Política, um mercado em crise

Uma análise econômica e pragmática da política nos revela as causas e as tendências da crise atual. É hora de ajustar as velas para os novos ventos.
Por  Eduardo Galvão
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Mercado político? Sim. Uma corrente teórica chamada de Escolha Pública nos convida a analisar a política não como um fórum, mas como um mercado, onde agentes interagem em relações de oferta e demanda em ambiente de escassez.Trata-se de um outro modelo de análise e compreensão da realidade que nos permite lançar novos olhares e pensar a política sob uma perspectiva diferente.

O método utilizado vem da Microeconomia: a análise da ação humana individual. Os agentes públicos e os eleitores são vistos, não como servidores de algum interesse público superior, mas como como maximizadores racionais de seus próprios interesses individuais, encarando a escolha entre o que é melhor si ou para o grupo. Não deve, portanto, o processo político ser analisado independentemente do contexto dos interesses individuais.

Assim pode-se perceber interações de oferta e demanda entre atores políticos e entre esses e os atores privados. Ressalve-se neste ponto que não estamos aqui tratando de qualquer tipo de ilicitude, principalmente das que têm permeado a mídia em tempos de Lava Jato. Estamos aqui tratando de relações próprias dos regimes democráticos como apoio político, troca de votos, financiamento de campanha, etc.

Políticos buscam manter-se no poder. Para isso demandam visibilidade, apoio da sociedade, verbas para campanha, orçamento e, ao final, votos. Nas relações entre agentes políticos ocorrem ofertas e demandas recíprocas por apoio e votos para que possam maximizarem seus objetivos. Já nas relações entre políticos e grupos de pressão existe uma demanda por votos, visibilidade e financiamento de campanha.

Tudo conforme a teoria.

Curioso perceber que, no Brasil e no mundo, esse “mercado” está em crise. Podemos verificar que essa sistemática tem destacado novos elementos típicos de mercados, como o oligopólio de ofertantes, caracterizado por sistemas políticos com barreiras de entrada a novos concorrentes e que oferecem sempre as mesmas opções.

Outro elemento é a desintegração da base política do atual Governo, acarretando uma “escassez” de votos. Essa diminuição da oferta pressiona o “preço de mercado” para cima, o que causa uma “inflação” nesse “mercado”, aumentando o “custo” do voto. Assim o Governo passa a ter que gastar mais.

Consequência desse aumento de “gastos” do Governo é a diminuição do seu poder de compra. Já não possui tantos recursos como “moeda” para “comprar” o que precisa para realizar seu objetivo de se manter no poder: o apoio da base parlamentar e a aprovação das reformas.

Por outro lado os grupos sociais não estão oferecendo o mesmo apoio político de antes. Essa sociedade de “consumidores” está mudando suas preferências e demanda novos “produtos” e novas “ofertas” na prateleira da política.

Ainda, novos entrantes buscam criar modelos de economia disruptiva para que possam driblar a regulação do setor político e superar as barreiras de entrada para  concorrer no mesmo mercado que os players já estabelecidos da velha política. É o caso do chamado Fundo Cívico, criado e apoiado por  um grupo de empresários para renovar a prateleira com nomes  que não possuam envolvimento em casos de corrupção por meio de suporte técnico e financeiro.

Neste mercado surgem ainda suas próprias instituições de restrição ao crédito, uma espécie de ‘Serasa’ de políticos com uma lista negativa de parlamentares em quem não votar. A iniciativa é prometida pelo Movimento Vem Pra Rua para as eleições de 2018 a fim de “restringir o crédito” dos políticos com histórico e desempenho ruins.

E, como é natural de toda a crise, emergem ameaças e oportunidades capazes de trazer mudanças profundas em seus atores, seus recursos, sua dinâmica e sua estrutura. Esse processo crítico por que passa a política, em especial a do Brasil, significa uma mudança de rumos que trará profundas mudanças. Não se sabe quanto tempo levará esse processo nem o que os novos ventos trarão.

Mas uma máxima que ensinamos em gestão de crises é “eu não posso estancar o vento, mas posso ajustar minhas velas”.

A conferir.

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Pensando Política

Pensando Política

América Latina: intensa agenda eleitoral em 2018

No próximo ano, os países da América Latina terão uma intensa agenda eleitoral. Eleições presidenciais ocorrerão na Costa Rica, Paraguai, Colômbia, México e Brasil. Declarações do presidente cubano Raúl Castro afirmam o seu compromisso em promover a transição e a transferência de poder para um novo presidente. Já na Venezuela a vitória do partido do […]
Pensando Política

RenovaBio, uma ótima política

Por: Donizete Tokarski, diretor-presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) Mario Campos, presidente da Associação da Indústria Sucroenergética de Minas Gerais (SIAMIG) Daniel Furlan, gerente de Economia da Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais (Abiove) Bruno Alves, colaborador do Pensando Política do InfoMoney
Pensando Política

O impacto das “fake news” nas eleições

Este artigo apresenta as experiências internacionais no monitoramento das fake news e discute como o Brasil pode lidar com o fenômeno na campanha eleitoral do próximo ano. Este é um processo complexo e dinâmico que envolve diversas estratégias e engajamento de diversos grupos sociais. Evitar as distorções geradas pela difusão de conteúdo falso será um importante passo para o fortalecimento da democracia.
Pensando Política

A crise do porto de Santos

O maior porto da América Latina tem uma deficiência secular na gestão da dragagem, o que prejudica a competitividade dos exportadores e a rentabilidade dos terminais portuários.