CAOA-Chery – Quando o raio cai três vezes no mesmo lugar!

Primeiro bimestre do ano, mostra a retomado do crescimento para TODO o setor automotivo. Marcas tradicionalíssimas como a VW estão se destacando! Mas há indícios de que caiu um novo raio no setor automotivo.

arrow_forwardMais sobre

Encerrou-se o mês mais curto do ano; guardamos as fantasias de carnaval e, agora sim, o ano começa para valer no Brasil!

Mas, para o setor automotivo, o ano começou efetivamente no primeiro dia do ano.

Parece que, depois de alguns anos – sendo mais chutado do que cachorro morto –, o pessoal decidiu recuperar o tempo perdido!

PUBLICIDADE

O mês de fevereiro encerrou com 151,7 mil carros vendidos, um crescimento de 14,6% sobre o mesmo período do ano passado (132,4 mil carros vendidos). Neste primeiro bimestre foram 327,2 mil carros vendidos contra 275,9 mil sobre o primeiro bimestre do ano passado – crescimento de 18,6%.

Quem tá crescendo?

Pegando o TOP 12, a vovó VW – depois de fazer uma lipo; colocar botox (uma recauchutagem, mesmo) –, redescobriu a vida! Com quase 38% de crescimento nas vendas, o sucesso do Polo, Virtus; o aumento nas vendas de fevereiro por causa da Amarok e o novo Tiguan batendo aí na porta, deverá ser a” SEGUNDA” marca que mais vai se destacar neste ano.

01_03

Da mesma forma que a Renault com o seu Captur/Kwid e a Nissan com a sua Kicks.

Mas qual será a marca de maior destaque deste ano??

PUBLICIDADE

Bem, amiguinhos… Eu sou santista e Santista. A gente sabia que o raio tinha caído duas vezes lá na Vila Belmiro: primeiro, foi o Pelé, e depois o Neymar.

Aqui no setor automotivo parece que “o mesmo raio” caiu pela terceira vez. A marca que eu apostaria um picolé de limão seria a chinesa Chery!

Oi?

Vamos lá:

Aqui no Brasil a marca é representada pelo nome: CAOA-Chery. E aí está “O MESMO RAIO” caindo pela terceira vez. O pessoal mais novo aqui do escritório – que ainda nem tem pêlo na cara – e como eles não são de humanas (por isso que eles trabalham aqui e não vendem miçangas), não sabe nada da história. E qual é ela?

O ponto aqui é o CAOA. Ele seria como “Midas”. O primeiro “toque de ouro” dele foi lá em 1992,  quando era o representante da Renault no Brasil. Ele fez o negócio crescer e girar de tal forma que a Renault decidiu montar operação aqui no Brasil.

Quando o mercado (1996~1997) vivia um boom, marcas coreanas (Daewoo e Daihatsu) vieram para cá, até que rolou a crise asiática (os tigres asiáticos – na época – viraram gatinhos e essas duas empresas praticamente faliram) e, então em 1999, em plena crise brasileira – Maxidesvalorização – eis que surge a CAOA-Hyundai. E a Hyundai só é o que é aqui no Brasil por causa dele. E esse foi o segundo raio, ou o segundo toque de ouro.

Então, no fim do ano passado, o grupo arremata parte da fábrica da Chery e cria o grupo CAOA-Chery.

O que isto impacta? Neste primeiro bimestre, a Chery registrou crescimento de 242,65% nas suas vendas! E, isso, porque o grupo CAOA ainda não está operando 100%. Com a chegada dos novos veículos agora para abril/maio e com todo know how do grupo e, principalmente, capilaridade, a marca tende a estourar.

Logicamente que não estamos avaliando as práticas “heterodoxas” de administração que o grupo pratica. Mas aí, isso já é outra história!

Para finalizar, o ano está sendo foi ótimo para todo mundo!

O pessoal de caminhões e ônibus vendeu 10,9 mil veículos neste bimestre, contra 6,9 mil sobre o primeiro bimestre do ano passado – crescimento de 58%.

E o mercado de duas rodas, com 140 mil motocicletas vendidas entre janeiro e fevereiro, está com crescimento de 9% sobre o mesmo período do ano passado. Parece – que depois de 6 anos – o mercado vai finalmente se recuperar (batendo na madeira).

E o mercado de usados continua bombando! Em fevereiro foram quase 755 mil carros vendidos, que no ano deu um volume próximo de 1,62 milhão de carros contra 1,54 milhão sobre o primeiro bimestre de 2017. Crescimento de 5,7%

 

E ai, o que achou? Dúvidas, me manda um e-mail aqui!

Ou me segue no Facebook aqui

Raphael Galante

É economista, trabalha no setor automotivo há 14 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.

Leia também