Inflação oficial x inflação real

Saber que existe a inflação oficial e a inflação real e conseguir distingui-las é fundamental para ter a noção do seu real poder de compra.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

Na última sexta-feira (10), O IBGE divulgou que a inflação oficial do país fechou 2013 em 5,91%. No entanto, muitos brasileiros não entendem que há diferença entre o que é publicado pelo governo federal e o que de verdade acontece de repasse de aumento nos preços de tarifas públicas, produtos e serviços.
Essa distorção vem causando ao consumidor uma grande perda no poder de compra e também um aumento sucessivo do endividamento, com consequências diretas no crescimento da porcentagem de inadimplentes, que, aliás, é boa parte constituída por jovens que estão se iniciando ainda no mercado de trabalho, o que é ainda mais preocupante.
Só para dar um exemplo da inflação oficial x real: se pegarmos um produto que custou R$ 1.000,00 em dezembro de 2012, com a inflação oficial de 2013, custaria R$ 1.059,10; comparado com a inflação real de 10%, temos o valor de R$ 1.100,00, ou seja, uma diferença de 4,15% (R$ 41,50). Projetando essa diferença pelos próximos cinco anos, a perda do poder de compra será de R$ 277,96; em dez anos, a perda será de R$ 818,04, o que representa mais que 80%.
Portanto, não podemos simplesmente virar as costas e deixar com que esse processo continue. Recomendo atenção especial com relação aos ganhos e gastos, fazendo um diagnóstico financeiro e revendo os gastos, adequando-os à verdadeira situação financeira. Para isso, basta anotar todos o dinheiro que entra e o que sai no mês, separando as despesas por categorias (padaria, guloseimas, combustível, etc.). Assim, é possível ter, ao mesmo tempo, uma visão micro e macro de suas contas.
Também chamo aqui a sua atenção no que se refere aos desperdícios. Segundo pesquisas, 25% de tudo o que consumimos é considerado excesso e, portanto, pode – e deve – ser cortado. Com essas atitudes, poderá repor essa perda inflacionária e manter – ou até melhorar – o padrão de vida. Informe-se mais sobre o assunto e faça parte da parcela da população que é educada financeiramente, ajudando a construir uma sociedade mais consciente e sustentável. 

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.