Locadoras salvam o mês do setor automotivo em maio

Este mês serviu apenas para “diminuir” o prejuízo, porque o tombo está mais do que concretizado, uma vez que o caminho até o final deste ano será longo
Por  Raphael Galante -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caros leitores, digníssimas leitoras,

Encerrado o mês de maio, trazemos novidades para o setor automotivo.

O primeiro ponto a se comemorar é que as vendas de veículos novos (automóveis e comerciais leves) encerram o mês com quase 175 mil carros vendidos!

Isso representou um crescimento de 28% sobre o mês de abril, quando vendemos pouco mais de 136 mil carros.

O lado “mais melhor de bom” da história é que esse é o quarto mês consecutivo de crescimento nas vendas:

Ou seja, houve um acréscimo de 39 mil carros de um mês para o outro.

Guardem esse número na cabeça.

E o que se destacou neste mês?

O grande destaque do mês foi a septuagenária Volkswagen, que vendeu mais de 24 mil carros. Ela registrou crescimento nas vendas de 156% sobre abril, quando vendeu menos de 9,5 mil carros, sendo aquele mês o pior resultado da marca (em market share) da sua história!

No mais, quase todo mundo registrou crescimento e se deu bem em maio.

Pela ordem, temos: Citroën – 142%; Peugeot – 88%; Nissan – 82%; Mitsubishi – 64%; Hyundai – 37%; GM – 19%; BMW – 17%; Fiat – 13%, e por aí vai…
Dentro das marcas de volume, somente a Renault registrou retração, de 9%.

E aí, o resto é tudo firula: o Fiat “pato” Strada foi e continua sendo o carro mais vendido no mercado brasileiro; o Hyundai HB20 é o segundo carro mais vendido e líder da sua categoria e mais um monte de blá, blá, blá…

Agora, entrando naquela parte do texto com a nossa visão “rodrigueana” de ser (a vida como ela é), vamos aos pormenores:

Apesar de o mercado mostrar uma certa recuperação neste mês, ele continua a sangrar! Esse foi o melhor mês do ano, mas, mesmo assim, inferior ao resultado de maio de 2021.

Neste ano, temos a venda de 683 mil veículos contra 837 mil sobre o período de janeiro a maio de 2021. Ou seja, queda de 18,4%.

Este mês serviu apenas para “diminuir” o prejuízo. Mas o tombo está mais do que concretizado, uma vez que o caminho até o final deste ano será longo.

Se a gente quiser “empatar” o resultado deste ano sobre o ano passado, teríamos que ter uma venda média de quase 185 mil veículos mês, de agora até o final do ano.

O que nunca ocorrerá!

Mas aí você deve me perguntar: “ô estagiário…. maio teve quase 175 mil carros vendidos… será que daqui para a frente a gente não consegue chegar nos 185 mil que você apontou?”

Então… o grande destaque desse mês foi as locadoras terem ido às compras!

Nas nossas contas, elas arremataram no mês de maio algo próximo a 35,5 mil veículos.

Lembra que o crescimento nas vendas de abril para maio foi de quase 39 mil carros? Então, em linhas gerais, foram as locadoras as responsáveis por esse cenário!

A grande dúvida deste vil estagiário é saber se elas foram às compras devido à sua fome/necessidade ou então se elas compraram todos esses veículos na bacia das almas!

Na dúvida, ficamos sempre com a segunda opção.

O ponto central é que as locadoras responderam por mais de 20% das vendas de veículos novos no mês de maio. Elas irão continuar nesse ritmo até o final do ano ou foi uma compra sazonal?

A situação do mercado continua complicada. O mercado de usados travou. Os bancos (crédito) decidiram não brincar mais no play, pegaram sua bola e subiram para seus apartamentos – e agora só jogam Fifa no seu PS5.

Lembram que falamos que o crescimento nas vendas no mês de maio foi de 28%? Ele foi motivado pelas vendas diretas que as montadoras fizeram.

As vendas diretas cresceram quase 50% sobre o mês de abril. Os dados deste mês estão altamente inflados por causa das vendas diretas (vulgo “locadoras”).

Lembram também que o grande destaque do mês de maio foi a Volkswagen, com crescimento de 156%? Ele não foi por causa das “campanhas de mídia” que a marca fez. Ele aconteceu devido ao volume de vendas feitas diretamente pela montadora.

Em abril, a VW vendeu pouco mais de 1,3 mil carros diretamente. Já em maio, registrou um crescimento de “somente” 875% na modalidade de venda direta, com mais de 13 mil veículos vendidos. Ou seja, 54% das vendas foram realizadas desse modo.

Esclarecimento: venda direta é todo veículo que foi comercializado, em que no campo do vendedor do produto na nota fiscal aparece o CNPJ da montadora, não de uma concessionária. A concessionária “pode” participar da venda, quando ela faz a venda para pessoas como: produtor rural; pessoas com deficiência física; pequenos-médios empresários; frotista; LOCADORAS, entre outros. No nosso levantamento (dos 35,5 mil veículos para locadoras) não levamos em consideração as vendas diretas para pessoas físicas; entre outros. As vendas diretas no mês de maio totalizaram quase 82 mil carros comercializados.

E aí, o que achou? Dúvidas, me manda um e-mail aqui.

Ou me segue lá (onde sou menos perdido) no FacebookInstagramLinkedin e Twitter.

Calcule os custos para ter um carro
Baixe uma planilha gratuita que compara os gastos de um automóvel com outras opções de mobilidade:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Raphael Galante Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.

Compartilhe

Mais de O mundo sobre muitas rodas

O mundo sobre muitas rodas

Os vários “Brasis” dentro do Brasil

Quando falamos do mercado automotivo brasileiro, independentemente do setor, sempre temos que ter em mente que existem vários “brasis” dentro do Brasil. Num país continental como o nosso, não temos aquela verdade absoluta. E, neste singelo post, vamos tentar mostrar algumas das principais diferenças