Plano “Pró-Brasil” põe um fim à era do “Posto Ipiranga”

Numa semana que ficará marcada pela demissão de Sérgio Moro, Bolsonaro anunciou o ‘Pró-Brasil’ à revelia de Paulo Guedes, que vem perdendo autonomia na política econômica

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Paulo Guedes
(Foto: Edu Andrade/ASCOM/Ministério da Economia) Paulo Guedes, ministro da Economia

Nesta semana, Bolsonaro anunciou sua maior guinada de política econômica desde a aproximação com Paulo Guedes. Isto é tudo o que sabemos. Todo o material divulgado sobre o plano Pró-Brasil se resume a 7 slides que parecem feitos pessoalmente pelo ministro Braga Netto. Quem viu o material, rapidamente nota que aquela apresentação não passou pelas mãos de um designer.

O aspecto mais importante da coletiva de divulgação foi quem não esteve por lá: Paulo Roberto Nunes Guedes, ministro da Economia e, aparentemente, ex-“Posto Ipiranga”. Pela primeira vez, Bolsonaro tomou uma decisão sem perguntar a um ministro que foi anunciado como oráculo econômico do governo.

O próprio Ministério da Economia evidencia promessa de “porteira fechada” que o presidente ofereceu a Paulo Guedes. A fama de super-ministro sempre foi justa para quem unificou os antigos ministérios da Indústria, Comércios e Serviços, Fazenda, Desenvolvimento e Gestão, Planejamento e Trabalho, além de receber autonomia para indicar os presidentes das principais estatais.

PUBLICIDADE

A ausência de Guedes na coletiva de lançamento do Pró-Brasil já representa uma ruptura com relação ao discurso de “porteira fechada”. O protagonismo dos ministros Tarcísio Freitas e Braga Netto na gestão de um projeto tão importante para a política econômica evidencia que o tamanho do superministro diminuiu desde o início do governo.

Pouco a pouco, críticas a Guedes já começaram a surgir em veículos de imprensa e influenciadores ligados ao presidente, inclusive a TV Record. O que já é um desgaste sem paralelo desde o início do governo pode piorar ainda mais, a depender das próximas decisões sobre o custo do programa para o Tesouro.

Inicialmente, o Pró-Brasil foi divulgado com um orçamento de R$ 30 bilhões vindos do Tesouro e R$ 250 bilhões em concessões à iniciativa privada. Estas são estimativas muito preliminares, mas já suficientes para gerar preocupações. No Brasil, esse tipo de projeto de infraestrutura frequentemente termina com gastos acima do esperados. Além disso, tais gastos provavelmente serão realizados por fora do teto de gastos, outro ponto de conflito com Guedes.

Quem está atento à situação espera conflitos ainda maiores nos próximos capítulos. Basta lembrar o cronograma desta crise.

Na tarde de terça-feira, dia de Tiradentes, Thaís Herédia e Raquel Landim publicaram na CNN que a Casa Civil comandaria uma expansão dos gastos em infraestrutura, apesar da resistência vinda do Ministério da Economia. Segundo elas, Bolsonaro estaria disposto a entregar o comando para Braga Netto, pois Guedes seria “liberal demais” para um projeto do tipo. No dia seguinte, quarta-feira, o governo anunciou o Pró-Brasil com Braga Netto no comando da entrevista coletiva, marcada pela ausência de Guedes

Na tarde de quinta-feira, Renata Agostini e André Spigariol publicaram na mesma CNN que o ministro Rogério Marinho pretendia reforçar o orçamento do Pró-Brasil em até R$ 184 milhões. Caso uma despesa desta dimensão esteja na agenda do governo, o teto de gastos aprovado no governo Temer chegará ao fim. Paulo Guedes garantiu, em inúmeros momentos, que sua gestão não romperia o teto de forma alguma. Mesmo que se encontre alguma manobra orçamentária para acomodar essas despesas, o teto seria desmoralizado.

PUBLICIDADE

Na agenda de Bolsonaro nesta sexta-feira, há duas reuniões com Tarcísio Freitas e Rogério Marinho, dois dos ministros responsáveis pelo plano. O resto da agenda do dia foi dedicado a apagar o incêndio deixado pela demissão de Sérgio Moro.

Por enquanto, pouco sabemos sobre o futuro do Pró-Brasil, mas a crise entre o presidente e o antigo Posto Ipiranga está cada vez mais clara. Bolsonaro prometeu autonomia quando convidou Guedes para assumir o comando da sua política econômica.

O presidente passou a semana ouvindo conselhos econômicos do ministro Braga Netto. Sérgio Moro terminou a semana mostrando que, no atual governo, até os super-ministros podem cair. Só nos resta saber o que fará Paulo Guedes em meio a esta confusão.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.

Pedro Menezes

Pedro Menezes é fundador e editor do Instituto Mercado Popular, um grupo de pesquisadores focado em políticas públicas e desigualdade social.