7 dicas de gestão financeira e relacionamento com credores para médias empresas

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Palavras-chave para o currículo

Passei meus últimos 20 anos atendendo, liderando equipes comerciais de grandes bancos, decidindo e recuperando créditos de empresas na faixa de faturamento entre R$ 50 milhões e R$1 bilhão anuais. Por diversas vezes, me deparei com boas companhias ou bons negócios que não tinham acesso adequado a crédito por não cuidarem de alguns aspectos de sua gestão financeira que fariam toda a diferença em seu relacionamento com potenciais credores.

Seja por desconhecimento ou por falta de prioridade, esse eventual “descuido” muitas vezes custava bastante às empresas. Dinheiro e Crédito são fundamentais para qualquer negócio. Volume, prazo e custo adequados afetam de maneira determinante o risco e a performance dos negócios.

Tanto ou mais que aspectos operacionais e comerciais, muitas vezes os mais focados pelos empreendedores nas fases de crescimento de suas empresas.

PUBLICIDADE

Minha pretensão neste curto artigo é apenas gerar alguns insights e provocar empreendedores, consultores e gestores financeiros a refletir sobre oportunidades que se bem exploradas podem trazer mais segurança aos seus credores, possibilitando a obtenção de linhas de crédito melhor estruturadas e precificadas.

Compartilho então sete dicas que considero um bom ponto de partida para estas provocações:

1. Organize-se financeiramente

Não há boa administração sem uma boa gestão contábil e gerencial das finanças. Bem como uma boa integração com as áreas operacionais chave da empresa. Contabilidade recorrentemente atrasada e relatórios gerenciais defasados certamente escondem ineficiências operacionais e comerciais que custam muito mais caro que a organização em si.

Terceirizar estas funções, pela minha experiência, tende a ser uma decisão equivocada. Finanças é “o X no mapa do tesouro” de qualquer negócio. Não economize nos profissionais desta área. É a típica economia que vai custar caro.

2. Não basta ser. É preciso parecer

Na relação com credores, é de suma importância mostrar sua organização financeira. Presteza e organização no envio de informações são mais raras do que se pode imaginar. Consistência então, nem se fala!

Revise cuidadosamente suas informações antes de disponibiliza-las a um potencial credor. Tais informações serão cuidadosamente escrutinadas. Se você não tem nada a esconder, não esconda. Usualmente o pacote básico de demonstrações financeiras não basta para parecer organizado. Como disse, é o básico.

PUBLICIDADE

Seu setor de atuação certamente dispõe de outras informações gerenciais que ajudarão na tomada de decisão. Disponibilize-as espontânea e prontamente. Fluxo de caixa projetado é algo que será comumente solicitado – é básico, especialmente se você pretende tomar linhas de prazo mais alongado.

Por fim, se possível, audite seus números. Você vai mudar de patamar na relação com o mercado. Desorganização vai lhe custar dinheiro – pode acreditar.

3. Cuide de sua Estrutura de Capital

A relação entre Passivo Total e Patrimônio Líquido é um indicador bastante analisado em empresas médias. Os manuais de finanças corporativas indicam que o capital próprio é sempre o mais caro e que é importante um certo grau de alavancagem para que você possa financiar de forma eficiente suas operações.

O segredo aqui é a relação entre capital próprio e capital de terceiros. Empresas médias pouco capitalizadas terão sempre mais dificuldades na obtenção de crédito. Há um pouco de arte aqui: o WACC (sigla que vem do inglês weighted average capital cost e significa custo médio ponderado de capital) leva em conta o custo médio do capital próprio e o de terceiros, ponderado pela fração de cada um no capital total da empresa.

Balancear adequadamente essa relação é metade ciência e metade arte em empresas médias. Garanto que acionistas que descapitalizam constantemente suas companhias em nome de projetos paralelos ou pessoais tendem a pagar caro por tais atitudes. Portanto, tal prática deve ser evitada.

4. Cuide de seu Capital de Giro e de sua liquidez

Acompanhar suas contas de curto prazo e fazer uma boa gestão do seu capital de giro é fundamental. Jamais subestime seu ciclo financeiro. Gerenciar bem os prazos com clientes e fornecedores e fazer uma boa gestão de estoques pode parecer básico, mas é constantemente fonte de estresse nas empresas.

Há pressões de todos os lados gerando forças contrárias a essa boa gestão. Muitas vezes tais pressões vêm do próprio acionista, que se envolve em atividades comerciais e/ou operacionais. Compra-se mais do que o necessário.

Em nome de alavancagem de vendas, descuida-se da gestão do ciclo financeiro, aí a “batata quente” cai para o financeiro. A consequência natural é o endividamento não planejado que se torna caro e ineficiente, o que normalmente afeta a estrutura de capital.

PUBLICIDADE

A lição aqui é a de que o gestor financeiro precisa ter algum grau de empoderamento nas companhias. No mínimo precisa ter voz igual ao comercial em discussões que afetem o planejamento financeiro de curto e médio prazo do caixa da empresa.

5. De olho nos indicadores financeiros

Ao buscar crédito, tenha certeza que indicadores como a NCG (Necessidade de Capital de Giro), Índice de Cobertura de Juros, EBITDA/Dívida Líquida serão analisados cuidadosamente.

Há padrões de mercado para cada um deles. Índices de alavancagem excessivamente altos, impactarão no apetite e no preço dos credores. Cabe a gestão financeira trabalhar para enquadrar tais indicadores a padrões aceitáveis de mercado.

Sugestão: busque benchmarks em seu setor de atuação. Boas empresas de capital aberto podem ser um bom ponto de partida.

6. Faça a gestão do seu fluxo de caixa e de seu orçamento anual

Parece uma bobagem falar isso, mas não há como realizar boa gestão financeira sem uma gestão orçamentária anual e sem que o orçamento esteja intimamente ligado ao modelo de incentivos de todas as áreas do negócio. Disciplina aqui é a chave.

Quanto à gestão de fluxo de caixa, duas boas práticas com as quais me deparei ao longo de minha carreira são: no mínimo tenha sempre em mãos um fluxo de caixa detalhado de 13 semanas (ou 3 meses) e realize reuniões de caixa semanais com os principais stakeholders. Reuniões de caixa são fundamentais para direcionar as ações imediatas de dia a dia mesmo quando as coisas andam bem.

7. O caixa é rei

Muitas empresas quebram por causa do caixa. Isso porque operar sem nenhum caixa disponível é um demonstrativo de risco muito maior do que se pode imaginar aos olhos do mercado.

Dispor de uma reserva emergencial, mesmo que a algum custo é um “hedge” operacional importante. Considere, sempre que possível, possuir uma reserva de liquidez imediata.

PUBLICIDADE

Enfim, como afirmei no início, o propósito destas breves considerações foi provocar reflexões e auxiliar algumas empresas no relacionamento com seus credores.

Para termos um mercado de crédito mais competitivo, é fundamental que os tomadores também sejam parte de um movimento de redução da assimetria de informações neste mercado, pois essa é uma das maiores fontes dos altos spreads que temos no país.

Disclaimer: CONTEÚDO PATROCINADO XP INVESTIMENTOS CCTVM S.A. . Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) e tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste material foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido. A XP Investimentos se coloca à disposição para clientes que desejam obter informações, tirar dúvidas ou fazer reclamações por meio de seu Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). O contato do SAC é o telefone 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br

Rodrigo Moreira

Sócio da Xp Inc., Mestre em Economia, Bacharel em Engenharia e head da XP Empresas. Possui 20 anos de experiência dedicados ao atendimento de empresas de grande e médio porte. Com passagens por Itau BBA, Unibanco, Pactual e Bozano, Simonsen.