Fechar Ads

Barril de Pólvora

John Nash ganharia mais um prêmio Nobel, estudando todos os equilíbrios (e desequilíbrios) que estamos vivenciando agora.
Por  Alexandre Aagesen
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Eu tenho um amigo de 24 anos. Menino de tudo, bonzinho, esforçado. Recentemente ele começou a pintar o cabelo. Não tinha fios brancos nem nada, mas queria o cabelo mais preto mesmo. Problema nenhum, mas ele nega que pinta. Não sei por que faz isso, todo mundo sabe, dá para ver. Me lembra muito o jogo entre os bancos centrais desenvolvidos. Todo mundo tentando cantar de galo (de falcão, no caso) com medo de mostrar que estão doidos para cortar juros. Quem ouve o BC europeu, o Fed ou qualquer outro, acha que vai manter juros altos para sempre. Quem olha com atenção sabe que estamos há – no máximo – 120 dias de um corte, e a discussão na verdade é quantos cortes vamos ter. Por que não fala exatamente isso? Porque se falar, a curva derrete e o efeito dos juros é minimizado, eu sei. Então vamos assim, um PCE mais fraco (rodando em 2.5% yoy), um PMI mais forte, um discurso mais duro e hoje um Jolts para colocar pimenta. Segundo ele mesmo, é para o emprego que o Powell está olhando. Bom, Suíça cortou primeiro, quem será o segundo?

E falando em segundo, Erdogan deve ter engasgado por um segundo ao ver seu candidato em segundo, para a prefeitura de Constantinopla – digo, Istambul. O cara que mais flerta com a autocracia na Turquia desde… é, na verdade tem sempre alguém por ali com esse flerte, vai. De qualquer forma, o cara perdeu a principal cidade do país e o que acontece? O povo sai às ruas para comemorar e a Lira sobe (de novo, não o Arthur, a moeda turca – ainda não foi fundado o centrãomenistão). Nem o mercado nem o povo turco é muito fã do Erdogan. Ali perto, na Síria, tivemos ontem um ataque na embaixada iraniana. Calma, tem uma embaixada do Irã em território sírio. “Alguém” fez um ataque, que matou Mohammad Reza Zahedi, líder da Guarda Revolucionária do Irã, que estava em Damasco. Existe consenso de que foi um avião israelense, mas até aqui não houve confirmação pelo comando de Israel. Você pode imaginar como a região está tranquila.

Do lado de cá, curva pra cima, bolsa pra baixo, dólar pra cima e você sabe como é. Atividade mais forte nos EUA, com comentários mais duros, fazem isso mesmo. Dólar disparou e o BC vai fazer um leilão de 1 bilhão (com B de “Bob Fields”) de dólares “para fornecer liquidez” ao mercado. Fazia mais de um ano que não rolava leilão de swap. E falando em derivativos, ontem saiu a primeira opção de FII da história do Brasil: uma put spread pra hedgiar a posição de um investidor num single name. Muito legal, e parabéns a todos envolvidos nesse desenvolvimento, principalmente Mateus, Renan e Aline, na ponta. O mercado acabou de ficar um pouquinho mais completo. Use-o com responsabilidade.

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Alexandre Aagesen Com mais de 15 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", host do podcast "Mercado Aberto" e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page

One Page

Aniversários

Os acontecimentos que fazem aniversário (vários), o que muda no tempo (pouco) e as coincidências que permanecem (muitas).
One Page

Dados melhores, mercado pior

Olhe para um lado. Olhe para o outro. Tente entender o que te atropelou. Falhe miseravelmente. Ok, você segue no jogo? Boa, então bora lá. Ontem o Ibov caiu só 0.17%: Fortuna Major! Gigante. Brasil virou Suíça. Depois da pancadaria dos últimos 6 pregões, agora apanhou pouco. Motivo para comemorar e muito! Sem dúvidas acabou, […]
One Page

PLDO fez preço, mas menos do que você pensa

Se alguma vez você participou de um processo orçamentário – particularmente numa cadeira de Finance – você deve ter o sentimento de que participou de um a mais do que gostaria. No meu caso, entre 2011 e 2021 eu participei de 10. São chatos, trabalhosos, sub-ótimos em termos de precisão e politicamente desafiadores. O único […]