Cannabis medicinal: riscos e oportunidades

Quase 40 países já legalizaram a cannabis medicinal, motivados tanto pelo mercado de produtos comercializáveis, como pela pressão da população
Por  IFL - Instituto de Formação de Líderes -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Por Natália Vasconcellos

O dia 3 de dezembro de 2019 foi uma terça-feira emblemática no Brasil – o dia em que a Anvisa aprovou por unanimidade a venda de produtos à base de cannabis para uso medicinal no Brasil, com validade de três anos.

Quase 40 países já legalizaram o uso da cannabis para fins medicinais, motivados tanto pelo mercado bilionário de produtos comercializáveis, como pela pressão da população que se sente atraída por seu potencial terapêutico.

A cannabis, ou “maconha”, é um termo utilizado para derivativos das plantas Cannabis sativa e Cannabis indica, que abrange mais de 60 compostos farmacologicamente ativos já utilizados para fins medicinais há milhares de anos e por diferentes culturas.

O delta-9 tetra-hidrocanabidiol, isolado em 1960 (Mechoulam et al.) é o principal composto psicoativo da droga e também o principal responsável por seu efeito de euforia e dependência.

É visto também na etiologia do déficit neurocognitivo e da síndrome de vasoconstricção cerebral reversível – um tipo raro de acidente vascular cerebral que vitima principalmente pacientes jovens e expostos a substâncias precipitantes como a maconha e a cocaína, podendo ocorrer com apenas um dia de uso.

Por sua vez, o canabinol e o canabidiol, além de sabidamente não produzirem efeito eufórico, agem sobre diversos receptores e são utilizados em doenças neurológicas. Um exemplo é a epilepsia fármaco-resistente, ou seja, aquela que não responde a outras duas drogas antiepilépticas eficazes, toleradas e em doses otimizadas.

Nesses casos, a adição da cannabis ao arsenal terapêutico pode reduzir em até 50% a quantidade de crises epilépticas, particularmente em síndromes como Lennox-Gastaut, Dravet e Esclerose Tuberosa.

Vale também mencionar estudos nos campos da espasticidade em pacientes com esclerose múltipla, e da terminalidade (casos de pacientes com câncer avançado ou outras doenças que não têm cura).

Nesse momento crítico da vida, evita-se prolongar a obstinação terapêutica (ou distanásia), utilizando a planta com o objetivo de aliviar a dor e o sofrimento. Essa prática já é disseminada em várias partes do mundo, inclusive no Brasil.

No campo da dor, ainda enfrentamos um grande desafio. Por certo, a medicação gera benefícios terapêuticos tanto a pacientes com dor crônica e incapacitante, como também àqueles com náuseas refratárias causadas pela quimioterapia.

Entretanto, um problema recorrente nos prontos-socorros públicos e privados é a existência de uma ampla população de pacientes viciados em medicamentos opioides (morfina, metadona, oxicodona e outros derivativos). A questão fica ainda mais grave quando esses recusam a internação para tratamento da dor com outros métodos, transitando de hospital em hospital na busca de algum médico que esteja disposto a prescrever a medicação viciante.

Embora seja uma enorme satisfação para qualquer médico aliviar a dor de seu paciente, uma questão não pode ser aqui ignorada: a existência de um grupo de pacientes que apresenta quadro clínico de origem não apenas física (às vezes, nem física é!), mas sim psíquica.

Nesse sentido, surgem as seguintes indagações:

– Como criar uma legislação que contemple o uso da cannabis para dor?
– Qualquer médico, de qualquer especialidade, pode prescrevê-la?
– E a dependência e os efeitos colaterais?
– Esses pacientes foram avaliados por tempo suficiente?

Em 2018, Devinski e colaboladores publicaram em uma renomada revista médica um estudo randomizado sobre a droga no campo da epilepsia refratária: com 224 pacientes, demonstrou como os principais eventos adversos a ocorrência de diarreia, fadiga, sonolência e inapetência em aproximadamente 10% dos casos.

No entanto, o estudo durou apenas 14 semanas. A dura realidade é que ainda carecemos de grandes estudos randomizados, controlados, cegos e capazes de avaliar com precisão o percentual de benefício, segurança e tolerabilidade da medicação a longo prazo.

Por tal razão, foi estabelecido por lei o prazo muito questionado de três anos, de modo que alguns estudos desse tipo sejam finalizados, e possamos ingressar na “fase quatro” – período em que o medicamento é lançado no mercado real (e não utópico) e possibilita um feedback para a indústria dos efeitos adversos.

É inegável que essa aprovação representa um grande avanço, em especial, no quesito segurança. Todo paciente que já usava a cannabis, mas que tinha que importá-la a custos exorbitantes sem ter acesso a sua composição real, agora pode adquiri-la nas farmácias locais. Obviamente, o Brasil acertou nos quesitos legalidade e transparência, haja vista o benefício, por exemplo, para pais de crianças com epilepsia refratária ou familiares de pacientes em fase terminal e com dor refratária a opióides.

Entretanto, na condição de médica neurologista, não posso deixar de evidenciar o enorme desconhecimento sobre o uso medicinal da cannabis. É fato que o desconhecido, apesar de gerar curiosidade e ser fonte de conhecimento para alguns, também abre espaço para o charlatanismo de outros, principalmente, em situações de vulnerabilidade, como as em que se encontram todos os portadores de doenças crônicas que até o momento não tem cura.

É certo que a informação se propaga rapidamente, e os sites da Internet ajudam nessa busca. Considerando a existência do charlatanismo e do curandeirismo em pleno século XXI, pergunto: podemos confiar em tudo?

É compreensível acreditar no prodígio e no discurso fácil e resolutivo quando se tem uma doença grave e progressivamente incapacitante. Em especial, quando o indivíduo se encontra na fase da negação – sim, ela existe e a maioria passa por ela.

Recordo-me da esposa de um paciente recém-diagnosticado com Parkinson que tinha visto na TV a proposta de um novo tratamento milagroso com o uso da “maconha”. Obviamente, meus colegas e eu da Escola Paulista fomos unânimes em dizer que não havia fundamento nem estudo que validasse o uso da referida substância para tal fim, mas que tínhamos proposta de um outro tratamento, não de algo que resultasse em cura.

Sim, novos estudos podem surgir, trazendo à tona nos usos para essa planta milenar, que atua em inúmeros receptores tanto no sistema nervoso central, como no periférico.

Entretanto, preocupa-me o caso dessa senhora e tantos outros que, ao invés de aceitar a verdade (muitas vezes dura), optam por opções fantasiosas de cura, com abandono do tratamento tradicional (estudado e debatido nas melhores universidades do mundo), em prol de um resultado duvidoso. Na medicina, infelizmente, até o momento aliviamos muito, mas curamos pouco!

Como já dizia o médico canadense William Osler: “na medicina e no amor, nem nunca nem sempre”. Não existe tratamento perfeito, nem medicamento sem efeito colateral.

Em um mundo tech e high, a valorização do médico de confiança e do médico da família, faz-me acreditar num laço mútuo. Acredito que ainda há espaço para a medicina tradicional, para o médico-cientista, que estuda e se dispõe a explicar ao paciente os reais benefícios, o percentual de sucesso e as possíveis complicações de um tratamento, compartilhando até mesmo suas próprias fonte de informação.

Acredito na capacidade de escolha, na liberdade econômica, política e individual, seja pelo “tratar”, seja pelo “não tratar”, seja pelo “viver o que me resta”, seja pelo “quero lutar até o fim”. Mas, tudo isso, de posse da informação verdadeira, atual e de qualidade.

Infelizmente, no assunto cannabis, a medicina está apenas engatinhando. Temos um longo caminho pela frente.

Natália Vasconcellos é associada do IFL-SP e médica pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Estudou neurociências na Universidade de Glasgow, Escócia e é neurologista pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Atualmente cursa mestrado em neurologia na UNIFESP e especialização em neurointervenção na USP-SP.

IFL - Instituto de Formação de Líderes O Instituto de Formação de Líderes de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo formar futuros líderes com base em valores de Vida, Liberdade, Propriedade e Império da Lei.

Compartilhe

Mais de IFL-Instituto de Formação de Líderes

IFL-Instituto de Formação de Líderes

Qual o papel da Lei e do Estado?

Que tipo de qualidade de vida você e sua família teria se pudesse ter mais liberdade de escolher para onde vão os frutos das suas faculdades (do seu trabalho), que atualmente são espoliados pelo Estado em forma de impostos para gastos que não necessariamente estão alinhados com as suas necessidades?
IFL-Instituto de Formação de Líderes

Anatomia do Estado e as Disfunções do Brasil

O desprezo ao indivíduo e a exaltação a coletividade, indicada por Rothbard como “um dos artifícios utilizados por governantes para manutenção do poder” é ainda mais nítida no atual momento vivenciado pelo Brasil, marcado pela interferência do Estado nas liberdades individuais através da imposição de leis extremamente restritivas e protecionistas.