Discursos Combinados

Alinhar discurso é fácil. Fazer a realidade colaborar com seu discurso, já é mais complicado
Por  Alexandre Aagesen -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O Paradoxo de Creta conta a história de Epiménides. Este diria que era sempre um mentiroso. A partir dessa afirmação você não podia concluir se ele era de fato um mentiroso, o que faria a afirmação ser falsa e, portanto, ele não estava mentindo, então, se era verdade, ele era mesmo um mentiroso. Na noite desse domingo, outro Paradoxo, menos intrincado. Notícias de que caiu um helicóptero. Era do presidente do Irã. Ele estaria dentro. A procuradoria do Irã diz que não, que nenhuma aeronave caiu. Caiu, não caiu, morreu, não morreu. Por via das dúvidas, o exército tomou as ruas de Teerã. Bem, na verdade, o exército não. A guarda revolucionária. A mídia pediu então para ver o presidente vivo. Levou algumas horas, mas como não tinha presidente vivo para mostrar, confirmaram sua morte, a princípio, por acidente. Uma série de ministros, secretários e o presidente juntos. Acidente. Não confunda o presidente com o líder supremo. Ambos são importantes, mas o termo “supremo” te dá uma dica de qual é mais.

Aí você vai para américa. Você marca uma reunião. Combina o discurso. Discute. Treina. Alinha. Todo mundo de acordo? Sim. Certeza? Sim. Ok, então vai lá e fala exatamente o que a gente combinou, tá bom? Tá bom. Tem certeza, Jay? Tenho sim, fica em paz. Não fez, não tinha e não deu paz. Mal acabou o discurso do Powell, já temos vários diretores do Fed desmentindo. Bem difícil. Já se acumulam esse mês o que deve ser um recorde de diretores falando que os juros vão ficar altos. Para essa semana temos mais 20 discursos de diretores planejados. Mercado faz os ouvidos moucos. Parece claro que a vontade real é de corte, independentemente dos discursos.

Tivemos também o Putin e o Xi se encontrando em Pequim. “Meu velho amigo”, dizem. Em entrevista conjunta exaltam a importância da relação China-Rússia para a estabilidade e a paz mundial. Acho que eu vi errado. Onde eles estavam dia 24 de fevereiro de 2022? Onde eles estavam no rolo do território de <DropBox> [Hong-Kong/Tibete/Taiwan/Caxemira/Others]? Bom, “meus velhos amigos”, deixem para lá. Um brinde à estabilidade global!

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Alexandre Aagesen Com mais de 16 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, CAIA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", professor convidado e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page

One Page

“Já tava bom, mas tava meio ruim também, agora parece que piorou”

O Brasil não perde uma oportunidade de perder uma oportunidade. Essa frase não é minha, é do Roberto Campos (Avô). Mas ontem essa frase não saiu da minha cabeça. A gente estava precisando de uma boa notícia. Depois do Non-Farm Payroll da semana passada, o mercado realmente precisava. Puxa, eu precisava. Em dia de FOMC, […]
One Page

Na dúvida, precisamos de um Braço Forte

“Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade”. Assim disse Neil Armstrong, o astronauta, momentos antes de ser o primeiro homem e – até onde sabemos – primeiro ser vivo a pisar na lua. Agora Fernando Haddad tem um desafio ainda maior para a humanidade. Ele pretende apresentar um pacote de […]
One Page

De mal a pior

Nenhum problema nasce grande. Mas se você regar direitinho, ele cresce que é uma beleza.
One Page

Sobre expectativas e bolhas

“Unânime”: consenso total, onde todos os membros de um grupo concordam plenamente, sem discordância. Essa é a definição da palavra. Ontem o BCE votou por um corte de 25 bps. Segundo a Lagarde a decisão foi “unânime, a não ser por um votante”. Bom, então não foi unânime, né Lagarde? 9 em cada 10 dentistas […]
Modi participa de comício em Meerut, na Índia 31/03/2024 REUTERS/Anushree Fadnavis
One Page

Quando a lógica não se sustenta

Vamos partir de uma fórmula simples. a=b. Multiplicando os dois lados por a, temos a²=ab. Agora somamos nos dois lados a²-2ab e chegamos em a²+a²-2ab=ab+a²-2ab, ou simplesmente, 2(a²-ab)=a²-ab. Divida os dois lados por a²-ab e descubra que 2=1. Obviamente existe uma falha importante nessa lógica. 2 não é de fato igual à 1, como imagino […]