A bolha do setor automotivo brasileiro – o bobo, o esperto e o malandro

As vendas diretas crescem de forma assustadora. Com isso, o principal ativo (o carro) vem se desvalorizando cada vez mais rápido. O hiato entre o preço de compra e venda nunca esteve tão grande
Por  Raphael Galante -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caros leitores, digníssimas leitoras: na semana passada, o vice-presidente da Toyota (Miguel Fonseca) reclamou do excesso em venda direta realizada pelas montadoras (aqui).

Pois esse tema foi motivo de diversos posts por aqui, como: Setor automotivo tem sobrevida graças aos incentivos fiscais; Como a República de Belo Horizonte salvou as vendas de carros no Brasil e O “alto” preços dos carros e o jeitinho brasileiro.

Mas como a reclamação veio da Toyota, quer dizer que a situação já deve ter ligado o sinal amarelo em várias montadoras, mas somente para as que “quase nunca canibalizam” seus preços, como por exemplo Toyota e Honda.

O ponto central é que essa venda direta realizada por boa parte das montadoras está começando (na verdade já começou) a criar uma bolha no setor. Temos que considerar que o carro é um ativo (principalmente para os bancos que realizam a alienação fiduciária do veículo) que vem, a cada período que passa, desvalorizando cada vez mais rápido!

A nossa visão é que carro não é um ativo. É um bem de consumo como um celular. Compre, use e jogue fora (no meu caso, ainda posso repassar para os meus filhos menores).

Vamos ilustrar? Tendo como exemplo, o hatch mais vendido: Onix.

Usando o Onix Joy, que a GM divulga ao preço de R$ 46.590. Esse carro – em geral – é transacionado com um desconto de 6,5% –  R$ 43.542 (segundo a FIPE) e a versão com dois anos de uso (novamente segundo a FIPE), está sendo vendida a R$ 34.834 – 25% de deságio sobre o valor de face.

Esse deságio (de 25%) seria mais ou menos como o mineiro:

“…tá bom, mas tá ruim…”

Pessoalmente, temos grande admiração pela tabela FIPE – acreditamos que foi uma das poucas coisas acertadas que o Fernando Haddad fez na vida.

Mas ela tem um grande problema: só reflete o preço de venda do carro, não o preço de compra. Para o pessoal do mercado financeiro, imagine ficar sem saber o preço de compra/venda do dólar? Então… a tabela FIPE só publica o de VENDA.

Mas aí o arquirrival da FIPE – a FGV – criou (junto com a AUTOAVALIAR) o preço de compra dos carros (aqui). Preço de compra praticado pelos lojistas e concessionárias.

Afinal de contas, a gente tinha apenas o preço de venda. Quando o lojista/concessionário compra o carro ele precisa pagar: o ICMS do carro usado; dar (no mínimo) três meses de garantia; fazer a revisão do carro; além dos gastos com a preparação dos veículos; salário do vendedor; marketing; custo financeiro; giro do modelo; sem considerar o ganho do empresário.

Então a nova tabela AUTOAVALIAR/FGV mostrou para nós que o buraco está bem mais lá embaixo.

No caso do ONIX JOY – em média – o lojista/concessionário vai pagar R$ 27.407, ou quase 42% abaixo do preço do zero, com apenas dois anos de uso.

E o conceito é o mesmo se pegássemos um dos SUV mais vendidos (Jeep Renegade): o preço anunciado pela montadora é de quase R$ 90 mil. Em dois anos, você vende ele com um deságio de 44,39% ou por R$ 50 mil.

A tabela a seguir mostra mais ou menos essa oscilação:

ONIX JOY PREÇO V% SOBRE PREÇO SUGERIDO
PREÇO SUGERIDO PELA GM R$ 46.590,00
PREÇO REAL DE VENDA – FIPE R$ 43.542,00 -6,54%
PREÇO DA VERSÃO 17/17 – FIPE R$ 34.834,00 -25,23%
PREÇO DA VERSÃO 17/17 – FGV R$ 27.407,00 -41,17%
RENEGADE SPORT PREÇO V% SOBRE PREÇO SUGERIDO
PREÇO SUGERIDO PELA JEEP R$ 89.990,00
PREÇO REAL DE VENDA – FIPE R$ 86.381,00 -4,01%
PREÇO DA VERSÃO 17/17 – FIPE R$ 67.513,00 -24,98%
PREÇO DA VERSÃO 17/17 – FGV R$ 50.041,00 -44,39%

E por que o caboclo aqui pensa que estamos numa bolha? Elementar, meu caro Watson!

O preço de tabela do Renegade é R$ 90 mil. Mas esse preço só existe para pouquíssimas pessoas – só aquelas que ainda não perceberam que as montadoras criaram uma filial do “red market district” de Amsterdã para o nosso mercado automotivo.

O melhor na história da humanidade é a capacidade do ser humano em “criar jeitos” para contornar situações complicadíssimas. Foi assim quando inventaram o cinto de castidade 2 mil anos atrás. Só demorou um dia para conseguirmos burlar o sistema.

As montadoras, quando vendem o veículo direto ao consumidor, o fazem para diminuir a carga tributária do carro, seja fazendo a venda para uma pequena empresa (PME); Produtor Rural ou para um deficiente físico (onde uma lei “mal redigida” fez criar a indústria do PCD). Com uma carga tributária menor, esse “desconto” é repassado aos consumidores que pagam o valor integral.

O bobo sempre vai se dar mal! O esperto pensa que está fazendo um grande negócio, até que chega o MALANDRO (locadoras) e derruba o preço do mercado.

Vejam os balanços das locadoras. A sua principal receita não vem mais da sua operação fim (que é locar os veículos), mas sim da transação entre compra e venda do carro.

A maior moeda na comercialização do carro novo (por exemplo) é o carro usado! Se o carro usado com dois anos tem uma defasagem de quase 50% sobre o novo, a percepção de perda do poder de compra pelo consumidor (além do aumento da sua frustração) é impactada na hora, o que deverá retardar ainda mais a renovação do seu veículo.

Os bancos que financiam esses veículos estão vendo a sua garantia virar pó! Lógico que banco nunca perde… hoje o prazo médio de financiamento é de 42 meses, e nesse cenário, alongar esse prazo para 50 ou 60 meses (que geraria uma grande mudança na demanda e oferta de carros), nunca irá acontecer! É mais fácil acabar com as queimadas da Amazônia, do que termos o alongamento dos financiamentos (além da mudança nos carros não financiáveis – aqueles com mais de 08 anos).

E as montadoras?

São iguais a dependentes químicos! Uma vez “viciado”, precisam vender cada vez mais, para saciar o seu vício.

A venda direta na última década mais que dobrou. Em 2009, fechou com participação de 21%. Hoje (mês de agosto), está em 46% e, em algum mês até o final do ano, deve bater em 50% – como disse o vice da Toyota.

ANO PART. % DA VENDA DIRETA SOBRE O TOTAL
2011 26,73%
2012 24,48%
2013 24,48%
2014 28,60%
2015 28,21%
2016 33,34%
2017 39,13%
2018 42,29%
2019 44,12%

Tem solução? Lógico que tem! Mas não é fácil. Vai ter que ser uma porrada logo de cara; rolar um MEGA sofrimento no começo para depois ver como vamos viver.

Quando vai acontecer? Enquanto todo mundo estiver tampando o sol com a peneira (ou empurrando com a barriga), nunca!

Para quem insiste em comprar carro agora… provavelmente vai comprar para Pessoa Jurídica se tiver empresa; aproveitar aquela chácara que só te dá prejuízo para virar um “Produtor Rural”, ou ver se você (ou algum parente que dependa de você como condutor) não é elegível para virar um PCD.

Na dúvida entre comprar carro? Não deixe seu dinheiro parado enquanto isso: abra uma conta de investimentos na XP – é de graça!

 

E aí, o que achou? Dúvidas, me manda um e-mail aqui!

Ou me segue no Facebook aqui; Instagram aqui; Linkedin aqui ou Twitter aqui.

=)

Raphael Galante Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.

Compartilhe

Mais de O mundo sobre muitas rodas

O mundo sobre muitas rodas

Os vários “Brasis” dentro do Brasil

Quando falamos do mercado automotivo brasileiro, independentemente do setor, sempre temos que ter em mente que existem vários “brasis” dentro do Brasil. Num país continental como o nosso, não temos aquela verdade absoluta. E, neste singelo post, vamos tentar mostrar algumas das principais diferenças