Haja cabelo

Cabeleireiro de François Hollande custa o mesmo que um ministro para o governo francês

O cabeleireiro ”começa os dias cedo e faz o cabelo do presidente todas as manhãs e quantas vezes for necessário”, afirmou uma porta-voz do governo

Por  Júlia Miozzo

SÃO PAULO – Desde que François Hollande foi eleito, em 2012, o governo francês gasta R$ 36 mil por mês, um total de 9.895 euros, com o cabeleireiro do presidente. A informação foi divulgada pelo jornal francês Le Canard Enchaîné na última quarta-feira (13), que também contou que o valor é correspondente ao salário mensal de um ministro do governo.

Uma porta-voz do governo confirmou a história, afirmando que o cabeleireiro tem um contrato de duração igual à do mandato de Hollande, de cinco anos; nesse período, ele receberá um total de 593,7 mil euros, valor equivalente a R$ 2,2 milhões.

O cabeleireiro é conhecido como Olivier B. e, na internet, recebeu o apelido de coiffeurgate, sendo coiffeur o termo francês para cabeleireiro, fazendo alusão ao caso Watergate. Sobre o caso, o governo francês também contou que Olivier começa seus dias “muito cedo e que refaz o cabelo do presidente todas as manhãs e quantas vezes for necessário para cada pronunciamento público”.

A notícia se torna um empecilho para Hollande, uma vez que não condiz com a promessa de seria um “presidente normal”, e diminui as chances de reeleição candidato nas eleições de 2017 – que já eram baixas.

No Brasil
No início de junho, o colunista do jornal O Globo Merval Pereira divulgou que um esquema de corrupção da Petrobras teria pagado os custos do cabeleireiro de Dlima Rousseff, Celso Kamura, que viajava para Brasília para atende-la; cada ida de Kamura custava cerca de R$ 5 mil, segundo Merval.

Em resposta, Celso Kamura afirmou que os descolamentos e atendimentos prestados à presidente foram contratados e pagos pessoalmente por ela. Ele também afirmou que o valor cobrado pelo trabalho era inferior, comprovado por notas fiscais emitidas a cada serviço e, posteriormente, declaradas ao Fisco.

Compartilhe