“Vírus da inovação precisa ser espalhado na empresa”, afirma sócio da PwC

Sócio da PwC no Brasil diz que grandes ideias surgem no contato com o consumidor

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Tida como fundamental para a prosperidade de qualquer negócio que almeje se destacar no mercado, a inovação não pode depender apenas dos sócios ou dos gerentes. Pelo contrário, deve estar entranhada na cultura da empresa, de modo que seu objetivo seja criar soluções que atendam às necessidades dos clientes. Essa é a avaliação do sócio da PwC no Brasil, Ricardo Neves.

Em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP, o especialista em varejo e experiência do consumidor ressalta que, hoje, a inovação deve ser como um vírus que contamina todos que atuam em uma organização.

PUBLICIDADE

“O vírus da inovação precisa ser espalhado na empresa. Não pode estar mais na cabeça de um departamento ou na cabeça do principal executivo ou dos executivos. A inovação tem de estar totalmente permeada, ou distribuída na organização, porque é com base nessa proximidade com o consumidor e com o entendimento das suas necessidades que surgem realmente as grandes ideias”, afirma Neves.

Segundo o sócio da PwC, se estiver disseminado na empresa, o conceito de inovação pode trazer novidades que beneficiem, simultaneamente, consumidores e empreendedores, em função do aprimoramento constante.

Além disso, Neves rebate a ideia de que a inovação se restrinja ao uso do que há de mais moderno em termos de tecnologia, de modo que estabelecimentos de pequeno porte também podem adotar práticas transformadoras.

“Fala-se muito de grandes investimentos em tecnologias avançadas, como realidade aumentada ou inteligência artificial. Entretanto, a inovação surge da necessidade, do entendimento do que é necessário para aquele consumidor, e as empresas de médio e pequeno portes têm um olhar sobre o consumidor diferente do grande varejista”, explica.

Para fortalecer a relação com o consumidor, que está cada vez mais exigente sobre o que as empresas defendem, Neves salienta a importância de as marcas fortalecerem os seus valores. “Toda vez que uma marca ou empresa se posiciona com seus valores ela vai progredir”, afirma, citando um exemplo: “Se você entra em uma loja e vê diversidade, e você valoriza diversidade, você se sente melhor naquela loja”.

Um Brasil

Convida empresários, especialistas, pensadores e acadêmicos de todo o mundo para análises precisas e aprofundadas sobre as questões mais importantes nos cenários econômico e político do País. Uma realização da FecomercioSP, a plataforma UM BRASIL reúne uma gama variada de visões, trabalha pelo aprimoramento do senso crítico do cidadão brasileiro e funciona como um hub plural de conexão de ideias transformadoras.