar dinheiro na hora de consumir; e 3) entender como são as regras para o consumo de diversos bens e serviços e identificar onde estão as brechas para pagar menos. São basicamente essas quatro coisas que me inspiraram a montar esse curso que pode lhe ajudar muito a economizar dinheiro (clique aqui e conheça).