Redução do limite de financiamento de imóvel: e agora?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A Caixa vem anunciando algumas mudanças recentemente. Após aumentarem as taxas de juros do financiamento imobiliário, foi a vez da porcentagem do valor que pode ser financiada que mudou: antes era permitido até 80%, agora, o limite é de 50%. Ou seja, o comprador deverá ter metade do valor do bem para concretizar a aquisição.

Mas há um adendo: a medida incide na compra de imóveis usados, feita com recursos da Caderneta de Poupança e negociada pelo SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e passará a valer a partir de 4 de maio. Com essa novidade, significa que o sonho da casa própria, para muitos, demorará um pouco mais para ser realizado.

Fazendo uma simples simulação: se o imóvel custa R$ 500 mil, o interessado deverá possuir a quantia de R$ 250 mil para dar de entrada e, então, financiar o resto. No modelo antigo, com R$ 100 mil, a pessoa já poderia iniciar sua compra. Se, por um lado, é bom que as pessoas acabam comprometendo menos o seu orçamento com uma única compra, por outro, muitas acabam não querendo esperar mais e buscam outras linhas de crédito com juros mais altos, aumentando o risco de inadimplência.

Isso acontece por falta de orientação, de educação financeira. O momento não é para desespero e atitudes impulsivas, mas sim de cautela e planejamento, ainda mais com a economia delicada do país, empregos instáveis e tudo o que envolve essa questão. Não é para dar um passo maior que a perna, apenas por impaciência, não vale a pena e, em curto prazo, a pessoa já perceberá isso.

Para quem já estava com tudo certo para a compra da casa e a mudança, na afetará a realização desse sonho, desejo parabéns e uma vida muito próspera no novo lar. Agora, para quem ainda está iniciando nessa ideia da aquisição, tenho algumas recomendações:

– Faça um bom diagnóstico financeiro, anotando todos os gastos durante 30 dias, separando por categoria, para saber onde estão ocorrendo os excessos e, assim, poder diminui-los ou até mesmo eliminá-los;

– Com essa redução das despesas, busque redirecionar esses valores ao que realmente importa: os sonhos, como é o caso da compra da casa própria;

– A partir daí, faça as contas para o planejamento da aquisição, nos mínimos detalhes, contando todos os aspectos, inclusive a mudança da porcentagem do financiamento;

– Não saia fazendo dívidas com empréstimos por impulso para completar o valor que precisa para dar entrada. Analise bem as possibilidades e tenha consciência de cada atitude, pois um erro pode comprometer todos os planos.

Sem dúvida nenhuma, a educação financeira é o melhor caminho quando o assunto é o uso e a administração do dinheiro. Infelizmente, não tivemos a oportunidade de aprender sobre esse tema, nem em casa nem na escola, mas há livros, cursos e palestras sobre educação financeira – alguns até online e gratuitos –, basta procurar. Somente assim mudaremos de maneira eficaz nosso comportamento em relação às finanças, tornando-nos mais conscientes e aptos a fazermos as melhores escolhas.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.