Investir bem para casar bem

Casamento é coisa séria, por isso, deve envolver uma boa dose de planejamento.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

Já que estamos no mês das noivas, resolvi falar um pouco sobre algo que muitos casais têm dúvida: como fazer investimentos para o casamento, em conjunto ou individualmente? Não há certo ou errado, basta os dois estarem de acordo com o que for decidido e cumprirem.
 
Casar é uma decisão importante e que requer planejamento. Sempre oriento que essa conversa já seja feita com, pelo menos, 24 meses de antecedência. É importante que, nesse tempo, se discuta, principalmente, quais são os sonhos do casal e de cada um, sabendo quanto eles custam, quanto poderão poupar por mês e em quanto tempo conseguirão realizá-los. A própria festa ou viagem para comemorar o casamento é considerada um sonho.
 
A partir dessa organização das ideias, custos e prazos (curto, até um ano; médio, de um a dez anos; e longo, acima de dez anos), fica tudo mais fácil e evita desesperos e frustrações nas vésperas do casamento, que podem, inclusive, atrapalhar a relação. Sobre os tipos de investimento, eles variam de acordo com o prazo do sonho. Para os de curto prazo, aconselho aplicar em caderneta de poupança, pois se tem a disponibilidade de fazer retirada a qualquer momento, sem necessitar de pagamento de taxas ou ter perda de rendimento.
  
Para os de médio prazo, ou seja, recomendo investir em Tesouro Direto, CDB, Fundo de Investimentos ou Ouro. Nesse caso, o melhor é pesquisar em, no mínimo, três bancos de grande porte. Mas, se o sonho for de longo prazo, ou seja, acima de dez anos, é interessante o Tesouro Direto, Previdência Privada e ações.
 
Outro ponto que é de extrema relevância que seja acordado antes mesmo de o casal morar junto é se querem dividir os gastos de casa ou juntar os dois ganhos e fazer um único orçamento financeiro. Repito: não há certo ou errado, só é preciso comprometimento com o que for decidido. 
 
É necessário colocar no papel os passos que deverão ser percorridos, isto porque envolve investimentos financeiros. Definir, por exemplo, o local de moradia e suas instalações e levantar o custo de vida da nova moradia é um aspecto que ajuda, e muito, no planejamento.
Conversar sobre se e quando querem ter um filho também é importante, afinal de contas, essa decisão também envolve investimento pesado, com vestuário, alimentação, educação, entre muitos outros aspectos. E, para que o casamento seja construído em bases sólidas, é importante que ambos entendam a importância desse planejamento e se esforcem para cumprir, inclusive, os de longo prazo, pensando, por exemplo, na aposentadoria.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.