Fechar Ads

Por que não sou promovido a gerente?

Ser promovido à gerência é um caminho misterioso para muitos profissionais. Não entendem o que têm de fazer para que isso ocorra. Assim, adotam uma rotina disciplinada, fazem tudo que lhes mandam, são pontuais e procuram relacionar-se bem com todos os seus colegas. Mas, mesmo assim, a promoção não vem. O que fazer?
Por  Silvio Celestino
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Ser promovido à gerência é um caminho misterioso para muitos profissionais. Não entendem o que têm de fazer para que isso ocorra. Assim, adotam uma rotina disciplinada, fazem tudo que lhes mandam, são pontuais e procuram relacionar-se bem com todos os seus colegas. Mas, mesmo assim, a promoção não vem.

Recebi a pergunta acima de um leitor e seria uma ousadia de minha parte respondê-la sem considerar o contexto do profissional. Não tenho essa intenção. Entretanto, não deixa de ser uma questão relevante para muitos.

Para ser franco, é mais fácil falar sobre os motivos pelos quais alguém é promovido à gerência do que escrever sobre aqueles que impedem o profissional de chegar lá. Antes de escrever este artigo, fiz uma lista com dezenas de razões para um indivíduo não ser promovido. E tenho certeza de que outras poderiam ser mencionadas, isso sem falar de certos ambientes empresariais antiéticos. Mas, considerando-se um ambiente onde a meritocracia impera, e sem a intenção de esgotar o tema, existem três razões que considero armadilhas muito comuns:

Fazer somente aquilo que lhe mandam ou pelo que é pago para fazer

A maioria dos indivíduos é treinada para ser empregada e, portanto, para fazer o que lhe mandam. Alguém assim dificilmente será promovido à gerência. Se você fizer apenas o que lhe ordenam, limitará muito sua carreira. Pois sua atitude será vista como algo positivo para a posição atual, mas um limitador para sua promoção. Esqueça o job description. Faça além, mostre que você não está interessado em ser mais um funcionário, mas alguém empenhado para que a companhia seja bem-sucedida.

Não tolerar frustrações

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguém que não tem capacidade de lidar com adversidades não pode ser gerente. Afinal, não há nada que gere mais frustração do que ter de obter resultados por meio de pessoas. É exasperante ouvir reclamações e explicações de subordinados e, ao mesmo tempo, fazê-los realizar a tarefa com a qualidade esperada e dentro do prazo.

Além disso, existe a pressão dos níveis de cima. E, acredite, ser repreendido por um diretor é como ouvir uma canção de ninar depois que você sabe como um diretor é repreendido por um acionista. O próprio fato de a pessoa demonstrar frustração excessiva por não ter sido promovida já é um forte indicativo de que não consegue lidar bem com suas emoções. Também informa que a pessoa não consegue perceber o contexto da empresa que, por vezes, é complexo demais e resulta em lentas promoções. Você sabe esperar?

Não ter a imagem, o diálogo e a postura de um gerente

Se você quer ser gerente, a tradução disso é: na sua presença, os diretores vivem a experiência de que estão próximos a um gerente. Para que isso ocorra, você tem de ter a imagem, a fala e a postura de um gestor. Não adianta parecer um gerente apenas para seus colegas de trabalho ou para seu chefe, pois não são eles que promovem você a esse posto; são os diretores que o fazem! Claro que há influenciadores, e você deve conquistá-los também, mas, ao final, a palavra é dos diretores.

Para criar essa experiência, você deve estar atento à cultura da empresa. Em uma organização formal, vista-se de forma clássica. Mas, por exemplo, se sua companhia comercializa material para a prática de esportes radicais, não apareça de terno e gravata para trabalhar. Pense!

Seu diálogo deve ser pautado pelo resultado. Isto é, tudo que você faz tem de apresentar aumento de receita, redução de custo ou melhoria tangível de algum processo, produto ou serviço. Pois são essas as únicas ações para aumentar os resultados. Se você não consegue traduzir seu trabalho em uma dessas situações, não tem o diálogo de um gerente. Lembre-se de que ser gestor não significa ser o técnico dos técnicos; saber mais sobre uma especialidade não o torna candidato a gerente. Você precisa saber mais sobre o negócio da empresa e como contribuir com ele de forma decisiva ao gerir pessoas e operações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma postura de gerente é proativa, mas respeita os relacionamentos e os níveis hierárquicos. É política e cumpre os propósitos da empresa, do departamento e das tarefas, sem causar danos a outras divisões. Ou seja, pensa no todo, e não apenas no setor em que trabalha.

Existem muitos outros fatores que impedem alguém de ser gerente, mas não fazer além do que é pago, frustrar-se com facilidade e ter uma imagem, fala e postura inadequadas são elementos contrários à sua promoção para um cargo tão importante.

Mude esses fatores, se desejar ser bem-sucedido. Vamos em frente!

Silvio Celestino É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Sua carreira, seu maior investimento

Sua carreira, seu maior investimento

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A principal recomendação para qualquer profissional em 2018 é: seja rápido.   As maiores oportunidades de prosperidade e sucesso de carreira ocorrem nas chamadas novas fronteiras, isto é, nos mercados que nunca existiram antes e surgem principalmente em decorrência de uma nova onda tecnológica. A dificuldade de reconhecê-las é enorme, pois o sucesso de algo novo não é visível para a maioria e representa riscos elevados para os iniciantes: assim, as décadas de 1920 e 30 foram momentos extraordinários para quem se envolveu com a indústria da aviação. Já os anos de 1950 e 60, o foram para quem trabalhou na indústria da computação de grande porte. A década de 1980 foi o início da era de ouro dos microcomputadores; já o fim dos anos 90 e início de 2000, para a internet, os celulares e, depois, as redes sociais. 
Sua carreira, seu maior investimento

Feedback não é para ser traumático

Já vi indivíduos traumatizados por conta de um feedback. No caso mais grave, conheci uma pessoa que teve uma hemorragia provocada pelo estresse de um feedback feito de maneira torturante: ela tinha de ficar de frente para uma parede e de costas para seu chefe e colegas de trabalho que lhe dariam os “feedbacks“, e ela só podia ouvir. Não sei quem foi o idealizador dessa prática infeliz, mas, para minha surpresa, foi aplicada até mesmo em empresas juniores no Brasil.
Sua carreira, seu maior investimento

Quem não delega não lidera

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. 
Sua carreira, seu maior investimento

Pare de odiar quem faz follow-up

Seria uma falta de sinceridade minha não iniciar este texto com uma confissão: eu odeio follow-up! Não gosto de fazê-lo e muito menos que façam sobre meu trabalho. Entretanto, são notórios os problemas, as falhas e os erros que ocorrem quando o follow-up não é realizado. E, portanto, apesar de meu sentimento a respeito dessa competência de liderança, a exerço e permito que outros a exerçam sobre meu trabalho, sem reclamar.
Sua carreira, seu maior investimento

O plano de vida precede o de carreira

Um grande problema que observo nos executivos é a ausência de um plano de vida que oriente seu plano de carreira. Quando isso ocorre, há um hiato entre o que ele atingirá profissionalmente e a vida que realizará. Esse hiato pode ser intransponível se ele deixar para preenchê-lo ao fim de sua carreira profissional. Essa possibilidade por si só deveria ser motivo de angústia, incerteza e preocupação, entretanto, a maioria dos indivíduos a ignora.