Por que o urânio pode ser uma proteção e aumentar os retornos das carteiras dos investidores

As ações das mineradoras, que caíram em março, tiveram um 2º trimestre fantástico e agora, no 3º trimestre, já estão com rentabilidades altíssimas

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

A incessante busca por oportunidades é o que nos motiva. Estamos sempre procurando investimentos assimétricos, nos quais a chance de perder seja pequena e, se materializada, não nos impacte muito, e em que, por outro lado, a chance de acertar seja alta e, se materializada, nos gere ganhos exponenciais.

Não é segredo para ninguém que nossa maior tese de investimento na atualidade é o urânio. Estamos há mais de dois anos inseridos nesse mercado, buscando entender a dinâmica do setor, os participantes e seus interesses, e todo tipo de informação que nos ajude a buscar os melhores retornos com o menor risco.

Recentemente eu participei da maior conferência de urânio do planeta, novamente como palestrante, e gostaria de dividir com vocês um dos pontos principais da minha palestra, que foi justamente o fato do urânio poder ser o melhor hedge possível para o investidor, protegendo o patrimônio ao mesmo tempo em que diminui a volatilidade dos portfólios.

PUBLICIDADE

O bear market do urânio teve início em 2011, após o acidente de Fukushhima, e durou até 2017, quando a Cameco anunciou que suspenderia a produção da maior mina do mundo, a de McArthur River, no Canadá. Ao longo desses anos, o preço de praticamente tudo subiu, como de imóveis, ações, bonds, criptomoedas e arte.

Em 2018, os mercados em geral tiveram fortes realizações, com quedas muito acentuadas, principalmente nos últimos meses do ano. Quase todos os ativos caíram, enquanto o urânio subia 30%. Em 2019, após a capitulação do Fed, os mercados voltaram a subir, ao mesmo tempo em que o urânio caia.

Veio 2020 e tivemos o crash mais rápido da história, quando os índices acionários do mundo inteiro despencaram, juntamente com o preço de quase todos os ativos – até mesmo o ouro, considerado o porto seguro, caiu de preço no ápice da crise. Eu disse quase todos, porque o urânio não seguiu esse comportamento, e viu seu preço disparar de US$23/lb para US$34/lb. Muita gente está falando do ouro, da prata e do minério de ferro, mas o urânio é o metal com a melhor rentabilidade em 2020.

As ações das mineradoras, que caíram em março, tiveram um segundo trimestre fantástico e agora, no terceiro trimestre, já estão com rentabilidades altíssimas – e acredito que isso seja apenas o começo.

Hoje está na moda falar da Amazon e da sua rentabilidade – que é expressiva, por sinal. Se imaginarmos que alguém comprou as ações da empresa no final da década de 90 e as segurou até ontem, a rentabilidade anualizada obtida foi de 31%, ou seja, 50% a mais do que Warren Buffett, considerado o maior investidor de todos os tempos, conseguiu com a Berkshire Hathaway. Realmente uma proeza.

No entanto, ao olharmos para o último bull market em urânio, de 2003 a 2008, e analisarmos a pior rentabilidade entre as empresas do setor, que foi a da Cameco, ficaremos surpresos. As ações da mineradora canadense subiram o equivalente a 83% ao ano, ou quase 3x a rentabilidade de quem comprou Amazon há pouco mais de 20 anos.

PUBLICIDADE

Se, em vez disso, fizéssemos uma comparação com as ações da Paladin, por exemplo, cuja rentabilidade anualizada foi superior a 450%, vemos que o urânio realmente merece ser estudado.

Sob o ponto de vista de gestão de portfólios, o investimento em urânio pode diminuir a volatilidade e aumentar os retornos da carteira. Lembrando que a hora de se investir em uma commodity é quando os preços ainda estão baixos e ninguém está prestando atenção.

Disclaimer: Esse texto reflete a opinião do autor e não constitui uma sugestão, recomendação, indicação e/ou aconselhamento de investimento. Nenhuma decisão de investimento deve ser tomada com base nas informações ora apresentadas, cabendo unicamente ao investidor a responsabilidade sobre qualquer decisão que venha a tomar.

O autor detém o ativo mencionado em sua carteira proprietária e/ou na de clientes sob sua gestão remunerada

Marcelo López

Marcelo López tem certificação CFA, é gestor de recursos na L2 Capital Partners, com MBA pelo Instituto de Empresa (Madrid, Espanha) e especialização em finanças pela principal escola de negócios da Finlândia (Helsinki School of Economics and Business Administration). Atuou como Gestor de Carteiras e de Fundos em grandes gestoras internacionais, tais como London & Capital e Gartmore Investment Management.

Leia também