Lar, doce lar

Para proteger a sua casa, você precisa mais do que um extintor de incêndios.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Como eu disse na semana passada, volto a falar de seguro residencial. Na verdade, tento deixar o assunto mais claro apresentando as coberturas adicionais que considero mais importantes para que sua casa e seus bens, suas conquistas, estejam realmente bem protegidos, realmente seguros.

A cobertura para roubo e furto qualificado é a primeira a ser considerada. Esse ‘qualificado’ significa que alguma coisa foi tirada da sua casa, com violência ou não, mas sempre com vestígios, com sinal de invasão. Como um arrombamento, por exemplo. Outro detalhe é que, para algumas seguradoras, alguns bens podem ser excluídos ou só estarão cobertos se relacionados na apólice. Ou seja, leia muito bem o contrato. E guarde suas notas fiscais.

E o que acontece quando, mesmo involuntariamente, você prejudica alguém e é acionado judicialmente? Seja porque seu cachorro mordeu o carteiro, um vazamento no seu banheiro causou infiltração no apartamento de baixo, a bola do seu filho quebrou a janela do vizinho, um vaso de plantas caiu da janela… A cobertura, nesses e em outros casos, é a Responsabilidade Civil Familiar. Além das eventuais indenizações que você tenha que pagar, as custas judiciais e honorários de advogados também estão cobertos.

As duas últimas coberturas que destaco são para fumaça e vidros. A primeira protege sua casa contra danos ocasionados por fumaça, mesmo que ela venha de um incêndio coletivo ocorrido em outro imóvel não segurado. A segunda garante não apenas vidros quebrados, mas também mármores e espelhos, desde que estejam fixados em janelas, portas e divisórias, além de prateleiras e molduras.

Como vocês podem ver, o seguro residencial pode ser bem amplo. Mas não tenho dúvidas de que é de suma importância, porque no fim voltamos sempre ao mesmo ponto: a função do seguro é restaurar o equilíbrio econômico perturbado. Pense nisso.

O carnaval está chegando e na semana que vem volto a falar de seguro viagem. Até lá.

Rafael Monsores