Crédito consignado x educação financeira

Seja qual for o tipo de empréstimo, é preciso ter ciência da situação financeira, para que a dívida contraída, ao invés de resolver um problema, não acabe se tornando outro.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A população possui um alto índice de endividamento e boa parte dele é devido à aquisição de crédito consignado, ou seja, empréstimos que descontam direto da folha de pagamento. Infelizmente, essa prática cresce por conta da falta de educação financeira das pessoas, que não conseguem viver com seus ganhos.

 

Essa situação, além de comprometer a vida financeira pessoal – e da família, se tiver – também acaba interferindo no dia a dia do indivíduo enquanto profissional. Por isso, a minha primeira orientação para quem está pensando em tomar crédito, seja ele qual for, é saber exatamente qual é a sua situação financeira, fazendo um diagnóstico das finanças ao longo de um mês, sabendo para onde está indo cada centavo do seu dinheiro.

 

Se já houver dívidas, é preciso ficar atento, pois a situação pode fugir do controle, tornando-se uma bola de neve. Isso afeta sua vida de tal forma que a sua produtividade no trabalho pode cair, o que não ajudará em nada, uma vez que o que você mais precisa no momento é de concentração para se manter no emprego, caso contrário, as dívidas só vão aumentar.

 

Outro ponto relevante que se deve ter ciência é que o salário – ou benefício de aposentadoria – já virá com desconto, então, consequentemente, o padrão de vida será menor. Dependendo da sua condição, o crédito consignado pode representar uma importante ajuda, no entanto, um pensamento que se deve ter é que a prática não pode se tornar rotina, ou seja, sempre que precisar, pegar o empréstimo. É preciso ir além e resolver a causa do endividamento, se reeducando financeiramente.

 

Uma orientação que sempre dou é a seguinte: se encontrar taxas de juros mais baixas, é possível – e totalmente recomendável – fazer a portabilidade da dívida, ou seja, transferi-la. Aos funcionários, procurem falar com o RH da empresa, já para os aposentados, são diversos caminhos, basta pesquisar, analisar e escolher a melhor proposta.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.