Austeridade pode aprofundar tragédia do coronavírus, diz Sérgio Abranches

Sociólogo defende que é a pandemia em si, e não o distanciamento social, que provoca recessão

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Combater a proliferação de um vírus com uma política de austeridade fiscal pode criar uma tragédia ainda maior nas áreas da saúde e da economia do que a disseminação do patógeno por si só, avalia o sociólogo Sérgio Abranches, em entrevista ao UM BRASIL, uma realização da FecomercioSP.

De acordo com ele, as autoridades brasileiras precisam entender que o que impacta a economia é a pandemia de coronavírus, e não o distanciamento social. Nesse sentido, Abranches cita um estudo de economistas do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e do Federal Reserve (FED) que indica que a recessão pela qual os Estados Unidos passaram na década de 1920 foi causada pela pandemia de gripe espanhola, e não pelas medidas sanitárias.

PUBLICIDADE

“Fazer isolamento social não causa uma recessão muito profunda. Quando a pandemia termina, se foram tomadas as medidas corretas no campo epidemiológico, a economia volta rapidamente”, alega o sociólogo.

Com isso, ele reforça que a recomendação de distanciamento social como forma de conter o avanço do coronavírus na atualidade não impõe perdas severas à economia. “Se as pessoas começarem a morrer em maior quantidade no Brasil, a economia vai ficar muito mais profundamente ressentida com esse trauma. E nós vamos ter uma crise muito mais grave no fim da pandemia dos pontos de vista institucional, político e social”, assevera.

Segundo Abranches, as medidas para atenuar o impacto do vírus exigem uma mudança de política econômica do governo federal, que “estava totalmente centrado numa agenda ultraliberal, na qual gasto público era uma questão despropositada”.

O sociólogo, contudo, alerta que não se trata da maneira mais propícia de conduzir a economia na atual conjuntura. “Hoje, todo mundo sabe que, se tiver mais uma pandemia num programa de austeridade que faça com que o sistema de saúde e a própria economia não sejam capazes de responder de forma adequada, provavelmente vamos ter tragédias maiores do que esta, que ainda não acabou”, frisa.

Abranches também destaca que a divergência no combate ao vírus por parte dos governos federal e estaduais tende a ampliar as perdas à sociedade brasileira. “Mais grave é a manifestação da pandemia quanto pior for a governança”, pontua.

Um Brasil

Convida empresários, especialistas, pensadores e acadêmicos de todo o mundo para análises precisas e aprofundadas sobre as questões mais importantes nos cenários econômico e político do País. Uma realização da FecomercioSP, a plataforma UM BRASIL reúne uma gama variada de visões, trabalha pelo aprimoramento do senso crítico do cidadão brasileiro e funciona como um hub plural de conexão de ideias transformadoras.