Eleição de Bolsonaro completa um ano: confira os acertos e os erros do governo

Presidente chega ao 1º aniversário de sua eleição com a principal lição de casa concluída, mas com desafios políticos

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
Jair Bolsonaro
(Marcos Corrêa/PR)

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Hoje completa um ano da eleição de Jair Bolsonaro para o cargo de presidente da República. À saída das urnas, 51% dos brasileiros esperavam uma melhora na situação da economia nos seis meses seguintes à disputa e 57% tinham uma expectativa positiva para o governo então recém-eleito. Confira a análise da XP Política sobre o governo:

Bolsonaro cumpre lição de casa na economia

Em outubro do ano passado, pela perspectiva do que observavam os investidores, Bolsonaro chega ao primeiro aniversário de sua eleição com a principal lição de casa concluída: uma reforma da Previdência com economia de R$ 800 bilhões em uma década – valor que supera, inclusive, a aposta dos mercados, que viam como mais provável uma reforma com potência fiscal de R$ 700 bilhões, de acordo com levantamento que fizemos com 122 investidores institucionais.

O êxito na aprovação das mudanças no sistema de aposentadoria, no entanto, não deve esconder que o caminho para chegar até ela não foi tranquilo. Esses percalços deixam indicativos importantes para acompanhar o processo de discussão dos próximos itens da agenda econômica.

Crises e polêmicas de Bolsonaro

A maneira como o presidente estruturou seu ministério já na saída das urnas provocou um princípio de crise com o Congresso. Responsáveis, lideranças do Poder Legislativo preferiram não travar uma briga pública e trabalharam em sintonia com a agenda econômica do novo governo, a partir de ajustes nessa relação.

Leia também
– Alexandre Schwartsman: um ano depois da eleição de Bolsonaro

A falta de uma base formal de apoio e a instabilidade gerada pelo processo de acomodação do grupo que chegou ao governo, no entanto, continuam deixando o Planalto mais suscetível às idas e vindas das negociações políticas.

Os desafios do presidente

A aprovação popular a Bolsonaro, embora tenha caído desde sua eleição, foi e continua sendo fator chave para o sucesso da agenda. Quanto mais popular o presidente, mais “tolerável” seu jeito passa a ser aos olhos de parte dos congressistas.

Além da relação com o Congresso, outro ponto a ser monitorado é o grau de convicção com que a equipe política, e Bolsonaro pessoalmente, atuarão para perseguir o restante da agenda.

PUBLICIDADE

Para o controle dos gastos públicos, são necessárias medidas que não contam com um histórico de debate e amplo apoio da população como era o caso das mudanças nas aposentadorias – no início do governo, 67% concordavam com a necessidade de alterações no regime previdenciário.

Estabilidade do funcionalismo público e o fim da reserva constitucional de parte do Orçamento para políticas sociais, por exemplo, estão entre os temas que pretendem ser enfrentados pela equipe econômica – e aí o alinhamento do presidente será testado novamente.

Ao menos, já está traçado o mapa do que pode trazer oscilações negativas ou ajudar no avanço dessa agenda.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país:

XP Política

Leia também