“Xi, tá tudo quebrado! Deu PT!”

Não, não estou falando de política. Mas do seu carro e da ‘famosa’ Perda Total.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

A maior motivação na contratação de um seguro é a prevenção contra a eventual perda de um bem. Falando de carros, especificamente, seja por conta da (falta de) segurança e o enorme índice de roubos e furtos de automóveis no país, seja por conta de acidentes com altíssimo custo de reparação. Lembram daquela história de restabelecer o equilíbrio econômico abalado?

Mas, afinal de contas, o que é Perda Total? Será que essa classificação só é levada em conta quando um carro fica completamente destruído?

Existem duas regras relativamente simples que levam a seguradora a classificar um carro com o ‘carimbo’ de PT: a financeira e a segurança do reparo. A primeira está diretamente relacionada ao preço (segundo a tabela FIPE) do carro avariado. Se o orçamento de reparos atingir 75% desse valor, é perda total.

É claro que existem exceções, mas elas são raras e analisadas caso a caso segundo os critérios de cada seguradora. Então esqueçam todas aquelas frases comuns como “empenou a coluna”, “o air bag abriu” e “remarcaram o chassi”, entre outras. E tenham em mente a regra dos 75%.

A segunda hipótese, mesmo quando o valor do concerto não atinge os tais 75% está diretamente relacionada com a qualidade do conserto e a sua segurança. Se não for possível garantir que, após os reparos, o carro estará em perfeitas condições de uso e funcionamento, o carro também será considerado como perda total. É bom lembrar que a Lei do Desmanche ainda não está valendo no país inteiro e a falta de peças novas e originais que deem a garantia necessária é, muitas vezes, um problema.

Nos falamos novamente em breve, até lá.

Rafael Monsores