Automóveis

Com dólar alto, importadores de carros fecham 2020 com queda de 20,7% nas vendas

Apesar da queda, o resultado dos importadores foi melhor do que a retração de 26,6% registrada em todo mercado de carros de passeio e utilitários leves

arrow_forwardMais sobre
New Volvo XC60 – T6: marca importa automóveis no Brasil

Com o resultado afetado pela combinação de restrições da pandemia e desvalorização do real, as empresas importadoras de automóveis tiveram redução de 20,7% das vendas no ano passado, num total de 27,4 mil unidades emplacadas.

O número foi divulgado nesta quinta-feira, 14, pela Abeifa, associação que reúne, em sua maioria, marcas sem fábricas no Brasil, que vão desde grifes de alto luxo como Ferrari e Lamborghini a marcas também não populares, mas de maior volume, como Kia e Volvo.

Apesar da queda, o resultado dos importadores, influenciado pela antecipação de consumidores aos aumentos de preços, foi melhor do que a retração de 26,6% registrada em todo mercado de carros de passeio e utilitários leves (entre veículos nacionais e importados de todas as marcas).

A previsão da Abeifa para 2021 é de crescimento de 9,4%, o que, se confirmado, corresponderá à importação de 30 mil automóveis, ainda sem voltar ao nível de 2019: 34,6 mil unidades.

Durante a apresentação dos números, o presidente da Abeifa, João Oliveira, disse que vê este ano com otimismo por conta da iminência da vacinação contra covid-19 e perspectiva de maior estabilidade do dólar.

Por outro lado, ele observou que a recuperação será limitada pelo impacto do aumento das alíquotas de ICMS em São Paulo, assim como por repasses decorrentes da depreciação cambial.

Dólar

As associadas da Abeifa trabalham com a perspectiva de dólar médio na casa de R$ 5,10 neste ano, um pouco abaixo dos R$ 5,16 de 2020. Oliveira comentou que a tendência é de um câmbio menos instável, com a moeda americana demorando, porém, para ceder, o que força as marcas a repassar o impacto cambial, ainda não totalmente transferido para as tabelas de preços das concessionárias.

“Tivemos uma depreciação cambial de 35% no ano passado e quando você olha para o aumento médio dos preços nota que todas as marcas ainda estão com preços defasados. Ainda há um caminho a ser feito, e em 2021 ainda vamos passar por alguma correção nesse sentido”, afirmou Oliveira ao tratar da possibilidade de novos reajustes em entrevista virtual à imprensa.

“Já observamos em janeiro um primeiro movimento de correção. Ao decorrer do ano devemos ver novos movimentos de aumentos de preços”, acrescentou o executivo.

Ford

PUBLICIDADE

Ao tratar do principal assunto da indústria automotiva no momento, o fim da produção da Ford no Brasil, o presidente da Abeifa disse ver na decisão da montadora americana o resultado de uma “transformação” pela qual outras marcas vão passar – ou seja, saída ou redução da presença industrial no Brasil.

Questionado se a Ford entraria na organização dos importadores, Oliveira respondeu que a Abeifa receberia com satisfação a nova marca. “A gente teria maior prazer em ter a Ford na Abeifa. Sabemos que algumas marcas vão passar por essa transformação. Se isso ocorrer, as portas da Abeifa seguirão abertas.”

Quer fazer da Bolsa sua nova fonte de renda em 2021? Série gratuita do InfoMoney mostra o passo a passo para se tornar um Full Trader – clique para assistir!