O que fazer com a sensação de solidão no mundo executivo?

Não é muito comum falar sobre a solidão no mundo executivo. Festas, networking e reuniões em locais sofisticados são os temas mais frequentes sobre a atmosfera da vida dos líderes empresariais. Mas ela existe, e é um fator estressante e presente durante toda a carreira executiva.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Não é muito comum falar sobre a solidão no mundo executivo. Festas, networking e reuniões em locais sofisticados são os temas mais frequentes sobre a atmosfera da vida dos líderes empresariais. Por outro lado, nossa cultura organizacional ainda privilegia o desenvolvimento da pessoa por sua própria conta. Damos poucos feedbacks, isso é notório, e, acima de tudo, ouvimos muito pouco os profissionais. Por essas razões, a retenção de talentos e a motivação são assuntos sempre lembrados em rodas de profissionais de Recursos Humanos. Entretanto, surpreendeu-me que, na 5ª edição do Prêmio Profissional RH do Ano da Você RH, Fernando Salinas, diretor da Johnson & Johnson Medical, em seu discurso de agradecimento, tenha mencionado, ainda que brevemente, a necessidade do RH ser um bom ouvinte, principalmente para auxiliar na questão da solidão dos executivos. E ele tem razão, esse é um fator estressante e presente durante toda a carreira executiva.

Em primeiro lugar, o mundo de negócios somente pode existir com base no sigilo. Experimente comentar em uma rede social que você está saindo para comprar um carro de R$ 100 mil que encontrou por R$ 80 mil, e verá porque o segredo é importante. Pense em com quantas informações sigilosas um executivo tem de lidar. Isso já é motivo suficiente para muito estresse.

Agora, quando acrescentamos a isso angústias pessoais que se entrelaçam com o mundo dos negócios, podemos imaginar o que é a solidão executiva. Por exemplo, uma CEO que sente uma dor no corpo, em uma região na qual há histórico de câncer na sua família. E ela tem medo de ir ao médico fazer um exame. Além disso, está em meio à compra de uma empresa e teme que o negócio não seja concluído se souberem que ela pode estar doente. Ou um diretor que está sendo preparado para presidir a empresa, mas que não deseja assumir esse papel, pois entende que ele o tirará do convívio com a família. Ou, ainda, um executivo que deseja sair, mas não pode comentar esse assunto com os acionistas, pares e nem ao menos com a esposa, pois seu padrão de vida depende da composição com o salário dela.

Há também temas que não podemos conversar com ninguém, por sua abrangência, e por nos fazer parecer fracos e inseguros.

Uma causa dessas angústias é que fomentamos que a pessoa deve construir sua carreira sozinha. Essa é uma tarefa complexa em todas as idades, mas quanto mais o tempo passa, mais a solidão das decisões pesa sobre a pessoa. Além disso, a velocidade e complexidade do mundo atual, coloca as empresas em uma permanente luta de vida ou morte pela própria existência. Querer que elas sobrevivam e salvem alguns empregos é pedir muito. Querer que elas o façam e ainda ofereçam um plano de carreira completo para todos é pedir o impossível. Nesse contexto bastante agressivo, tentar lidar com todos os temas da vida empresarial e pessoal sozinho é um risco muito grande. Além disso, o indivíduo leva muito mais tempo para se desenvolver quando o faz por conta própria. Sem método e com pensamentos nem sempre produtivos, os resultados são lentos e incertos.

Um departamento de recursos humanos que se preocupa em ouvir seus executivos tem mais chances de ser bem-sucedido em sua árdua tarefa de motivar e desenvolver pessoas. Além disso, pode também oferecer, nos casos apropriados, ferramentas e processos de desenvolvimento de competências como mentoring e coaching.

Além de aprender metodologias úteis em decisões empresariais, o executivo tem alguém para compartilhar suas angústias, dúvidas e inseguranças que, de outro modo, ficariam escondidas. Encontrar alguém de alto nível para trocar ideias sob um sigilo confortador, auxilia a pessoa a elevar sua capacidade de criar opções, pensar em voz alta e desabafar em um espaço protegido. Isso reduz o estresse, aumenta as alternativas de soluções para os negócios e a vida pessoal, e eleva a estima do executivo para enfrentar as adversidades.

O sucesso não é para ser sinônimo de sofrimento, mas, sozinho, sem preparo e método, a vida executiva pode ser um caminho penoso de muita ansiedade, angústia e estresse.

Temos de ser bem-sucedidos em nossa carreira e vida particular, mas com saúde física, mental e emocional. E, para fazer isso acontecer, ainda é mais apropriado estar acompanhado do que sozinho. Vamos em frente!

Silvio Celestino

É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.