Setor automotivo

Anfavea pede a Paulo Guedes redução de IOF para baratear financiamentos de carros no país; entenda

Com taxas que beiram os 30% ao ano, crédito ‘praticamente sumiu’ do mercado, aponta entidade das montadoras

Por  Estadão Conteúdo -

Apontando não só aumento das taxas, mas também maior rigor dos bancos nos financiamentos de veículos, a direção da Anfavea, entidade que representa as montadoras, reforçou na reunião desta última quinta-feira (4), com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o pleito pela redução do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Durante apresentação dos resultados do mês passado à imprensa, Márcio de Lima Leite, presidente da Anfavea, disse que, com as taxas do financiamento de veículos aproximando-se de 30% ao ano, o crédito “praticamente sumiu” do mercado, dificultando a troca de carros e, consequentemente, a redução da poluição pela retirada das ruas dos veículos mais antigos. Dessa forma, defendeu, reduzir o IOF tornou-se uma necessidade urgente.

“O IOF é um pleito do setor, sempre apresentamos isso ao governo. O ministro não se comprometeu, mas certamente está analisando. Ontem [quinta-feira], durante o encontro que tivemos, ficou muito claro a importância e urgência da redução do IOF ao setor”, disse o presidente da Anfavea, que esteve com Guedes ao lado de diretores da associação das montadoras.

A produção nacional de semicondutores, cujas medidas, segundo aguarda a Anfavea, podem ser anunciadas em breve, também esteve na pauta do encontro na tarde de quinta com o ministro.

Segundo Leite, o consumidor paga IOF em três estágios na aquisição de um automóvel. Primeiro, no faturamento da montadora para a concessionária, que também envolve uma operação financeira; depois, no financiamento do veículo; e, por fim, na contratação do seguro.

“O corte de IOF pode ser temporário ou definitivo, mas é importante ao setor”, disse o presidente da associação das montadoras.

Ao apontar o declínio dos financiamentos de veículos, a Anfavea apresentou, nesta sexta-feira (5), números que mostram redução das vendas a prazo para 35% do total neste ano. No ano passado, elas chegaram a bater em 80%. “Isso é um alerta. Passamos essa informação ontem [quinta-feira] ao ministério da Economia”, afirmou Leite.

Conforme o executivo, além da maior seletividade bancária, com os bancos mais rigorosos, por exemplo, nos pedidos de garantia, o maior custo de crédito, dado o aumento de juros, é o principal motivo, mas a alíquota do IOF também “contribui bastante” ao menor volume de financiamentos.

Calcule os custos para ter um carro
Baixe uma planilha gratuita que compara os gastos de um automóvel com outras opções de mobilidade:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe