Existe risco de recessão nos EUA?

Desde a crise financeira de 2008, os analistas têm se debruçado em adivinhar a próxima crise. Não deixam passar o menor sinal. Estão traumatizados porque não acertaram a última grande queda. O tema principal agora é que os EUA estariam entrando em uma recessão. É verdade?
Por  Livia Mansur
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Desde a crise financeira de 2008, os analistas têm se debruçado em adivinhar a próxima crise. Não deixam passar o menor sinal. Estão traumatizados porque não acertaram a última grande queda. A mentalidade agora é:  “Não posso perder a próxima crise, então preciso considerar todos os cenários possíveis e imagináveis.” Essa mentalidade contribuiu para uma narrativa negativa. —”Em qualquer indicador posso, com uma dose de criatividade e pessimismo, concluir que caminhamos para recessão”.Por definição, os chamados “black swans” (cisnes negros) do mercado financeiro são eventos imprevisíveis, pouco prováveis e de grande impacto. É verdade, uns conseguem prevê-los e ficam sob os holofotes da mídia. Os analistas da crise estão sempre a espreita pregando revés dos mercados. Quando o evento acontece, natural no ciclo econômico, o coro do “eu falei” vem em bloco. O desafio não é apontar possíveis crises, mas acertar seu timing, e assim ganhar dinheiro com a aposta. Então quer dizer que atualmente não existem preocupações na economia mundial? Muito pelo contrário. Questões como desaceleração mundial, taxas de juros negativas, diminuição da liquidez, queda no lucro das empresas, forte queda do preço do petróleo, tensões geopolítica, ascensão de partidos extremistas pelo mundo merecem nossa atenção. Por isso, resolvemos analisar e responder a uma dúvida frequente de nossos investidores: os EUA estão em risco de recessão? Na história recente, toda vez que o resultado ano a ano dos principais indicadores econômicos passou para o terreno negativo, os EUA caminharam para uma recessão na sequência, com exceção em 1995 e 1967. Como pode ser observado no gráfico, a inclinação da curva não é das melhores, mas estamos longe do território negativo.

Outro modelo amplamente utilizado é a inclinação do modelo da curva de US Treasury. Sempre que a curva de juros dos EUA ficou plana ou negativa, houve uma recessão nos EUA após alguns trimestres. Aqui, também não vemos sinais de alarme.

Por último, vale levantar os níveis de inventário. Quando temos excesso de estoques, empresas deixam de produzir e a economia se contrai. A proporção de estoques em relação às vendas está subindo, mas permanece substancialmente abaixo dos níveis observados em 2008.

Em suma, apesar dos mercados falarem sobre o risco da economia dos EUA sucumbir a uma recessão no curto prazo, os indicadores relevantes não sugerem isso. Quando muito, sinalizam um crescimento mais lento.Então por que os mercados estão tao voláteis e investidores correm para um porto seguro? As incertezas assustaram. Receosos tem direcionado seus recursos para títulos do governo americano. As ações que melhor performaram nos últimos anos foram os primeiros barcos abandonados. O índice Goldman Sachs das 50 ações americanas mais detidas por hedge funds teve sua pior performance em seis meses desde a crise financeira de 2008. O setor de Biotecnologia nos EUA, queridinho dos investidores, acaba de ter seu pior desempenho em seis meses desde 2002, em termos absolutos e relativos. Por outro lado, as ações menos queridas tiveram seu melhor retorno nesse período. Até agora, quem performou bem foram as empresas “chatas”, com lucros confiáveis ??e balanços de alta qualidade.É como na história infantil dos cachinhos dourados (Goldilocks). A menina, passeando pelo bosque, encontra uma casa vazia. Ao entrar, depara-se com três tigelas de mingau servidas sobre a mesa. A tigela maior estava muito quente, a média fria e a pequena, morna, deliciosa.Talvez 2016 não seja um ano de sopa quente como pensam os pessimistas, nem um ano de sopa fria, apenas morno. E se em alguns mercados os preços refletem um cenário muito quente, talvez seja a hora de tirar vantagem disso.

Livia Mansur Livia Mansur é especialista em alocação de recursos de clientes de alta renda com mais de 12 anos de experiência. Hoje mora em Miami e atua no mercado financeiro internacional.

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Investimentos no exterior

Investimentos no exterior

Eleicoes Americanas

Apesar de Hillary Clinton ser a candidata mais provável, Donald Trump não está totalmente descartado. Muitos investidores se questionam, o que aconteceria com os mercados se ele ganhasse.
Investimentos no exterior

Investindo no setor imobiliario nos EUA

Apesar da volatilidade do mercado global, o setor de habitação nos EUA tem-se mantido forte. Temos consistentemente visto números sólidos no setor este ano, com aumento de vendas de novas moradias e pedidos de hipotecas. Entenda como investir nesse setor atraves do mercado financeiro.