“Dia de Loss”: o que fazer quando se perde dinheiro no day trade?

Nem todos os dias serão de ganhos. Um trader tem que aprender a desenvolver a resiliência

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre
ações investidor trader mercado bolsa trader mulher analista traders

O artigo de hoje é para falar da parte que faz o trader aprender a desenvolver a resiliência. Ninguém gosta de perder dinheiro, mas o “Dia de Loss” faz parte da vida de um trader. O ponto é que, quando estamos aprendendo, temos perdas descontroladas. Nenhum trade passou ileso de ter um dia com grande perda financeira.

Chega um momento, quando estamos aprendendo day trade, que ficamos cansados de ouvir sobre a necessidade de um plano de gerenciamento de risco. Geralmente, não fazemos esse planejamento até perder uma grande quantia. Ou muitas pessoas fazem, mas, no momento da operação, não conseguem conter a ganância ou a vontade de recuperar a perda de qualquer maneira.

Após três anos vivendo de trade, posso compartilhar com vocês que é difícil, mesmo hoje, lidar com as emoções no momento do trade — especialmente quando estamos no loss. Não sei se um dia essa dificuldade passa. O que posso dizer é que, mesmo com a experiência, o gerenciamento de risco sempre deve ser respeitado.

Se você quer permanecer vivo, é preciso aprender a aceitar os dias de perdas e entender que hoje talvez não tenha sido o seu dia, mas amanhã é um novo momento e você tem que estar com sua capacidade financeira viva para poder ter a chance de ganhar dinheiro.

Nem todos os dias serão de ganhos. Um trader tem que aprender a desenvolver a resiliência. O mercado muda o tempo todo: muitas vezes começamos o dia bem e, de repente, tudo muda. Já perdi as contas de quantas vezes, operando a abertura de mercado, consegui um ganho e, do nada, ele se transformou em um dia de loss. Isso é a vida de um trader! Claro que ficamos chateados quando isso acontece, mas faz parte da profissão.

A questão é que ser um trader e produzir grandes valores leva tempo. Depois das perdas, recomeçamos mais centrados e focados em seguir o plano. Contudo, após uma sequência de ganhos ou quando queremos recuperar o loss, saímos do plano e acabamos tendo o dia da grande perda. No meu caso, foi uma perda de R$ 15 mil reais em um dia. O problema não é o valor, mas sim que esse dia levou todo o lucro que tinha conseguido em dois meses e meio.

Como deixei isso acontecer? Essa é a pergunta que assombra a mente após um dia de loss. O problema não é ter um dia de perda, mas sim uma perda além da que podemos ter. Esse foi o meu caso. Tive que aprender a ganhar R$ 50, R$ 100 e ir aumentando os ganhos aos poucos. O problema é quando não aceitamos a perda e ela se torna imensa perto dos ganhos, levando muitas vezes todo o dinheiro do trader iniciante ou, como no meu caso, o lucro de meses.

Essa perda aconteceu depois do meu primeiro ano como trader. Ela me fez atentar para aquela pergunta que todo iniciante me faz hoje: quando foi a virada de chave? Parece que num passe de mágica tudo começa a dar certo e você passa a ganhar do mercado. No dia da minha grande perda, aprendi que isso não existe. Percebi que a qualquer momento posso perder a cabeça.

No meu caso, foi arrogância. Vi a perda e fiz o maior erro, não aceitar, não cortar as perdas rapidamente. Entrei na esperança de que uma hora o mercado voltaria a meu favor. Como já tinha um ano de trade, e minha conta da corretora tinha dinheiro, resolvi segurar a posição. Depois desse tempo como trader, um descuido e uma atitude que sempre dizem para não fazermos me fizeram quase quebrar a conta.

O que fazer depois disso? O trader é uma pessoa que aprende a cair e levantar diversas vezes. Um dia de loss, outro de gain e assim vamos prosseguindo, aprendendo sempre com os erros. Essa é a pior parte: avaliar o que fizemos de errado, olhar sem filtros para nossos erros e equívocos no momento da operação.

Ninguém gosta de admitir que estava errado. Além de não ser legal ver o prejuízo financeiro, olhar para nossos erros e aceitar as consequências não é fácil. Mais difícil ainda é se comprometer a mudar e não repetir os erros.

Do lado emocional, o meu erro foi a arrogância, mas também fazer o preço médio — que é quando colocamos cada vez mais contratos na esperança de que o mercado tenha uma reviravolta e ande na direção que queremos.

O que posso dizer é que hoje, após três anos, meu trade passa longe de ser perfeito! Sim, erro algumas vezes, seja do ponto de vista emocional ou do técnico. Mas o que me deixa viva no mercado é seguir meu plano de gerenciamento de risco, sempre usar a quantidade de contratos planejados e, principalmente, aceitar o limite de loss. Entender que amanhã é um novo dia, nem tudo na vida se resolve em um único dia.

Acho que nunca vamos parar de aprender com o mercado. Somos humanos, em constante evolução com as situações da vida e das nossas emoções.

O mercado pode parecer simplesmente um sobe e desce, mas que pode ser feito de infinitas formas. Então, sempre vamos aprender com ele. Por isso, seja resiliente, tenha calma com suas perdas e aprenda a seguir o plano de gerenciamento.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui!

Ariane Campolim

Ariane Campolim é produtora de conteúdo na Clear Corretora. Atua como investidora desde 2015, principalmente como trader. Antes de trabalhar no setor, ela foi analista de tecnologia do Itaú Unibanco. É formada em física médica pela UNESP e cursou pós-graduação em negócios e gestão de pessoas no Insper