Fim do superciclo das commodities e as contas públicas

O fim do boom da commodities e seu impacto na arrecadação de impostos. O Brasil não aproveitou os tempos áureos e não promoveu as reformas necessárias, preferindo optar pelo populismo econômico. Confira no blog do Terraço Econômico.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

“A vocação do Brasil é agrária”
– Provérbio colonial

Primeiramente, iremos poupar o leitor de contextualizá-lo sobre a delicada situação fiscal, na qual o Brasil se encontra, já que estamos indo [por um caminho sem volta] para um déficit de R$ 110 bi em 2015. E todos já sabemos também que estes fatos não são obra do fatalismo do destino, muito menos da tentativa –mesmo que infrutífera – do atual ajuste fiscal.

Convido-os a voltar alguns anos, para meados de 2003, período em que se iniciou o atual Governo, quando este foi beneficiado por uma ‘‘combinação zodiacal’’ muito singular, sobretudo do setor externo, que permitiu a distribuição generalizada de benesses a todos os grupos da sociedade. Citemos alguns exemplos:

1 – Apreciação cambial, favorecendo o controle da inflação;

2 – Juros internacionais baixos, aumentando o “apetite ao risco” nos mercados emergentes, levando muitos investidores a fechar os olhos para nossos graves problemas internos;

3 – O boom das commodities. Se analisarmos o índice internacional CRB em Dólares (indicador que representa uma cesta de diversas produtos, café, soja, petróleo, minério, etc…), este passou de USD 255 em 2000 para USD 539 em meados de 2011 (explicado pela forte demanda chinesa). O aumento desses preços impulsionou os preços de exportações brasileiras, que gerou um maior  rendimento dos exportadores e, por fim, aumento das receitas fiscais do Estado, passando de R$ 166 bilhões em 2000 para nada mais e nada menos que R$ 386 bilhões em 2011.

comoo
Fonte: Bloomberg e Receita Federal

A trajetória de queda do índice e de arrecadação real de impostos é muito semelhante.

Mas o sonho de verão acabou em meados de 2012, quando a sirene de emergência começava a tocar. Com o câmbio não podendo se apreciar mais, os juros externos sinalizando que iam subir e, claro, com o famoso boom começando a arrefecer os termos de troca deixaram de subir- – lembrando também do choque do preço do petróleo mais recentemente. A erosão da arrecadação veio a reboque e na sua forma mais crua: o déficit público aumentou (tanto pela queda das receitas, como pelo aumento do gasto do Governo) e o crescimento antes impulsionado pelo setor externo, se viu limitado pela baixa produtividade e competitividade de certos setores da economia.

O fim do super ciclo tem um efeito multiplicador. Não é apenas menos dinheiro arrecadado, mas também menos dinheiro no campo, no comércio, nos serviços etc. A grande questão aqui é: dado que o vento em popa passou, o Brasil não aproveitou os tempos áureos e não promoveu as reformas necessárias, preferindo optar pelo populismo econômico.

Agora que a tormenta chegou – muito mais forte do que a tripulação imaginava – já estamos gritando: homem ao mar!

Enquanto não encontrarmos um “novo normal”, continuaremos à deriva.

PEDRO (1)

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Terraço Econômico

O Terraço Econômico é um espaço para discussão de assuntos que afetam nosso cotidiano, sempre com uma análise aprofundada (e irreverente) visando entender quais são as implicações dos mais importantes eventos econômicos, políticos e sociais no Brasil e no mundo. A equipe heterogênea possui desde economistas com mestrados até estudantes de economia. O Terraço é composto por: Alípio Ferreira Cantisani, Arthur Solowiejczyk, Lara Siqueira de Oliveira, Leonardo de Siqueira Lima, Leonardo Palhuca, Victor Candido e Victor Wong.