Testamos: Jaguar F-Pace SVR, um SUV com motor V.8 “raiz”, mas conforto de carro de luxo

O F-Pace é aquele SUV “TOP”, líder da sua categoria e o carro que chega chegando por onde passa
Por  Raphael Galante
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caros leitores, digníssimas leitoras,

Uma das poucas vantagens que a gente tem nesses mais de 20 anos no setor é conseguir acesso a alguns veículos para “testar”. Na real, isso serve para mostrar que, às vezes, o pessoal da indústria automotiva não bate bem da “caixola”.

Afinal de contas, colocar na mão do estagiário um veículo de quase R$ 800 mil é a mesma coisa do que dar uma metralhadora para um macaco…

Ou seja: vai dar ruim!

Nesse cenário, os britânicos da Jaguar-Land Rover (eu sei que o dono é indiano e o presidente da marca aqui no Brasil é franco-suíço), com toda polidez tradicional, nos emprestaram uma das “joias da coroa”: o Jaguar F-Pace SVR.

Dando início a nossa epopeia: quando fomos retirar o veículo, já começamos a sentir as primeiras diferenças ao guiar o carro.

Em primeiro lugar, esqueça aquele papo de carros híbridos/elétricos ou com motores 3 cilindros. No caso do Jaguar F-Pace SVR, estamos falando de um veículo “RAIZ”, com motor V8 Supercharger 5.0 de 550 cavalos de potência.

Isso quer dizer que a delicadeza passou longe daqui: brutalidade total no ronco do motor! Por onde ele passava era como se estivesse tocando uma das trombetas do apocalipse! O F-Pace é brutal, raiz… fez até crescer pelo no peito do estagiário metrossexual.

Após o frenesi inicial, caiu a ficha do estagiário! “Meu, é um carro V8 5.0! Esse trem deve beber mais que Opala! Minha bolsa-auxílio não vai dar para pagar gasolina nem pra chegar na esquina”. Logo ele, que sempre aloprou os “opaleiros”…

E então aconteceu a primeira grata surpresa! Sendo um V8, rodamos quase 600 km entre: uso urbano (40%); estrada (45%) e atoleiro (15%). E fechamos com uma média de 7,2 km/litro. O que – para um veículo V8 – foi excelente (com o Opala, essa contaria daria uma média de 1 a 2 Km/litro).

Devidamente recomposto dos sustos, fomos testar o que o F-Pace entrega. O que fizemos? Já botamos o carro para rodar um primeiro percurso: São Paulo -> Atibaia (Pedra Grande) -> Bragança Paulista -> São Paulo.

O conceito inicial era: ele é um SUV (Sport Utility Vehicle), ou seja, tinha que colocar no meio do mato/trilha/barro para ver como se comportava. Afinal de contas, não é toda hora que a gente tem um brinquedo de R$ 800 mil na mão.

Segundo o pessoal da Jaguar, o carro faz de 0 a 100 km/h em apenas 4 segundos! Fizemos o teste no sentido Atibaia e, sim, o carro literalmente “avoa”.

Um dos grandes problemas é que, devido a todo o processo de estabilidade, isolamento acústico, mecânica, entre outros, o F-Pace é um carro que que você não o sente ir… o que isso quer dizer?

Quer dizer que, quando você está dirigindo, poderá ir de 100 a 150, 180, 200 km/h, num piscar de olhos sem perceber. E é aí que reside o perigo! A viagem até Atibaia, que demoraria uns 50 minutos, foi feita em menos de 40…

Terminada a primeira parte de estrada, metemos o carro numa estradinha de terra bem ordinária! Decidimos levar o F-Pace às alturas: 1.418 metros de altitude.

Fomos até a Pedra Grande, em Atibaia, ver onde os picapeiros levam o pessoal para fazer salto de paraglider e/ou asa-delta. A estradinha é fácil, mas super chatinha, ainda mais com chuva. Os principais veículos que vão para lá são as picapes. Mas decidimos levar o F-Pace para tomar um banho de barro!

A estrada barrenta foi super moleza para o F-Pace… nos sentimos o próprio Morgan Freeman em “Conduzido Miss Daisy”, de tão fácil que foi chegar ao cume da montanha. Afinal de contas, com o motor V8 5.0, rodas de 22” e todos os ajustes que você faz no carro (na suspensão, por exemplo), a subida foi um passeio.

E realmente foi o carro que facilitou: no meio do caminho, passamos por dois abestados (um num Fiat/Idea e outro em um Hyundai/HB20) que ficaram (atolaram/bateram) pelo caminho. O único lado chato da nossa viagem foi ficar quase duas horas parados para a remoção de arvores que haviam caído na estrada (para vocês terem uma noção de como a estrada estava zoada)…

E lá no alto do parque, sempre vale o visual:

Além de mostrar que é (realmente) um SUV “RAIZ”, o conforto interno é também coisa de outro mundo: a começar pela tela interativa de 12,3” (do motorista) e 11,4” (console central); os assentos no melhor estilo “cadeira gamer”; o revestimento dos bancos; além do acabamento interno e isolamento.

Enfim… o F-Pace é aquele SUV “TOP”, líder da sua categoria e o carro que chega chegando por onde passa! E o “plus adicional a mais” para o estagiário, foi que ele ficou até mais bonito!

E aí, o que achou? Dúvidas, me manda um e-mail aqui.

Ou me segue lá (onde sou menos perdido) no FacebookInstagramLinkedin e Twitter.

Calcule os custos para ter um carro
Baixe uma planilha gratuita que compara os gastos de um automóvel com outras opções de mobilidade:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Raphael Galante Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.

Compartilhe

Mais de O mundo sobre muitas rodas

O mundo sobre muitas rodas

Os vários “Brasis” dentro do Brasil

Quando falamos do mercado automotivo brasileiro, independentemente do setor, sempre temos que ter em mente que existem vários “brasis” dentro do Brasil. Num país continental como o nosso, não temos aquela verdade absoluta. E, neste singelo post, vamos tentar mostrar algumas das principais diferenças