Análise de Notícias Políticas: Alckmin supera mais um

Arthur Virgílio desiste de prévia; política ocupada com a política; Meirelles e Temer sonham com Planalto

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Fato político mais relevante do final de semana: Arthur Virgílio desistiu da prévia com Geraldo Alckmin (http://xp-politica.info/arthu659a). O governador paulista vê mais um adversário ficando pelo caminho que pode leva-lo ao Planalto.

A agenda dos políticos rapidamente se desviou da previdência, mas não para a segurança pública. O que move mentes e corações é a janela partidária e a desincompatibilização. Está aberto o mercado de deputados, no qual os partidos fazem ofertas de recursos e controle de diretórios regionais para atrair quem já tem voto (http://xp-politica.info/verba51db) e (http://xp-politica.info/de14). Enquanto isso Temer já se ocupa da reforma ministerial de abril (http://xp-politica.info/8180). A tramitação de projetos polêmicos fica em último plano.

Em pesquisa encomendada pelo governo ao IBOPE, a criação do Ministério da Segurança teria apoio de 64% da população. Por sua vez, a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro teria aprovação de 84% (http://xp-politica.info/b414). Em comparação, uma pesquisa pública do Paraná Pesquisas registrou apoio de 74% das pessoas à intervenção no RJ. Sejam as críticas pertinentes ou não, hoje são medidas populares.

Os jornais do final de semana também trouxeram ruído. Notadamente a epopeia de Meirelles para se fazer candidato e a manutenção da ilusão eleitoral de Temer. O desafio de ambos, repetimos, é a falta de voto. A melhora da economia não tem sido suficiente para alavancar as respectivas candidaturas. Ainda pesam contra o presidente os escândalos de corrupção.

E quando falta voto, emerge todo tipo de problema. Meirelles vai se despedindo do PSD alvejando Gilberto Kassab (http://xp-politica.info/m5145) e tendo que se explicar a Temer pela declaração de que concorreria com ele ao Planalto (http://xp-politica.info/secf85), apesar de precisar de sua benção se quiser ter qualquer chance de disputar pelo MDB (http://xp-politica.info/afdef). O ministro tentar colocar o presidente em cheque para apoia-lo certamente não é a melhor estratégia (http://xp-politica.info/e9a4).

Por fim, depois de liberar R$ 2 bilhões a prefeitos, Michel Temer estaria sendo instado a cobrar apoio deles a sua candidatura (http://xp-politica.info/81fc). Não haverá apoio difundido a um presidente rejeitado. A fantasia da reeleição continua circunscrita àqueles próximos ao presidente.

Victor Scalet

É analista político e estrategista macro da XP Investimentos, responsável pela pesquisa XP/Ipespe. É mestre em economia e, antes de se juntar à XP, trabalhou por sete anos na área econômica de instituições financeiras.