Por que ignorar as grandes escolas de investimento na tese sobre o urânio pode ser uma boa ideia?

Quando estamos diante de uma assimetria única como a que ocorre no metal vale a pena colocar todos os ovos na mesma cesta

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Os melhores investidores do mundo têm uma estratégia de investimento, no mínimo, interessante. Eles não ligam para o que várias escolas afirmam ser a receita mais segura para se investir, que é a de ter diversificação. Eles também não ligam para o que várias escolas pregam se tratar de algo a se evitar, a volatilidade.

Muito pelo contrário, eles abraçam essa ideia e, ao invés de seguir o velho adágio de não por todos os ovos em uma mesma cesta, eles põem sim todos os ovos numa só cesta e não tiram os olhos dela.

Eles são os irmãos Chandler, donos do melhor trackrecord da história de investimentos. Eles conseguiram uma taxa de retorno dos seus recursos de impressionantes 36% ao ano, praticamente o dobro obtido por Warren Buffett, considerado o maior investidor de todos os tempos. Diga-se de passagem, o trackrecord de Buffett é impressionante.

PUBLICIDADE

Os irmãos Chandler usam uma estratégia de investimento conhecida como narrowanddeep, ou seja, estreita e profunda. Isso quer dizer que eles estudam bem algo que parece interessante até que se convençam de que vale mesmo a pena investir naquilo. Em seguida, eles focam a maior parte dos seus recursos nesse alvo e o mantém até o ponto em que acreditam haver valor.

O primeiro investimento deles foi no mercado imobiliário de Hong Kong, pouco antes da ilha ser retornada à China. Vários investidores estavam com receio do que aconteceria, mas os irmãos Chandler, tendo feito sua duediligence, acreditavam que pouco mudaria e que a oportunidade era boa demais para deixar passar. Eles compraram quatro prédios de escritórios após uma queda de quase 70% nos preços, quando ninguém mais os queria, e viram seu investimento apreciar quatro vezes em apenas quatro anos.

Logo em seguida, na época do governo Collor, os irmãos decidiram investir na Telebrás, empresa que eles julgavam estar muito barata. Mais uma vez, eles colocaram praticamente todo o patrimônio deles nesse investimento e viram, após o impeachment de Collor, sua posição cair 60%.

A maioria dos investidores ficaria desesperada e tentaria cortar suas perdas, vendendo a qualquer preço. Mas não os irmãos Chandler, que aguardaram pacientemente a recuperação nas ações; afinal, eles conheciam bem o investimento e achavam a empresa barata. Em menos de três anos, eles já estavam se desfazendo de sua participação, com ganhos superiores a 400% sobre o investimento inicial.

E assim eles fizeram com vários outros investimentos, tendo, na maioria das vezes, um sucesso incrível – apesar de passar por maus bocados durante o trajeto, como as perdas (não concretizadas) nos papéis da Telebrás e de outros.

Enfim, por que estou falando dos irmãos Chandler agora? De certa forma, porque nosso estilo de investimento é bem parecido com o deles: gostamos de concentração e de ir a fundo nas teses de investimento.

PUBLICIDADE

Assim como os irmãos Chandler, fizemos nossa duediligence a fundo no setor, viajando nos últimos 2 anos por diversos países, conversando com consultores, operadores, engenheiros, geólogos, CEOs, CFOs, compradores, enfim, todos envolvidos no setor para entendê-lo bem.

Também gostamos do fato de que é muito difícil conseguir números precisos desse setor, o que faz com que muitos investidores desistam antes mesmo de começarem, o que mostra a baixa competição que temos.

Por fim, temos um conhecimento desse setor muito acima da média, o que nos deixa tranquilos para ouvir muita gente criticando nossa tese de investimento – aliás, essa é uma característica nata dos contrarians e,como diria Howard Marks, todos os grandes investimentos começam de uma situação de grande desconforto.

O urânio, nossa maior posição e tese central de investimento da L2 Capital, é uma oportunidade que não podemos deixar passar. O consumo de urânio vem subindo constantemente há quase uma década, enquanto a produção vem caindo de forma sistemática. Além do mais, o comprador final é praticamente indiferente ao preço, que, por sinal, acreditamos estar muito errado.

Segundo nossos cálculos, o preço do urânio teria que, pelo menos, dobrar a partir daqui para trazer equilíbrio à equação da oferta e demanda – e acreditamos piamente que isso vá ocorrer nos próximos anos.

Esperamos e antecipamos bastante volatilidade nessas posições, afinal estamos concentrando muito em apenas um setor. Mesmo assim, estamos tranquilos com relação a isso, já que temos conhecimento profundo do investimento.

Se nossa tese estiver correta, e acreditamos muito que esteja, esperamos ganhos multiplicadores em nossas posições. Essa parece uma daquelas oportunidades que aparecem poucas vezes na vida. Assim como os irmãos Chandler, temos que saber aproveitar e concentrar nela. É isso que faz a diferença no final.

Disclaimer: Esse texto reflete a opinião do autor e não constitui uma sugestão, recomendação, indicação e/ou aconselhamento de investimento. Nenhuma decisão de investimento deve ser tomada com base nas informações ora apresentadas, cabendo unicamente ao investidor a responsabilidade sobre qualquer decisão que venha a tomar.

Marcelo López

Marcelo López tem certificação CFA, é gestor de recursos na L2 Capital Partners, com MBA pelo Instituto de Empresa (Madrid, Espanha) e especialização em finanças pela principal escola de negócios da Finlândia (Helsinki School of Economics and Business Administration). Atuou como Gestor de Carteiras e de Fundos em grandes gestoras internacionais, tais como London & Capital e Gartmore Investment Management.

Leia também