Fim de ano

13º salário: endividados, número de brasileiros que irão poupar despenca 33%

Apenas 5% pretendem usar o dinheiro extra para a compra de presentes

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A parcela de consumidores que pretende poupar e aplicar parte do 13º salário para as despesas de começo do ano, como IPVA, IPTU, material e matriculas escolares, despencou 33,3% na comparação deste ano com 2016. Em 2017, apenas 4% dos consumidores aplicarão parte do benefício recebido, segundo dados da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade).

De acordo com o diretor executivo de estudos e pesquisas econômicas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, a redução no volume de recursos para aplicações financeiras se deve ao maior endividamento das famílias. Assim, a maior parte dos consumidores (85%) deve destinar seu 13º salário ao pagamento de dívidas. 

Veja como os brasileiros pretendem usar seu 13º salário:  
Fonte: Anefac

PUBLICIDADE

 O 13º salário  será pago nos dias 30 de novembro (1ª parcela) e 20 de dezembro (2ª parcela).

Black Friday InfoMoney: sua única chance de comprar nossos cursos com 50% de desconto

Como vem ocorrendo todos os anos, grande parte dos consumidores (94%) têm dívidas contraídas no cheque especial e no cartão de crédito e pretendem utilizar os recursos do 13º salário para regularizar as mesmas.

 O cartão de crédito é a linha de crédito com maior peso na composição das dívidas em aberto dos consumidores tendo atingido em 2017, 51% do total (crescimento de 6,25% sobre 2016) contra 43% do cheque especial (elevação de 4,88% sobre 2016).

Veja as principais dívidas que devem ser pagas com o 13º salário:
Fonte: Anefac

Entre os consumidores que pretendem usar o 13º salário para fazer compras, os produtos mais citados são roupas (70%), celulares (61%) e bens diversos (59%). A redução de compras de brinquedos (recuo de 44% para 42%) para pode ser atribuída à mudança de hábitos de consumo deste público que vem preferindo cada vez mais produtos eletrônicos e celulares.

A pesquisa demonstra claramente a preocupação dos consumidores em reduzir o volume de seus gastos neste Natal, com 54% deles dizendo que pretendem gastar até R$ 200 e 41% têm a intenção de gastar entre R$ 200 e R$ 500.