Investidores ainda estão à espera das reformas que o Brasil prometeu

Em entrevista ao UM BRASIL, a CEO da Canning House, Cristina Cortes, afirma que o País ainda tem muito a fazer para se tornar uma economia competitiva

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A Reforma da Previdência, realizada em 2019, e a concessão de autonomia ao Banco Central (BC), promulgada neste ano, são exemplos de avanços do Brasil na pauta de reformas. Contudo, ainda há muito a ser feito para que o País se torne uma economia competitiva. Não à toa, os investidores seguem à espera de projetos que facilitem os negócios no mercado nacional, afirma Cristina Cortes, CEO da Canning House, think tank britânico que desenvolve interlocuções entre o Reino Unido, a América Latina e a Península Ibérica.

Em entrevista ao UM BRASIL, realizada em parceria com a Revista Problemas Brasileiros, ambos realizações da FecomercioSP, como parte da série Brasil Visto de Fora, Cristina afirma que os “investidores ainda estão esperando as reformas que o Brasil tem prometido há tanto tempo”.

“Muito ainda precisa ser feito para que o Brasil tenha uma economia competitiva e estável para investidores estrangeiros: reformas tributárias, liberalização das leis trabalhistas, simplificação da burocracia e mais privatizações”, afirma a economista política, formada pela Universidade de Oxford e pela London School of Economics.

“A nossa dúvida é: quais as chances de isso acontecer, já que as campanhas eleitorais para 2022 já começaram?”, questiona.

Cristina destaca que, se o Brasil não prosseguir com as reformas, dificilmente alcançará as nações mais desenvolvidas.

“O que as pessoas buscam para investir é diversificação [de mercado] e, a esta altura, produtividade. E sem o avanço desta eficiência, é pouco provável que o Brasil alcance taxas de crescimento capazes de acompanhar o resto do mundo desenvolvido”, pontua.

De acordo com a CEO da Canning House, a burocracia ainda é um dos principais entraves para se investir no País. 

“Algumas empresas com as quais falamos que tentam investir no Brasil, que não conhecem a região… Para ser franca, às vezes as aconselhamos dizendo: ‘Isso é muito complicado. Por que não começa com um país menor? E quando der o pontapé inicial, talvez possa pensar em investir no Brasil?’”, conta Cristina. “O Brasil não é fácil para peixes pequenos”, acrescenta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A economista teme que políticas desburocratizantes sejam deixadas de lado nas próximas eleições brasileiras.

“O que percebemos é que é preciso ter um movimento de avanço que desobstrua os negócios para, depois, impulsionar a economia”, pontua. “O que não vejo é o incentivo vindo de nenhuma direção no momento, que resultaria em um programa forte o bastante para fazer as coisas progredirem”, lastima.

Um Brasil

Convida empresários, especialistas, pensadores e acadêmicos de todo o mundo para análises precisas e aprofundadas sobre as questões mais importantes nos cenários econômico e político do País. Uma realização da FecomercioSP, a plataforma UM BRASIL reúne uma gama variada de visões, trabalha pelo aprimoramento do senso crítico do cidadão brasileiro e funciona como um hub plural de conexão de ideias transformadoras.