Carros populares? Montadoras reduzem preços de SUVs mais caros para ganhar subsídio do governo

Algumas montadoras ainda não reduziram o preço divulgado aos consumidores, como a Chevrolet com o Tracker; Fiat criou nova versão do Fastback

Lucas Sampaio | Giovanna Sutto

Publicidade

As montadoras estão aproveitando a medida do governo de desconto no preço dos carros de até R$ 120 mil para reduzirem os preços de SUVs (veículos utilitários esportivos) mais caros e incluí-los na medida, garantindo assim o subsídio federal. Mas a redução nos preços não está chegando ao consumidor — ao menos por enquanto — em alguns casos.

O InfoMoney encontrou três montadoras que se aproveitaram da Medida Provisória (MP) para baratear o preço de três modelos: a Chevrolet com o Tracker, a Fiat com o Fastback e a Jeep com Renegade. No caso da Jeep, ela reduziu o preço de duas versões do seu SUV, em até R$ 15 mil, e já está repassando também o desconto do governo (veja mais abaixo).

Mas a Chevrolet e a Fiat ainda estão divulgando as versões “de entrada” do Tracker e do Fastback por mais de R$ 120 mil em seus sites, apesar de já terem incluído os dois modelos no programa (e ambos constarem na lista oficial do governo federal dos carros que estão recebendo subsídio).

Planilha Gratuita

O seu bolso vai agradecer

Organize a sua vida financeira com a planilha de gastos do InfoMoney; download liberado

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Chevrolet Tracker com preço inicial de R$ 127.690 no site da própria montadora em 16 de junho de 2023 (Imagem: Reprodução)

A reportagem entrou em contato com as duas montadoras, para saber qual era o preço público sugerido anterior (e o atual) do Tracker e do Fastback e por que estavam oferecendo os dois modelos por preços acima do teto do governo. Apenas a Fiat respondeu aos questionamentos até o momento.

O InfoMoney entrou em contato também com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), responsável pelo programa, questionando:

  1. Se as montadoras já não deveriam estar repassando o desconto para os clientes;
  2. Se elas podem “embolsar” a desoneração do governo e não repassar aos consumidores; e
  3. Se as empresas podem ser punidas por isso (e, caso sim, qual .

O MDIC afirmou que “o que importa é o preço efetivo de venda, que vai constar na nota fiscal”. “Se o carro for vendido acima do teto de R$ 120 mil, a montadora não poderá aplicar o desconto patrocinado pelo governo”. A pasta diz também que “as montadoras devem enviar relatórios de vendas contendo todas as informações sobre as transações, inclusive NFs”.

Continua depois da publicidade

Após a publicação da reportagem, a Fiat respondeu aos questionamentos enviados e disse que, na verdade, criou uma nova versão do Fastback, para inclui-lo no programa de descontos do governo.

“A nova versão Turbo 200 AT possui preço público sugerido de R$ 119.990 e está habilitada para o programa de descontos incentivados pelo governo. Com o desconto, está sendo ofertada a R$ 115.990 e já disponível para venda em todas as concessionárias e site”, afirmou a montadora (veja mais abaixo).

Chevrolet Tracker

No site da Chevrolet, o Tracker ainda aparece com preço a partir de R$ 127.690 (veja na imagem acima), o que impediria o modelo de fazer parte do programa. A montadora teria que reduzir o preço público sugerido em quase R$ 8 mil para enquadrá-lo nos pré-requisitos do governo e ganhar o subsídio.

Na parte sobre as ofertas na região metropolitana de São Paulo, é possível encontrar o veículo cerca de R$ 2 mil mais barato, em uma concessionária da marca, mas ainda assim o valor é superior ao teto do programa do governo (veja abaixo).

Chevrolet Tracker é vendida com preços acima de R$ 120 mil no site da própria montadora em 16 de junho de 2023, valor superior ao teto do programa de descontos do governo federal (Imagem: Reprodução)

Fiat Fastback

O mesmo ocorre no site da Fiat, onde o Fastback é vendido ainda mais caro (com preço a partir de R$ 135.990). Esse é o valor da versão “de entrada” do modelo, a Audace Turbo 200 Flex AT (veja na imagem abaixo).

Após a publicação desta reportagem, a Fiat respondeu aos questionamentos enviados e disse que, na verdade, criou uma nova versão do Fastback (Turbo 200 AT), para inclui-lo no programa de descontos do governo.

“A nova versão Turbo 200 AT possui preço público sugerido de R$ 119.990 e está habilitada para o programa de descontos incentivados pelo governo. Com o desconto, está sendo ofertada a R$ 115.990 e já disponível para venda em todas as concessionárias e site”, afirmou a montadora ao InfoMoney.

A empresa diz que o Fastback agora tem 4 versões: Turbo 200 AT, Audace Turbo 200 AT, Impetus Turbo 200 AT e Limited Edition Turbo 270 AT — sendo que a Turbo 200 AT foi lançada ontem, quinta-feira (15).

Fiat Fastback é vendido a partir de R$ 135.990 no site da montadora, em 16 de junho de 2023, valor superior ao teto do programa de descontos do governo federal (Imagem: Reprodução)

Mas, ao contrário do que diz a montadora, esta nova versão não estava disponível no site hoje, sexta-feira (16), pela manhã. As únicas versões disponíveis do Fastback eram as 3 que existiam até ontem: Audace, Impetus e Limited.

Procurando por ofertas no site da própria Fiat, também na cidade São Paulo (e região), o Fastback mais barato custa R$ 127.990. O preço é inferior ao disponível no site da montadora, mas superior ao teto do programa do governo federal (veja na imagem abaixo).

Fiat Fastback é vendida a partir de R$ 127.990 no site da própria montadora, em 16 de junho de 2023, valor superior ao teto de R$ 120 mil do programa de descontos do governo federal (Imagem: Reprodução)

Jeep Renegade

A postura da montadora (e da Chevrolet, com o Tracker) é diferente da Jeep, que destaca em seu site que o Renegade ficou mais barato porque foi incluído no programa do governo. A marca americana também foi a única que enviou, antes de a reportagem ser publicada, o preço público sugerido (anterior e atual) das versões que receberam a desoneração (veja na imagem e na tabela abaixo).

A marca americana, que pertence ao grupo Stellantis (junto com a Fiat e também a Citroën e a Peugeot), não tinha nenhum modelo que custava até R$ 120 mil, por isso não estava entre as montadoras cotadas para fazer parte do programa. Mas abaixou o preço público sugerido de duas versões do Renegade para poder participar.

A Jeep reduziu o valor da versão Turbo em R$ 6 mil e da Sport em R$ 15 mil para incluí-las no programa, e cada uma ganhou um subsídio adicional de R$ 4 mil do governo. Com isso, os preços da Renegade caíram até R$ 19 mil.

A montadora destaca exatamente o modelo que ficou R$ 19 mil mais barato (a maior redução nominal que a reportagem já encontrou até o momento), porque o preço público sugerido foi diminuído em R$ 15 mil e a versão ainda conseguiu um desconto adicional de R$ 4 mil do governo.

Jeep Renegade já é vendido a partir de R$ 115.990 no site da própria montadora, em 16 de junho de 2023; valor está abaixo do teto de R$ 120 mil do programa de descontos do governo federal (Imagem: Reprodução)

Veja os 3 SUVs que custavam mais de R$ 120 mil e foram incluídos no programa do governo federal:

Montadora Modelo Versão Preço sugerido anterior Desconto do governo Desconto da montadora Desconto total Redução Novo preço sugerido Pontuação do governo Tabela Fipe
Fiat (FCA) Fastback CVT FLEX FWD (Turbo 200 AT*) Versão não existia* R$ 4.000 R$ 4.000 3,3% R$ 114.990* 75 Versão não existia*
Jeep (FCA) Renegade 1.3 SPORT FLEX Aut. T270 5P R$ 134.990 R$ 4.000 R$ 15.000 R$ 19.000 14,1% R$ 115.990 75 R$ 137.598
Jeep (FCA) Renegade 1.3 TURBO FLEX Aut. T270 5P R$ 125.990 R$ 4.000 R$ 6.000 R$ 10.000 7,9% R$ 115.990 75 R$ 127.263
Chevrolet Tracker 1.0T AT Não informado R$ 4.000 Não informado 75 R$ 126.054

* Fiat diz que a versão Turbo 200 AT foi criada para incluir o Fastback no programa de descontos do governo federal. Informação foi enviada após a publicação da reportagem.

Lucas Sampaio

Jornalista com 12 anos de experiência nos principais grupos de comunicação do Brasil (TV Globo, Folha, Estadão e Grupo Abril), em diversas funções (editor, repórter, produtor e redator) e editorias (economia, internacional, tecnologia, política e cidades). Graduado pela UFSC com intercâmbio na Universidade Nova de Lisboa.