Do coronavírus aos desafios com o FMI: os 100 dias de Fernández na Argentina

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

por Tomas Arias*

Alberto Fernández completou seus primeiros 100 dias no governo em 18 de março. Acaba o ciclo que é simbolicamente chamado de período de graça e uma nova etapa começa a partir daqui.

O governo da coalizão Frente de Todos, desde o início, defendeu que a Argentina está em crise, em situação de emergência como resultado das consequências do governo Mauricio Macri, que, particularmente, impactou os mais humildes e a economia.

PUBLICIDADE

As principais áreas que preocupam são o endividamento e a perda de produtividade. É por isso que todo o esforço do governo foi colocado em duas questões principais: por um lado, a questão da renegociação de uma dívida externa cujo peso na economia nacional se tornou um problema sério após a forte dívida de curto prazo gerada pela governo anterior; e, por outro lado, a seriedade de uma questão social. O país enfrentou 40% de pobreza, desemprego acima de 10% e inflação de 54% em 2019, o que não produziu explosões sociais como aconteceu no Chile e no Equador porque foi canalizado pela política eleitoral.

O problema é que, sendo tão séria a situação, Fernández sabia que não teria recursos suficientes para uma política expansionista clássica do peronismo, nem com amplas margens de manobra para que a tolerância dos credores e a sociedade esperassem para ver como ele os resolveria. Nesse sentido, o governo sabe que tem pouco a inovar, tensionado entre o certo risco de inadimplência e um surto social ou um sério descontentamento político que pode deslegitimar seu governo e até ameaçar a própria democracia.

Essas duas questões eram hegemônicas na agenda do governo durante esse período, enquanto uma pandemia mundial era apenas especulação de ficção científica. Quando o coronovírus se transformou em uma pandemia, mitigar o impacto da doença global para evitar o colapso do sistema de saúde e a economia já frágil tornou-se prioridade.

Assim, as prioridades da administração estão focadas em “combater a fome e a pobreza” e “reacender a economia”, para a qual é essencial reativar o consumo “colocando dinheiro no bolso das pessoas” e gerando emprego, sem esquecer restrições externas e tentar equilibrar as contas fiscais ou, pelo menos, não torná-las piores. Enquanto isso, paralelamente, preparando as condições para renegociar a dívida, ganhando tempo para chegar melhor preparado para a mãe de todas as batalhas.

A questão social e a dívida serão o que marcarão a administração. Essas são duas questões que claramente pioraram seus indicadores durante a administração anterior e que exigem medidas urgentes. O governo decidiu atacar os dois flancos ao mesmo tempo.

Pela questão social, com uma bateria de políticas de renda indireta e injeção de dinheiro vivo nos setores mais desfavorecidos, tentando não emitir dinheiro, para os quais tinha de aumentar os impostos e pagar a dívida centralizando a negociação no ministro das Finanças, Martín Guzmán, colocando linhas vermelhas no fato de que “os mortos não pagam”, que eles não vão pagar exigindo mais sacrifícios dos setores populares e que leva tempo e apoio para começar a crescer e, assim, cumprir os compromissos.

PUBLICIDADE

Tão central é a questão da renegociação da dívida externa, particularmente os US$ 64 bilhões que devem ser pagos em 2020 que, até que sua situação seja resolvida, a administração do governo parece estar relativamente paralisada. Tudo parece estar esperando a resolução da negociação.

Assim, o Orçamento de 2020 ainda não foi apresentado, a tomada de decisões relacionadas a obras públicas, desenvolvimento de infraestrutura e habitação está atrasada – o que gerou críticas, dentro e fora do país, por não delinear um plano econômico de médio prazo.

Diante dessa situação, o governo se defende dizendo que um plano não pode ser anunciado quando não se sabe quanto dinheiro terá. A administração estabeleceu um prazo de 100 dias para apresentar uma proposta aos obrigacionistas privados e ao FMI, que foi adiado. As negociações continuam, com a apresentação da proposta estimada para abril e seu fechamento em maio. Após meses de negociação, especula-se que poderia ser tudo ou nada.

O presidente deixou claro que a missão de seu governo é aliviar a situação das pessoas mais afetadas pela crise econômica. Por esse motivo, avançou em duas frentes: “colocar dinheiro no bolso das pessoas” e diminuir a inflação. O governo tem sido muito ativo nessas questões, embora os resultados não sejam os esperados.

Algumas medidas

Congelou as tarifas de serviços públicos, transporte e pedágio; manteve controles de capitais estabelecidos por Macri; criou um imposto de 30% sobre os consumos feitos em moeda estrangeira e a compra de dólares. Assim, conseguiu manter a inflação baixa desde janeiro e é provável que em março quebre o piso de 2%, embora os alimentos subam mais do que o esperado.

A taxa de juros caiu; impôs uma moratória para tolerar multas e juros sobre dívidas fiscais e previdenciárias para as pequenas e médias empresas; isentou termos fixos e títulos públicos do imposto de renda financeiro que macrismo havia imposto; relançou o programa Preços Cuidados, incorporando marcas líderes e com maior nível de controle.

Promoveu um plano contra a fome (o Plano Argentina contra a Fome), baseado na entrega de milhões de cartões de alimentos e que levou setores que pararam de consumir laticínios e carne a fazê-lo novamente; e terminou com exceção do IVA sobre alimentos básicos, embora tenha estabelecido descontos para quem compra com o plano do plano contra a fome; pagamento de bônus de emergência para titulares e aposentados da AUH; eliminou o índice de atualização da mobilidade de aposentadoria do macrismo, dando instruções para apresentar uma nova antes dos 6 meses de governo e, ao mesmo tempo, elevando por decreto decretos aos mínimos (menos do que o prometido), com a intenção de aplanar a pirâmide; fixou até junho a dupla indenização por demissão sem justa causa; decretou aumentos salariais de quantias fixas para particulares e públicos, conseguindo conter as reivindicações salariais; decidiu pela redução do preço dos medicamentos e pela devolução do fornecimento de medicamentos gratuitos aos aposentados que cobram o mínimo; redução da taxa de juros e suspensão da cobrança de cotas (que termina agora) dos créditos que a ANSeS concedeu a aposentados e pensionistas durante o macrismo.

O grau de progresso e sucesso de cada medida é diferente. Enquanto o cartão do Plano Argentina contra a Fome está atingindo os mais necessitados, injetando dinheiro que é basicamente gasto em alimentos, o congelamento de tarifas e pedágios do programa Preços Cuidados não conseguiu que os preços se estabilizassem; estes continuam a subir, apesar dos controles. O conselho econômico e social anunciado pelo presidente ainda não foi implementado, e um plano para pequenas obras nos municípios, o Programa Argentina Faz, avança lentamente.

PUBLICIDADE

Sob o argumento de solidariedade, foi aprovada lei que permite aumento de 3 pontos na retenção de imposto sobre a soja, o que levou ao primeiro bloqueio da mesa de negociações com o setor agrícola. Embora não tenha tido o nível de força dos bloqueios corporativos contra Cristina Kirchner em 2008, à medida que a proposta foi gradualmente diminuindo com o passar dos dias e aumento da preocupação com o avanço do coronavírus, é um fato politicamente relevante, já que, com menos de três meses de mandato, o governo Fernández já tem força de um setor radicalizado contra suas políticas.

O setor havia sofrido as retenções quando Macri as impôs novamente, mas agora se alinha com os líderes do PRO, que se juntam aos protestos nas rodovias. Apesar da pressão da mídia, a proposta do governo de segmentar as retenções interrompeu o protesto e a pressão das bases da Federação Agraria pôs fim à medida. Além disso, no contexto da crise e dos esforços para contê-las, a rejeição às retenções ainda não se materializou nos setores intermediários, como ocorrera em 2008.

Nesta linha, também aumentaram as alíquotas do Imposto sobre Automóveis, Motocicletas, Barcos e Bens Pessoais, sendo o aumento mais forte para quem possui ativos localizados no exterior e para quem se beneficiou na administração anterior. Nesse caso, além de perguntas específicas, ninguém poderia interromper a proposta. Da mesma forma, os setores poderosos, sempre que podem, expõem sua rejeição ao governo e pressionam para mudar suas políticas e, neste contexto de crise global, o risco-país argentino disparou para níveis de inadimplência.

Relações com o mundo

O Presidente Fernández fez uma viagem bem-sucedida pela Europa, visitando Espanha, Itália, Alemanha, Vaticano e França, onde obteve apoio político para negociações com o FMI. Ele concedeu asilo político a Evo Morales, que está desenvolvendo a campanha eleitoral do MAS na Argentina e questiona o governo que surgiu na Bolívia.

Embora não tenha retirado a Argentina do Grupo Lima, seus pronunciamentos contra Nicolás Maduro não são tão fortes quanto os EUA esperava. De fato, na conferência virtual dos presidentes do continente como resultado da crise dos coronavírus, ele levantou a voz dizendo que nem todos foram convocados, uma vez que nem haviam se reunido com o presidente da Venezuela ou de Cuba.

Ele ainda não se encontrou com Donald Trump e mantém um relacionamento com Jair Bolsonaro em que tenta canalizar a diplomacia institucional e parlamentar. Embora se depare com a personalidade do presidente brasileiro, que além de fortes declarações, até chegou a fazer provocações geralmente não respondidas pelo lado argentino, a relação entre os países não se deteriorou. Ele tem um relacionamento muito bom com o papa Francisco, a quem visitou, embora seja evidente que a decisão de descriminalização o aborto gerou uma interseção que foi revelada quando a Igreja chamou para se mobilizar no dia da mulher, para a Basílica de Luján, contra o aborto.

Em termos institucionais, restaurou os ministérios da Saúde (uma decisão-chave agora em meio à pandemia), Ciência e Tecnologia, Trabalho e Cultura, além de criar o Ministério da Mulher, Gênero e Diversidade (no que é um dos tópicos do administração) e Habitação, enquanto faz a apresentação da tão promovida Reforma Judicial que limita o poder dos juízes federais.

Congresso da Nação

No Congresso, conseguiu aprovar as leis que promoveu, entre elas a solidariedade com tripla emergência, a sustentabilidade da dívida pública, o corte de aposentadorias privilegiadas para juízes e embaixadores (que gerou uma renúncia significativa dos juízes) e a lei das gôndolas (que ameaça ser uma das ferramentas que o governo usará para conter a especulação).

PUBLICIDADE

O partido no poder conseguiu um bloco unificado, que é maioria em ambas as casas, embora seja mais confortável no Senado, razão pela qual a Câmara exige muito mais negociação. Neste momento, é com os deputados que se concentra o núcleo duro do macrismo, os setores mais refratários a qualquer acordo de governança e são os que tentam não permitir que o Congresso se reúna negando o quórum e até tentando processar uma sessão. A peculiaridade é que essa posição ultra-macrista não foi aceita por todos os membros do Juntos por el Cambio, mas para evitar a possibilidade de uma ruptura, foi a posição dominante nesses 100 dias.

Em termos políticos, apesar das diferenças entre os membros que compõem a Frente de Todos e da dificuldade em implementar políticas kirchneristas clássicas, ele conseguiu manter a unidade dos diferentes e integrá-los a um governo que em muitas áreas parece ainda não ter começado.

A grande incógnita sobre se Cristina Kirchner iria deixá-lo governar foi esclarecida: Alberto Fernández é quem governa, consultando uma Cristina Kirchner que se limita majoritariamente ao Senado e não procura criar tensões. Nesse sentido, observa-se uma boa sintonia entre os três principais atores dessa aliança: Alberto Fernández, Sergio Massa e Máximo Kirchner, que serve para manter o vínculo entre os setores que se reúnem na gestão.

É um governo que busca apoio institucional e até agora não está fazendo diferenças políticas devido à cor política do governante local. Nesse sentido, há contatos permanentes com os governadores, e uma lei de capital alternativa foi apresentada para descentralizar a gestão do governo nacional. Uma estrutura do governo federal ainda não foi formada como prometido, mas as rodadas de consulta são permanentes.

O diálogo é mantido e estruturado com os movimentos sociais por meio do Ministério do Desenvolvimento Social, onde muitos de seus líderes são oficiais, o que facilita o controle da rua, que só está fora de controle com as mobilizações da esquerda trotskista e do ultra-macrismo, principalmente se os sindicatos operários fizerem parte da ideia do pacto social (ainda não realizado) e consultados pelo Ministério do Trabalho. Não é um governo que ainda está promovendo a mobilização popular nas ruas, embora não o negue e isso é uma característica da diferença com o kirchnerismo clássico.

Há uma certa paralisia na gestão governamental e atrasos no processo de tomada de decisão, todos atribuíveis pelo discurso oficial à dificuldade de fechar um acordo com o FMI que permita previsibilidade econômica, embora existam outros que afirmam que essa é a desculpa que esconde as deficiências da administração. É interessante que até hoje ainda existam áreas sensíveis, na segunda e terceira linhas, com funcionários não designados.

Coronavírus

A chegada do coronavírus na Argentina mudou os planos do governo, que foi forçado a agir ativamente, lançando uma série de medidas para combater a disseminação do coronavírus, como fechamento de fronteiras, aeroportos e proibir eventos ou aglomerações, suspensão de aulas, licenças para os setores público e privado para limitar a circulação de pessoas nas ruas, limitações no uso de transporte urbano e medidas econômicas para conter os efeitos no trabalho, consumo e economia local, e outras medidas de assistência como a disponibilização de aviões da Aerolineas Argentina para trazer de volta argentinos ao redor do mundo.

Em síntese

Nestes três meses, a imagem é a de um governo correndo atrás da urgência, sem poder enunciar um plano de médio prazo para além da resolução do conflito da dívida e com uma visão claramente diferente do governo anterior. O foco de suas políticas são os setores mais desprotegidos, no contexto de um mundo tão imprevisível que há pouco mais de um mês ninguém sabia sobre o coronavírus e ninguém imaginava uma guerra (por enquanto simbólica) por causa do petróleo.

Nesse contexto, a crise da pandemia de coronavírus pode ser uma oportunidade para a Argentina, pois a situação é tão grave que mesmo os países centrais estão considerando políticas amplas, heterodoxas e pró-estatais para enfrentar a situação, o que faz com que a rejeição de setores de poder a políticas taxadas de “populistas” seja menor. Isso, por sua vez, também pode ser favorável à renegociação com o FMI e os detentores de títulos, que podem ter margem limitada para rejeitar uma proposta sensata dado o contexto global de incerteza.

Também pode ser uma oportunidade para Aberto Fernández demonstrar sua liderança e uma oportunidade para reunificar setores polarizados. Uma recente pesquisa conjunta de Federico González y Asociados e Raúl Aragón y Asociados constatou que, para 83% dos entrevistados, a avaliação do desempenho do presidente na conferência de imprensa no domingo 15 de março, na qual anunciou o reforço de medidas para combater o coronavírus foi positiva.

Nesta conferência ficou claro para as instituições e a política nacional que o presidente estava flanqueado à esquerda pelo governador de Buenos Aires, Axel Kicillof, e à direita pelo chefe de governo de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, e a mensagem foi simples: de unidade e tranquilidade, sem negar a seriedade da situação. Há um acompanhamento da oposição às medidas do governo e um apoio do governo nacional aos locais para além de seus particularidades políticas.

Assim, esta crise pode finalmente posicionar Fernández como líder político. Até agora, conseguiu unir a política, por um mesmo objetivo, algo sem precedentes, bem como a magnitude do problema pelo qual o mundo está passando, que ainda não sabemos quando acabará.

* Tomas Arias é analista político para América Latina pela XP Investimentos

XP Política