Nome de Bolsonaro é citado em caso Marielle e faz STF entrar em cena

Ainda há poucas certezas da natureza jurídica da consulta, mas a situação está sendo avaliada pelo presidente Dias Toffoli

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
(Antonio Cruz/Agencia Brasil)

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

A citação ao presidente Jair Bolsonaro no depoimento do porteiro do condomínio onde morava principal suspeito o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes fez o caso chegar perto de ir ao Supremo. O Ministério Público do RJ teria feito uma consulta sobre se deveria enviar o caso à Corte depois do depoimento, devido ao foro privilegiado de Bolsonaro.

Ainda há poucas certezas da natureza jurídica da consulta. Mas a situação está sendo avaliada pelo presidente Dias Toffoli e um problema já foi identificado: em tese, o MP estadual não poderia ter se dirigido diretamente ao Supremo. O recomendado seria fazê-lo por meio da PGR, que avaliaria previamente a necessidade da consulta, ou até mesmo por meio do judiciário local.

PUBLICIDADE

Esse detalhe pode ser usado para justificar uma rejeição, sem análise, por parte do STF de uma provocação formal.

A atitude das promotoras responsáveis pelo caso foi lida em Brasília como uma tentativa de “by-pass” em Augusto Aras, indicado por Bolsonaro. É esperado tanto do presidente do STF, quanto do PGR um comportamento de cautela e preservação do ocupante do cargo de presidente.

Do ponto de vista dos fatos conhecidos até agora, o depoimento do porteiro – afirmando que o próprio Bolsonaro teria autorizado a entrada do suspeito no condomínio horas antes do assassinato – foi desmentido pela presença do então deputado em duas votações na Câmara no mesmo dia.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país:

XP Política