Por que falar sobre dinheiro é o maior tabu de todos – e como mudar isso

O tabu sobre dinheiro acaba nos mantendo ignorantes sobre como lidar melhor com ele

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Você sabia que falar de dinheiro é o maior tabu entre todos os tabus? Segundo um estudo do banco Wells Fargo, realizado nos Estados Unidos, falar sobre dinheiro é mais difícil do que falar sobre sexo, morte, religião e política.

E é justamente pelo fato de ele ser um enorme tabu que o dinheiro acaba virando um problema na vida de muitas pessoas.

Pois não querer falar sobre dinheiro não faz as preocupações financeiras desaparecerem, pelo contrário.

Quase metade das pessoas que responderam a essa pesquisa afirmaram que o dinheiro é o maior estresse em suas vidas.
As brigas por conta de dinheiro, por exemplo, são a maior causa do divórcio entre casais.

Aproximadamente um terço das pessoas afirmaram perder o sono por se preocupar com dinheiro.

Outra descoberta dessa pesquisa é que, quando foram questionados sobre o que fariam de diferente se pudessem voltar no tempo, a maioria dessas pessoas disse estar profundamente arrependida de seus comportamentos financeiros durante a juventude.

Elas se queixaram mais de sua incapacidade de economizar e gastar com sabedoria do que de seus erros em outras áreas da vida – como saúde física ou relacionamentos pessoais.

Ora, se as pessoas estão mais preocupadas com a sua saúde financeira do que com a sua saúde física, por que elas se matriculam em academias de ginástica caras e gastam fortunas com dietas milagrosas, mas ainda são incapazes de se organizar financeiramente?

Quando uma pessoa está fora de forma, entende que comer bem e se exercitar vai resultar em um corpo mais saudável. Mas, com o dinheiro, parece que ainda não funciona assim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As pessoas não entendem que é importante desenvolver um plano, controlar os gastos, poupar uma parte do que se ganha e, principalmente, não se enrolar em dívidas!

A maioria das pessoas não desenvolve um roteiro para melhorar a sua saúde financeira.

No Brasil, o caso é ainda mais grave e os números não mentem. São mais de 60 milhões de CPFs negativados e um dos menores índices de letramento financeiro no mundo: apenas um terço dos nossos adultos sabe identificar os conceitos mínimos de inflação e de juros compostos.

No Pisa, a avaliação internacional que mede a proficiência dos estudantes, estamos entre os últimos em educação financeira.

Temos um imenso contingente de jovens que não sabe sequer tomar simples decisões financeiras, como elaborar uma lista de supermercado.

O tabu se reflete em questões culturais. Como já falei em outro artigo, passamos nossa vida escolar inteira sendo estimulados a aprender e buscar uma profissão que no futuro nos faça “ganhar” dinheiro, mas em momento algum da nossa juventude aprendemos a efetivamente “usar” bem esse dinheiro.

A bem da verdade, nós até falamos sobre dinheiro, mas simplesmente não tocamos no que verdadeiramente importa sobre ele.

É normal que alguém fale sobre as coisas que compra, onde estudou ou com o que trabalha. No fundo, essas são informações importantes para posicionar uma pessoa em uma determinada classe social.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nós ficamos, então, na superficialidade. Porque, no fundo, as discussões diretas e transparentes sobre dinheiro podem produzir uma certa tensão social.

O dinheiro acaba ficando preso a todos os tipos de problemas morais e se torna um tabu porque sua tarefa especial é traduzir qualidades em quantidades.

Será que perguntar a uma pessoa o quanto ela ganha é considerado um tabu porque você está indiretamente questionando o seu valor pessoal?

O dinheiro acaba sendo um assunto delicado para muitos de nós e é fonte de conflitos e ansiedades.

Mas o que acontece na prática é que o tabu sobre dinheiro acaba nos mantendo ignorantes sobre como lidar melhor com ele.

Ele acaba impedindo que as pessoas encontrem um lugar apropriado para o dinheiro em suas vidas, que equilibrem suas necessidades financeiras com outras necessidades, como amor, família, trabalho, e principalmente, saúde física e emocional.

Esse tabu pode alimentar em nós uma falsa impressão de que mais dinheiro pode nos tornar mais felizes.

Pode nos fazer pensar que não merecemos muito dinheiro, ou que o dinheiro é algo sujo. Pode reforçar relações de poder em um casamento onde o homem costuma querer controlar o dinheiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pode nos fazer vincular dinheiro à soberba, a status, e bloquear o que ele verdadeiramente pode trazer: o equilíbrio de uma vida financeiramente saudável.

Portanto, comece a quebrar esse tabu falando de dinheiro. Comece com seus amigos mais próximos e com seus familiares, abrindo a conversa com tópicos menos assustadores.

Tenho certeza de que você consegue, por exemplo, contar para o seu tio sobre aquele investimento com maior rendimento que a poupança que você acabou de descobrir.

Prepare-se para se mostrar um pouco vulnerável, principalmente com alguém em quem você confia. Talvez seja bom compartilhar um erro financeiro que você teve recentemente.

Concentre-se nos comportamentos, sentimentos e resultados, e tente manter a conversa sem julgamentos.

Lembre-se que, se você tiver alguma dúvida ou preocupação sobre dinheiro, as pessoas que você conhece provavelmente também terão.

E todos se beneficiarão dessa conversa tanto quanto você. Dê o primeiro passo e comece a falar de dinheiro, é mais fácil do que você pensa.

Quer aprender a cuidar melhor do seu dinheiro? Conheça o Curso “O Beabá Financeiro”

Thiago Godoy

É head de educação financeira da XP Inc. e especialista em psicologia do dinheiro e bem-estar financeiro. É mestre pela FGV – Tese em Educação Financeira, especialização em Sustentabilidade (University of British Columbia), tem MBA em Marketing (FGV) e graduação em administração (UFJF). Foi diretor de mobilização de recursos e relações governamentais da Associação de Educação Financeira do Brasil, atuando especialmente com populações de baixa renda e escolas públicas. Também atuou com desenvolvimento institucional na Dialogue Direct e Children International (EUA), Fundação Vida Plena (Bolívia), Projuventude e Comitê para Democratização de Informática (Brasil). Instagram: @papaifinanceiro