Seu time escolheria você como chefe, caso pudesse optar?

Quando o gerente não observa as consequências de seu comportamento como líder, corre o risco de construir um time de pessoas resignadas com ele e cínicas em suas conversas. A consequência é o baixo desempenho das operações, desmotivação, clima organizacional negativo, estresse e sobrecarga de trabalho para o próprio gerente.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Quando o gerente não observa as consequências de seu comportamento como líder, corre o risco de construir um time de pessoas resignadas com ele e cínicas em suas conversas. A consequência é o baixo desempenho das operações, desmotivação, clima organizacional negativo, estresse e sobrecarga de trabalho para o próprio gerente.

Isso acontece principalmente com o gestor que não reflete de maneira profunda a respeito de si mesmo e não ouve autenticamente as pessoas ao seu redor.

Por esse motivo, todo líder deve ser um ouvinte atento e reflexivo, antes de agir. E temos muitos líderes nas organizações que estão em um voo cego, agindo sem pensar e causando o infortúnio de pessoas e das próprias empresas. Isso sem falar naqueles que provocam o fracasso na vida pessoal também.

Somos frutos de uma cultura, mas também agentes de sua mudança. Uma primeira ação, para o gestor refletir sobre seu comportamento, é pedir feedback a seus liderados e pares. Ouvir o que falam e, especialmente, o que não falam: as entrelinhas, as mensagens subliminares e a postura do funcionário ao conversar. Tudo isso pode representar medo do gestor e resignação com seu comportamento.

O gerente deve pensar sobre como as pessoas se sentem na sua presença, ouvindo suas palavras e a forma como as pronuncia. A qualidade de vida do próprio gestor e das pessoas no ambiente de trabalho depende diretamente da qualidade dos diálogos. Que podem ser relevantes, marcantes e inspiradores. Ou irrelevantes, sem propósito e desmoralizadores.

Um gerente tem muito mais a oferecer a seus funcionários para motivá-los do que os benefícios oferecidos pela empresa. E, em um momento de crise como o atual, ele deve saber ser uma fonte inabalável de confiança na capacidade de todos de enfrentar as dificuldades e vencê-las.

Se você é líder de pessoas, seja o gerente que você gostaria de ter.

Trabalhar não precisa ser um sofrimento. Nem para o líder, nem para os liderados.

Vamos em frente!

Silvio Celestino

É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.