Nova CPMF não deverá incidir sobre aplicações financeiras

Tema chegou a ser questionado pelo Banco Central, que é contrário a que o imposto atinja operações como compra de ações, títulos e aplicações

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Paulo Guedes
(Crédito: Edu Andrade/Ascom/ME)

Em meio às discussões sobre o escopo que terá a proposta do governo de criar uma nova CPMF, a equipe econômica definiu que o imposto não incidirá sobre aplicações e investimentos financeiros. A determinação, até o momento, é a de que apenas transações de crédito e débito nas contas correntes serão tributadas.

O tema chegou a ser questionado pelo Banco Central, que é contrário a que o imposto atinja operações como compra de ações, títulos, aplicações etc. Integrantes do Ministério da Economia informaram ao banco que o imposto estudado pelo governo não incidirá nessa área.

Interlocutores do governo têm divulgado diversas versões sobre o alcance da CPMF, cuja proposta pode ser enviada ao Congresso em agosto. Especulações de que poderia atingir esse tipo de movimentação deixaram o Banco Central em estado de alerta.

PUBLICIDADE

A equipe econômica, no entanto, disse que o imposto deverá funcionar nos moldes da antiga CPMF, taxando apenas movimentações financeiras em conta corrente.

XP Política

Leia também

Panorama Político O novo recado de Bolsonaro à equipe econômica
Panorama Político Bolsonaro vai depor pessoalmente no STF