A reforma econômica

A democracia brasileira superou a desconfiança do mercado e da própria população sobre a ruptura causada pelo impeachment e a possibilidade de recuperação econômica. 
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A reforma econômica

por Gilvan Badke

Em maio de 2016 o Brasil passava por uma transição que colocava em xeque sua jovem democracia e suas instituições. A até então presidente Dilma Roussef era acusada por cometer crimes fiscais através de mecanismos conhecidos como pedaladas fiscais, que envolviam operações de crédito entre o Tesouro Nacional e instituições financeiras além do previsto em lei.

Esse movimento financeiro-orçamentário na verdade visava ocultar o resultado das contas do país e, a partir desse artifício, aparentar um desempenho melhor que o real, maquiando as contas oficiais.

Segundo dados da IBGE, o Brasil naquele momento atingia inflação acima de dois dígitos, alcançando 10,67% em dezembro de 2015, além de apresentar a taxa de juros em 14,25% segundo o Banco Central. O cenário era de recessão econômica, atingindo um ápice de mais de 14 milhões de desempregados.

A deterioração econômica se tornou uma tragédia social que culminou com manifestações populares e o impeachment da então presidente. Ocorre que apesar de todo esse cenário, a saída da chefe do executivo federal trouxe um cenário de grande incerteza para o país e de quais seriam os caminhos para a retomada da recuperação econômica.

Em maio de 2016, Henrique Meirelles tomava posse como novo Ministro da Fazenda, anunciando o completo abandono da chamada “Nova” Matriz Econômica implantada pelo governo anterior, e defendendo controle de gastos públicos.

Após quase 20 meses, verifica-se que o abandono da política progressista e a adoção da razão na condução da economia do país têm gerado resultados para a sociedade. O índice de inflação do IPCA foi reduzido para 2,46% no período de 23 meses até agosto de 2017. A taxa de juros SELIC caiu para 8,25% reduzindo 6 pontos percentuais.

Além desses indicadores, outros índices relevantes mudaram drasticamente, saindo de vertiginosa queda para  aumentos tímidos como a produção industrial e o PIB e outros para crescimentos significativos como a produção de veículos e o saldo de postos de trabalho gerados.

Nesse contexto, tudo indica que a democracia brasileira superou a desconfiança do mercado e da própria população sobre a ruptura causada pelo impeachment e a possibilidade de recuperação econômica.

O atual presidente Michel Temer, apesar de não contar com a simpatia popular e sofrer desgastes políticos intensos devido a denúncias decorrentes de investigações como a Lava-Jato, demonstra que acertou em deixar a condução da área econômica com Meirelles e abandonar práticas ideológicas pela supremacia do uso da razão.

Gilvan Badke é gestor de negócios da eMEG e associado honorário do Instituto Líderes do Amanhã.

IFL - Instituto de Formação de Líderes O Instituto de Formação de Líderes de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo formar futuros líderes com base em valores de Vida, Liberdade, Propriedade e Império da Lei.

Compartilhe

Mais de IFL-Instituto de Formação de Líderes

IFL-Instituto de Formação de Líderes

Qual o papel da Lei e do Estado?

Que tipo de qualidade de vida você e sua família teria se pudesse ter mais liberdade de escolher para onde vão os frutos das suas faculdades (do seu trabalho), que atualmente são espoliados pelo Estado em forma de impostos para gastos que não necessariamente estão alinhados com as suas necessidades?