A DERROCADA DOS CARROS POPULARES: SERIA O INICIO DO FIM?

Participação nas vendas dos carros populares está em franca queda!

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

O carro popular, o 1.0, o 1.000 cilindradas, o pé-de-boi; completa 25 anos! E nestes 25 anos, entra em franca derrocada…

O início deste post começou com um trabalho que fizemos para saber quem ganha ou perde neste ano.

O mercado automotivo está com retração média de -8,75%, mas alguns nichos de mercado estão em posição contrária! Um dos subsegmentos que cresce fortemente nas vendas são os de furgões pequenos, como o Fiat/Fiorino, Peugeot/Partner e Renault/Kangoo.

Na verdade, estes veículos tornaram-se “herdeiros” da falecida VW/Kombi. O segmento de furgões pequenos apresenta crescimento neste ano de 186,75% sobre o mesmo período do ano passado. OK, concordamos que este nicho de mercado foi o “nosso ponto fora da curva”. Mas, mesmo assim, o pessoal da FIAT agradece!

Tirando estes, o que tivemos de variação positiva ficou por conta dos Sedan pequenos (Ex.: Hyundai HB20S; GM/Cobalt; Renault/Logan e Fiat/Siena). De fato, os Sedan pequenos, no nosso conceito, são o “terceiro” degrau do processo de ascensão do consumidor de carros. Em geral, temos como “veículos de entrada” os populares, em seguida os Hatches pequenos e depois os Sedan pequenos.

A linha de Sedan pequenos, mostra o processo evolutivo do comprador de carros.  Além disso, o segundo degrau, (hatch pequeno) está com retração média de apenas -0,34%, num mercado com retração de quase -9%.  Já o primeiro degrau – o de carros populares – está com queda nas vendas de incríveis -29,5%. É o pior subsegmento dentre todos.

O gráfico abaixo, mostra como evoluiu cada subsegmento nas vendas deste ano, sobre o mesmo período do ano passado.

 

 

            O crescimento nas vendas dos Hatches ou Sedan pequenos está em trajetória oposta dos veículos populares. De fato, os veículos “pé-de-boi”, tiveram início em 1990.  Levando-se em conta o momento político-econômico que tivemos nos anos 90, o carro popular teve o seu papel de importância, onde atingiu o seu apogeu no ano de 2001; quando os carros populares representaram 58% do total de veículos vendidos.

            Com o boom econômico que vivemos no período de 2002 até 2010, tivemos a ascensão das vendas dos Hatches pequenos e dos Sedan pequenos, além dos outros subsegmentos. Já em 2014, os carros populares correspondem por 26,4% das vendas. O menor resultado dos últimos 21 anos! O que vivemos, atualmente, é a derrocada dos carros populares. Talvez, do ponto de vista do consumidor, seja excelente: foi-se o “pé-de-boi” e entram os carros melhores (!?!?).

            Lógico que o carro popular não será descontinuado! Mas tenderá a ter uma participação menos relevante nas vendas de veículos. Algo próximo entre 15% a 20% das vendas. O ponto a se acompanhar é como algumas montadoras (focadas neste nicho de mercado) passarão por esse processo de transição. Mas não será desta vez o fim da “jabuticaba brasileira”.

 

Raphael Galante

Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.