Que lições do 3G Capital podemos aplicar em nossos investimentos?

O grupo de empresários brasileiros mais bem sucedido da atualidade, o 3G Capital, seguiu um certo padrão na administração de seus negócios. Saiba qual foi esse padrão, e como isso pode ser aplicado nos seus investimentos pessoais.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Para quem acompanhou a brilhante e inspiradora trajetória de sucesso do 3G Capital, composto pelo famoso triunvirato de Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles, sabe que o império construído em mais de 4 décadas teve como pilares de sustentação algumas regras que são seguidas rigorosamente até mesmo nos dias de hoje.

Muita dedicação, foco e disciplina certamente fazem parte da história de sucesso da maioria dos grandes empresários, mas 3 pontos em especial são características principais dos atuais controladores da AB Inbev, Lojas Americanas, Heinz e Burguer King. Apesar de essas regras serem originalmente aplicadas nos negócios físicos das empresas, é possível trazê-las para o mundo dos investimentos, mesmo que metaforicamente em alguns casos. Assim, esses pontos são os seguintes:

1)      Mantenha-se rodeado de gente boa:

Essa sem dúvida alguma é uma das principais regras do grupo. Não é à toa que todo o ano mais de 70 mil pessoas tentam entrar na principal empresa do grupo e somente pouco mais de 20 são aprovadas.

Nesse sentido, no mundo dos investimentos é possível – embora as vezes seja muito difícil, como em qualquer área – encontrar bons profissionais que possam auxiliar o investidor a alcançar os melhores resultados, e por isso os bons devem ser mantidos e recompensados, ao passo que os ruins devem ser dispensados. Não há nenhum segredo nisso a não ser a velha regra de mercado na qual somente os melhores prevalecem.

Em outras palavras, é importante encontrar sempre os melhores profissionais para fazer parte da sua equipe. Investir nos melhores gestores de fundos ou nas empresas mais bem administradas chega a ser óbvio, mas mesmo assim muita gente acaba não seguindo essa premissa básica.

2)      Elimine rigorosamente os custos:

Para o investidor de ações como o daytrader, como se sabe, a corretagem sem dúvidas é o maior peso da equação, contudo essa regra não vale necessariamente para todos os investidores.

Aqui mais importante que cortar apenas os custos supérfluos e operacionais, o maior vilão costuma estar escondido e trata-se justamente do tempo. Boa parte dos investidores tem como principal fonte de renda a sua profissão e não os seus investimentos e essa deve ser portanto apenas sua atividade secundária. Para quem está buscando um planejamento patrimonial financeiro e que realiza raras trocas nas posições de sua carteira de investimentos, o custo de corretagem será simplesmente irrisório. O custo de uma má escolha em alguns casos pode ser bem mais prejudicial à carteira do que a economia em corretagem.

Por isso, enxugar os custos de um bom assessor, consultor ou analista para investir sozinho nem sempre pode ser uma alternativa financeiramente viável e inteligente, principalmente porque o tempo dispendido na frente do home broker poderia ser mais bem gastos em sua atividade profissional e potencialmente lhe dariam maior retorno.

É evidente que os investimentos devem passar por um acompanhamento periódico, mas a ajuda de um bom profissional, como citado na primeira regra pode custar bem mais barato que a tomada de uma decisão incorreta, por exemplo.

3)      O simples é sempre a melhor solução:

Essa última regra é sem dúvida a mais comum de se encontrar. Em busca de um “investimento perfeito” que supostamente não dê margem para erros e ainda apresente elevados ganhos, muitos investidores se perdem em um mar de complexidade financeira, estratégica e mesmo operacional.

A verdade é que muita coisa simples e funcional já existe e está aí na nossa cara a todo o tempo. Sem muitos segredos, desde que tenhamos disciplina e foco, basta seguir as ideias já batidas de: i) um investimento de longo prazo; ii) diversificado; iii) em linha com nossas expectativas e perfil de risco; e iv) acompanhado de uma poupança periódica para se alcançar o sucesso financeiro no final da longa jornada.

Infelizmente por mais que procuremos não existe algo como um “segredo para o sucesso”, entretanto algumas regras ou premissas como as 3 acima utilizadas pelos empresários brasileiros de maior sucesso podem nos servir ao menos como guia. E você? Já pratica alguma delas? Ou mesmo pratica algo mais além disso?

Felipe Medeiros