Suécia opta por não sediar Jogos Olímpicos e investe em moradias.

Não seria maravilhoso um lugar onde os políticos realmente fossem funcionários a serviço do povo, a nosso serviço? E que eles realmente se preocupassem com a qualidade de vida da populacão? E tratassem a "coisa"pública com seriedade??? Pois este país, além de existir, é um dos melhores destinos para quem adora conhecer novas culturas.Não! Não sou idealista nem vivo sonhando... Acontece que eu não só conheci, como vivi e estudei neste País!

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Foi a primeira vez que vi um esquilo. Também foi a primeira vez que comi smorgasboard, uma especie de buffet escandinavo a base de peixes. Foi a primeira vez que saí do Brasil. Foi a primeira vez que conheci um país de primeiro mundo.

Bolsa de Estudos

Havia ganho uma bolsa de estudos em Estocolmo. Trabalhava na Rede Bandeirantes como repórter. Pedi uma licença não remunerada e fui. Levei só a cara e a coragem. Inglês? Sabia o básico e só! Sueco? Nem uma palavrinha sequer. Mas fui. Não me arrependi jamais. Formou a base cultural do que sou hoje.

Sveridge Radio and Television

A bolsa, patrocinada pelo Governo Sueco, era de quase um ano. Tempo mais que necessário para completar quase um clico inteiro: primavera,  o rápido verão, outono e o rigorosíssimo inverno. Foi um choque cultural. Foi também um choque estético. Me sentia em meio a modelos profissionais. Louros e loiras desfilavam por toda a parte. Quase todos com olhos verdes ou azuis. Quase todos com mais de 1 metro e 80 de altura. Todos falando inglês, além do sueco, fluentemente.

YÔ!

Yô, logo descobri, era uma expressão tipo, “e aÍ”? Um susto! Eles puxavam o ar ao falar. Pronunciavam a expressão puxando o ar ao invés de expelir. Toda vez era um susto. Parecia que estavam engasgando… Yôoooo… Foi o único susto de fato. Os outros, culturais, não esqueço até hoje.

Altíssima qualidade de vida…

Ruas imaculadamente limpas, transporte urbano impecável, moradia para todos. Impossível pensarão vocês… Mas era( e é ) assim mesmo. Alto nível cultural, impostos caros mas revertendo integralmente em benefício da população. É verdade que havia, com há até hoje, um grave problema com a bebida. Todo cidadão tinha cotas mensais para comprar bebidas alcoólicas. Eram racionadas e vendidas em lojas chamadas “sistem”, ou sistema. Rigorosamente controladas. Mas era um dos poucos problemas  daquela sociedade que, até hoje, invejo. A qualidade de vida, como eu disse, altíssima. O maior salário era, no máximo, 20 vezes maior do que o menor pago no País.  A relação continua parecida.

Seriedade e solidariedade

Difícil dizer o que mais me impressionou naquela sociedade idílica, para mim, quase perfeita.  Talvez a seriedade das autoridades e a solidariedade do povo. Explico. O povo sueco é extremamente solidário . Ajuda ao próximo sempre que pode. Sente prazer nisto. É cultural. Provavelmente os fortes e solitários invernos tenham a ver com isso. Mera suposição minha. Mas que ajudam, ajudam!
E o que falar da seriedade das autoridades? Dos políticos? Dos homens públicos? Começa que a diferença entre um salário de juiz e o de um policial é muito, muito pequena. Termina que políticos se sentem(e de fato são) funcionários do povo. Com salário pago pelo povo. E sabem disto. Exemplo? Em 2013 Estocolmo, a capital sueca, se candidatou a ser a sede dos jogos Olímpicos de Inverno em 2022. Era fortíssima concorrente mas desistiu.

Fazendo contas

Na ponta do lápis, o Governo chegou a conclusão de que gastaria mais do que lucraria. Além do mais justificou o prefeito Sten Nordin, “precisamos investir em moradia para a população. Com esta é a prioridade, disse ele, resolvemos desistir de sediar os Jogos Olímpicos” . Lugar frio? Pode ser. Impostos caros? Seguramente. Mas, se um dia você puder, vá visitar Estocolmo, vá conhecer a Suécia. Além de se sentir em uma passarela desfilando com outros modelos, vai se orgulhar do lugar  e de sua gente. Um lugar que, além de oferecer paisagens únicas no mundo, trata seus cidadãos como merecem ser tratados. Com respeito. Afinal, funcionário público é feito para isso, certo? Ao menos lá , caro amigo, ao menos lá…


Estocolmo, a capital sueca no verão | Crédito: Paulo Panayotis e Divulgação


Adolescentes suecas em Estocolmo | Crédito: Paulo Panayotis e Divulgação


O secular bairro de Gamla-Stan no inverno | Crédito: Paulo Panayotis e Divulgação

Paulo Panayotis