Bolsonaro é o grande responsável pelo pior PIB da história

O crescimento do PIB em 2020 deve ser o pior da série histórica do IBGE, que começa em 1900. Apesar de não ser o único, o maior responsável por esse cenário é o presidente Jair Bolsonaro
Por  Pedro Menezes -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Lá vem o Brasil descendo a ladeira, cantaria Moraes Moreira, se estivesse vivo. Para ser mais preciso, o país desce como uma criança pedalando sem freio. Conforme a velocidade da descida aumenta, já sabemos até o que será dito a seguir: “tão novo, tinha tanto potencial…”.

O triste fato é que, em 2020, o Brasil provavelmente terá o pior crescimento do PIB já registrado pelo IBGE na série histórica que começa em 1900. Até hoje, nosso pior ano foi 1990, quando a produção nacional encolheu 4,35%. O segundo pior ano foi 1981 – queda de 4,25% – e, em terceiro, vem 2015 – queda de 3,55%.

No Boletim Focus divulgado na última segunda (11 de maio), a mediana das expectativas de economistas já estava em -4,11%, o que já seria o terceiro pior valor da série do IBGE. E o pior: as projeções pioram há mais de 10 semanas consecutivas. É provável que, na próxima segunda (18 de maio), as projeções piorem ainda mais, superando os -4,35% registrados em 1981.

Hoje, o cenário-base da maioria dos analistas já passa por um crescimento inferior ao de 1981. Ou seja, é provável que 2020 termine com a pior retração do PIB brasileiro desde 1900.

Erros de política econômica não explicam o desastre. Concordo com algumas críticas: Paulo Guedes, no dia 13 de março, prometeu que “com R$ 5 bilhões, a gente aniquila o coronavírus”, frase que sugere a total falta de preparação do ministro para o problema que surgiria; e também é justo criticar a atuação do Banco Central que deve entregar uma inflação abaixo da meta pela terceira vez em 4 anos – desta vez, assim como em 2017, a inflação deve vir abaixo do piso da banda de tolerância. Apesar disso, é difícil jogar o problema apenas nas costas de Paulo Guedes e Roberto Campos Neto, figurantes numa tragédia cujo protagonista está no Planalto.

Jair Bolsonaro cometeu diversos erros na gestão da crise de saúde que surgiu no horizonte. Em primeira análise, o presidente subestimou o vírus. No dia 22 de março, em entrevista à Record, ele disse: “O número de pessoas que morreram de H1N1 foi mais de 800 pessoas. A previsão é não chegar aí a essa quantidade de óbitos no tocante ao coronavírus.” Menos de 2 meses depois, o número de mortes diárias já supera o que o presidente esperava para todo o período.

Vale notar a ênfase que alguns pesquisadores, como o economista Thomas Conti, tem dado ao caráter triplo da crise que enfrentamos: uma crise econômica, de saúde pública e comportamental. Só o presidente poderia ter enfrentado o problema em sua complexidade.

Governadores e prefeitos podem atuar, em parte, no combate à crise de saúde. Eles determinam quais medidas de distanciamento social e fechamento do comércio são necessárias e administram as informações do SUS. Mas a atuação deles é consideravelmente limitada pelo orçamento público. Estados e municípios não podem se endividar livremente e dependem, em grande parte, da arrecadação tributária. Quem tem maior liberdade para gastar é o governo federal.

Na crise de saúde, cabia ao Brasil fazer todo o possível para comprar os testes e respiradores que viabilizariam uma reabertura segura da economia. O que se viu, pelo contrário, foi uma extraordinária incompetência do governo federal, que demorou a se movimentar.

E o pior: ao invés de coordenar os esforços estaduais e municipais para viabilizar uma reabertura mais ágil, Bolsonaro preferiu entrar em conflito com governadores e prefeitos. O presidente usou inúmeros pronunciamentos para criticar decisões alheias e exigir a reabertura da economia, mas não foi capaz de fornecer um plano claro que pudesse ser utilizado pelos entes subnacionais.

Por fim, o mais grave foi a atuação de Bolsonaro na crise comportamental. Só ele, líder máximo de uma República continental, tinha capacidade de organizar pronunciamentos nacionais para guiar o comportamento dos brasileiros. Ao invés de pedir respeito ao distanciamento para viabilizar uma reabertura segura da economia, o presidente usou seu espaço na TV para incentivar o descumprimento ao distanciamento social.

Vale notar que, aqui, não há só opinião. Ao menos um artigo acadêmico de ponta já evidenciou o papel de Bolsonaro no incentivo ao descumprimento do isolamento social. Ajzenman, Cavalcanti e da Mata mostraram que, após o famigerado pronunciamento da “gripezinha”, os índices de distanciamento caíram seguidamente. E o pior: caíram mais em locais onde o presidente possui mais apoio, reforçando a ideia de que ele foi o responsável por esse processo.

O resultado está sendo visto no dia-a-dia. Estamos arcando com os custos do distanciamento social sem aproveitar plenamente os benefícios.

“Ah, mas são os governadores e prefeitos quem decidiram pelo lockdown”, responderá a militância bolsonarista ao ler críticas ao seu chefe. É importante notar que, na esmagadora maioria do país, não houve lockdown – isto é, não houve isolamento social obrigatório, com punição para quem descumprisse. A adesão ao distanciamento foi voluntária e, por isso, Bolsonaro foi crucial para nos trazer ao cenário atual, com economia fechada e hospitais em colapso.

As previsões de crescimento do PIB em 2020 foram piorando conforme os analistas notaram que a economia não reabriria tão cedo. Ao fim das contas, teremos uma crise econômica colossal, um colapso no sistema de saúde pública e medidas de distanciamento social mais duradouras do que o necessário. A responsabilidade por esse cenário não é exclusiva do presidente – mas, infelizmente, é majoritariamente dele. Ninguém tem tanta culpa no cartório quanto Jair Messias Bolsonaro.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Pedro Menezes Pedro Menezes é fundador e editor do Instituto Mercado Popular, um grupo de pesquisadores focado em políticas públicas e desigualdade social.

Compartilhe

Mais de Pedro Menezes

Pedro Menezes

Guedes ataca a IFI. O Senado aceitará calado?

Paulo Guedes inventa erros que a Instituição Fiscal Independente não cometeu e pede intervenção numa instituição de controle subordinada ao Senado. A IFI tem como missão produzir informações que podem o contrariar o governo. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ouviu calado
Real, Brazilian Currency - BRL. Dinheiro, Brasil, Currency, Reais, Money, Brazil. Real coin on a pile of money bills.
Pedro Menezes

A volatilidade do real revela uma economia dominada pela incerteza

Além de ter se desvalorizado ao longo do ano, o Real é uma das moedas mais voláteis entre economias emergentes. O ambiente interno é fonte de diversas incertezas, que colaboram para a volatilidade da moeda brasileira. Portanto, uma dúvida se impõe: a política brasileira vai contribuir para diminuir as incertezas que agitaram o mercado de câmbio em 2020?
Pedro Menezes

Relator do PL 2630 tentou censura generalizada, mas falhou

Substitutivo elaborado pelo senador Angelo Coronel tentou exigir comprovante de residência para cadastro em rede sociais, exclusão de conteúdo após a mera abertura de processo judicial, dentre outros absurdos. A confusão envolvendo o relatório acabou adiando a votação do PL, que era prevista para hoje